Por que sempre
acreditar em
mudanças?

por Redação

Buscamos essa resposta durante a cerimônia de entrega do prêmio Trip Transformadores 2019, no Auditório Ibirapuera, em São Paulo

No último dia 7 de novembro, o Trip Transformadores ocupou mais uma vez o Auditório Ibirapuera, em São Paulo, que se encheu de força para a celebração da 13ª edição do prêmio. Em um ano em que se discutiu demais e se conversou muito pouco de modo construtivo, conseguimos mostrar mais uma vez que a verdadeira revolução nasce diariamente dos gestos das pessoas que se movimentam para fazer do Brasil um lugar melhor para todo mundo.

LEIA TAMBÉM: No país que mais mata ambientalistas no mundo, Altamiran Ribeiro luta para que comunidades tradicionais do cerrado brasileiro tenham seu direito à terra e à vida respeitados

Inspirados por esse sentimento, nos momentos que antecederam a cerimônia, conversamos com alguns dos homenageados — a escritora Conceição Evaristo; o neurocientista Eduardo Schenberg; o ex-atleta e comentarista Walter Casagrande; a criadora do instituto Beaba Simone Mozzilli; o ativista que luta pelas comunidades tradicionais brasileiras Altamiran Ribeiro; a professora e militante Yvonne Bezerra de Mello; e o juiz Iberê Dias — e também com o rapper Thaíde, que entregou um dos prêmios da noite, e com a cantora Josyara, que subiu no palco para cantar "Rota de Colisão".

No papo, sugerimos uma reflexão sobre como seguir acreditando em mudanças mesmo quando o mundo parece estar andando para trás. Abaixo, você confere o que eles nos disseram.

Como continuar acreditando em mudanças quanto tudo parece estar andando para trás? 

Conceição Evaristo, escritora. Quando tudo parece estar andando para trás, não podemos perder o incentivo. Não devemos perder o que já foi feito, por exemplo, na saga das mulheres negras. Eu me recordo da luta de ontem de outras mulheres negras que me antecederam e que, muitas vezes em situações subalternizadas, prepararam o futuro para suas filhas. Buscar a perseverança de quem já esteve é uma maneira de a gente acreditar que é possível, acreditar que a gente tem que continuar lutando. 

LEIA TAMBÉM: Conceição Evaristo transforma sua trajetória em referência e impulso para toda uma geração de jovens escritores negros que, como ela, buscam transformar a sociedade

Yvonne Bezerra de Mello. Acreditar é algo que depende muito do que você faz e aí a gente consegue dar um passo à frente. Costumo ser muito positiva. 

Thaíde. Mesmo com as coisas indo para trás, precisamos caminhar para frente. É vencer pelo cansaço. 

Eduardo Schenberg. A vida é assim, tem os seus opostos, aquela coisa pendular. Cada hora vai para um lado. Se tudo estiver indo bem, aí é que não precisaria de transformação, né? A gente quer transformar exatamente porque as coisas não estão indo tão bem quanto a gente acredita que poderia.

Simone Mozzilli. Como eu passei por uma situação em que minha vida parecia andar para trás, tentei ressignificar isso. Às vezes, você tem que dar um ou dois passos para trás para pegar impulso e ir mais forte para frente. É ter pequenos obstáculos e vencer um a cada dia. Aí, quando você vê, deu um passo muito grande.

LEIA TAMBÉM: O operário de hip hop brasileira, Thaíde dá a letra: "O rap brasileiro continua sendo o nosso grande farol”

Josyara. A gente deve acreditar quando está fazendo aquilo que ama, com as pessoas que a gente sente que fortalecem a luta para as coisas se movimentarem. É se juntar.

Iberê Dias. Acreditar que as coisas vão ficar melhores é a única solução. A gente parece que está no fundo do poço e cavando ainda mais, no Brasil, em especial. Em um evento como esse, a gente vê como tem pessoas fazendo coisa boa por aí. A gente tem que acreditar, apesar dessa fase turbulenta e lamentável da história brasileira.

