por Paulo Lima
Trip #271

Esta edição traz Trip e Tpm juntas em um só corpo para pensar em novas verdades que combinem as melhores características dos gêneros

Se quisermos falar sobre futuro, e é sobre ele que queremos falar, não bastará checar para onde aponta a ciência, ou de que maneira a tecnologia mudará, pasmem, até mesmo o modo como surfamos. Bem, além disso, vamos obrigatoriamente precisar olhar para a forma como nos vemos e nos relacionamos com nossas próprias incertezas, angústias, medos, diferenças e inseguranças. E teremos de mirar, com atenção extrema, muito mais para o que nos une do que para o que nos separa.

Em boa medida, é esta a intenção de experimentar pela primeira vez colocar, editorialmente, mulher e homem convivendo num mesmo corpo. Se há milhões de pessoas (provavelmente todas elas) experimentando as infinitas alternativas nesta direção, por que revistas não poderiam produzir fusões e intercursos que resultem em algo ainda mais interessante, sensual e instigante do que as partes isoladas?

Quem nos conhece sabe que viemos ao mundo para experimentar o que não está posto. O futuro, tudo leva a crer, não enxerga restrições ou limites tão demarcados. Ao contrário, talvez o futuro seja exatamente a reversão de todos eles. Intersecção, campos comuns, vivências entrelaçadas, mulher, homem e tudo o mais que houver nessa vida. Vamos a eles... 

Milly, parafraseando o poeta sertanejo, “pense em mim, liga pra mim, não liga pra ela…”.

LEIA TAMBÉM: Milly Lacombe fala sobre a edição que une Trip e Tpm

Créditos

Imagem principal: Mary Evans Picture Library/Peter & Dawn Cope Collection/EasyPix/Shigeo Fukuda

matérias relacionadas