Altamiran Ribeiro. Tem uma música de um cantor piauiense que diz: “Há sempre algum motivo para sonhar”. Eu acho que, apesar de tudo, temos que estar sempre sonhando e acreditando que vai dar certo, sem nunca achar que já cansou ou se entregar. Na atual situação, a nossa esperança tem que estar viva. Outra frase muito usada pelo pessoal da Comissão Pastoral da Terra Nacional é: “Faz escuro, mas eu canto”. E é nesse cantar que você consegue ver luzes, ver caminhos para romper com tudo que está aí. Quando você vai em uma comunidade que está em situação de conflito – indígena, ribeirinha ou outra qualquer–, você vê as pessoas cantando suas músicas, chamando suas divindades, mesmo que estejam sofrendo. E isso te mostra que, mesmo na dor, eles estão sempre esperançosos de que amanhã pode ser diferente. A gente tem que buscar esses motivos nessas pessoas que sofrem, porque eles acreditam na melhora.

LEIA TAMBÉM: Há mais de 25 anos, Yvonne Bezerra de Mello está ao lado de crianças vítimas de violência. Foi assim na Chacina da Candelária, em 1993, e segue sendo na escola que fundou na comunidade da Maré, no RJ

Walter Casagrande. É agir, ter atitude. Se ficar sentado olhando tudo andar para trás, não vai existir transformação alguma. Precisamos de pessoas que coloquem a cara para bater, que não se preocupem só consigo mesmas, mas com todo mundo. As mudanças acontecem quando você se preocupa com os outros, qualquer tipo de transformação é assim.

Se pudesse escolher apenas uma coisa para transformar no mundo, o que seria?

Conceição. Eu tentaria acabar com a prepotência das pessoas. As pessoas que exercem um certo poder dentro de um micro ou macro espaço, a prepotência dessas pessoas na maneira delas se conduzirem, a impressão que elas têm de serem donas do mundo. Mais que essa prepotência, o orgulho que as pessoas têm quando estão no lugar do “eu mando” e acham que as que estão ali numa situação abaixo delas são objetos. Essa conduta de fazer do seu igual, do seu semelhante, um objeto, uma coisa, eu acabaria com isso, com a prepotência de quem tem o poder ou de quem acha que tem o poder. Para mim, a ferramenta para mudar isso são as pessoas que estão subjugadas aos poucos irem tomando consciência de seus valores, consciência da dignidade humana. Porque, quando você toma consciência da sua dignidade, você tem mais força para lutar contra a prepotência do outro. 

LEIA TAMBÉM: Quando Walter Casagrande parou de jogar, foram as drogas que ocuparam o espaço da adrenalina de estar em campo. Foram três overdoses até se recuperar. Hoje, ele fala abertamente sobre a dependência

Yvonne. 
Eu acabaria com a escola tradicional no mundo todo e faria com que as crianças tivessem acesso a coisas novas, a uma educação mais dinâmica. Acho que, hoje em dia, é tudo muito atrasado. 

Josyara. Faria existir mais respeito. A gente está vivendo um momento de muita intolerância, sendo reprimidos e as cabeças estão retrocedendo. Tem que haver um respeito pelas diferenças.

LEIA TAMBÉM: Para combater traumas e promover o avanço da ciência, o neurocientista Eduardo Schenberg pesquisa o efeito positivo que drogas psicodélicas como o MDMA podem ter na nossa saúde

Casagrande. Eu mudaria a ajuda a dependentes químicos, ajudaria essas pessoas que estão na rua, porque isso me machuca muito. O máximo que eu posso fazer é o que eu faço: estou procurando a ajuda de políticos, preciso de uma ação oficial para tentar fazer essa transformação. Tem muita coisa que precisa ser transformada, mas eu vou na minha dor.

Iberê Dias. Seria a igualdade entre as pessoas, em todos os aspectos. Aprender a encarar as pessoas de forma efetivamente igualitária, sem casta. Essa é a mudança que a gente mais precisa no país. Vivemos ainda num país estratificado.

Simone. Acredito muito no amor e na fé. Pode ser fé em uma coisa maior, em você, no amor. Acho que é ter fé no amor.

LEIA TAMBÉM: Parcerias inéditas de Nação Zumbi, Josyara, Rael e Mariana Aydar dão o clima do projeto Conexões Sonoras

Eduardo. A consciência humana

Altamiran. Faria existir mais respeito ao modo de vida das pessoas.  

Thaíde. A ignorância, porque é isso que faz as pessoas guerrearem, serem racistas, maltratarem animais, derramar óleo em praias, matar índios...

Quem você viu transformar o mundo em 2019? 

Conceição. A pessoa que eu vi transformar o mundo este ano, que, aliás, vem transformando o mundo desde sempre, é a líder afro-americana Angela Davis. Cada vez que aquela mulher fala, ela até diz: “Quando uma mulher negra se movimenta, ela movimenta o mundo”. Ela foi a minha guru na juventude. Nós temos a mesma faixa de idade e eu fico muito feliz de ainda hoje poder conviver com ela e perceber que é uma mulher que vem ao longo do tempo mantendo uma fidelidade a sua militância, à palavra, à luta. Uma pessoa que está transformando o mundo é a Angela Davis. 

LEIA TAMBÉM: O juiz Iberê Dias e o rapper Dexter uniram suas forças para dar uma perspectiva de futuro a milhares de jovens que vivem nas casas de acolhimento do estado de São Paulo

Simone. Quem transformou o mundo e, principalmente, o meu mundo este ano, foi a Trip. Às vezes, no dia a dia, a gente só enxerga as dificuldades e fica brigando. Vocês conseguiram mostrar o quanto a gente [da ONG Beaba] já fez. É difícil parar para apreciar o que a gente faz, porque a gente está sempre lutando.

Casagrande. Foi o movimento dos estudantes, no Brasil, quando o governo diminuiu a verba das universidades. Ali, eu acreditei. Estava faltando essa movimentação estudantil que há muitos anos não acontece. Eles foram para a rua e é isso que precisa ser feito. Não só os estudantes, mas todo mundo. Nós temos que evitar o caos, está na nossa mão. Não adianta ficar assistindo televisão e achar que tudo está horrível. A mudança acontece quando muita gente se mexe.

Josyara. As mulheres estão pensando mais no coletivo, em se juntar. Estão se estudando, entendendo o mundo e com a maior vontade de fazer a coisa acontecer.

Iberê. Tem uma pessoa fazendo um trabalho no Capão Redondo usando o esporte como ferramenta de inclusão social, que é a Neide. Ela tem um projeto que chama Vida Corrida, voltado para crianças, que usa a corrida para promover a igualdade, a inclusão e a adoção de práticas saudáveis.

LEIA TAMBÉM: Após um câncer no ovário, Simone Mozzilli luta para combater o estigma em torno da doença e melhorar a qualidade de vida de crianças em tratamento com seu Instituto Beaba

Yvonne. Quem transformou o mundo, na parte ambiental, foi aquela menina, a Greta Thunberg, porque, apesar de estar todo mundo contra ela, ela conseguiu levantar os estudantes no mundo todo. Isso é fenomenal.

Altamiran. Eu vejo essa pessoa como um beija-flor da floresta, que é o Papa Francisco. Apenas com palavras, ele consegue mexer com muita gente. Digo que é o beija-flor porque ele joga uma gota de água no incêndio que é esse assunto, mas, mesmo assim, consegue fazer diferença e mobilizar pessoas.

Eduardo. Meu voto vai para o movimento indígena, porque acho que é a transformação mais urgente que precisamos ver. O movimento indígena hoje representa basicamente a sustentabilidade planetária. Se não for mais possível sobreviver como indígena, através da pesca, da pequena caça e da pequena horta, vai ser possível sobreviver de que forma?

Créditos

Imagem principal: Mariana Pekin

fechar

Entre em contato
com a trip


fale conosco

PABX +55 (11) 2244-8747
Caixa Postal: 11485-5
CEP: 05414-012
São Paulo - SP

atendimento ao assinante

SP (11) 3512-9465
BH (31) 4063-8433
RJ (21) 4063-8482
das 09h às 18h
assinaturas@trip.com.br
 CENTRAL DO ASSINANTE 

ou se você preferir:

e-mail inválido!
mensagem enviada!
fechar

Assine


E leve ousadia, moda, irreverência,
comportamento, inspiração.
Tudo isso com coerência, profundidade
e um olhar que só a Trip tem.

trip

Desconto de 25%

11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Conceito

assinar

11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Trip Girl

assinar

trip

Grátis um super relógio

22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Conceito

assinar

22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Trip Girl

assinar
fechar