por Claudio Sassaki

O futuro do planeta pode estar comprometido quando não prestamos atenção nos outros. Sabendo disso, Claudio Sassaki criou a Geekie: uma plataforma educativa e adaptativa.

Meu primeiro grande impasse com essa educação tradicional que temos, baseada num modelo industrial pasteurizado, onde as crianças ficam enfileiradas e todos são tratados da mesma forma, surgiu quando precisei encontrar uma escola para minha filha mais velha, a Yasmin. Tenho três filhos – à espera do quarto –, cada qual com um perfil completamente diferente. Yasmin é perfeccionista, protetora e criativa. Luana é destemida, desbravadora e analítica. Já o menor, Vitor, é carismático, conquistador e se expressa através do seu corpo. Quem tem filhos entende que, por mais que as crianças sejam criadas pelos mesmos valores, cada uma tem traços muito particulares e que devem ser respeitados.

Como encontrar uma única escola que valorizasse meus três filhos, que lhes permitisse aprender de acordo com seus ritmos, interesses e desafios? Foi durante essa busca por uma escola ideal que percebi a grande disparidade da educação brasileira: sim, eu era capaz de encontrar uma instituição de ensino com a abordagem, os recursos e os educadores que almejava; porém, ao menos 80% da população não contam com a mesma oportunidade.

Bom, e qual é o problema? Muitos não entenderam a razão do meu incômodo, afinal, meus filhos estavam "com o futuro garantido". Exceto que, não, não estavam. O futuro dos meus filhos está apenas tão garantido quanto o de todas as outras crianças em formação no Brasil. Talvez você já tenha se deparado com a frase "it takes a village to raise a child", ou "é preciso toda uma vila para criar uma criança". Dizem que se trata de um provérbio africano, cujo autor é desconhecido, mas a citação permanece atual. As oportunidades, a segurança, a qualidade de vida dos meus filhos está diretamente ligada às oportunidades, à segurança e à qualidade de vida oferecidas também ao resto de sua geração. O acesso à educação de qualidade vai ditar quem serão os colegas de trabalho da Luana ou os amigos de faculdade do Vitor – se é que ele vai fazer faculdade. Vai ditar se a Yasmin poderá andar à noite tranquilamente ou será assaltada, talvez por um jovem que não teve seus direitos assegurados.

Foi essa a reflexão que me levou a criar a Geekie em 2012. Nossa meta é democratizar o ensino de qualidade através da personalização do aprendizado. Este ano, demos um grande passo em direção a esse objetivo com o lançamento do portal Hora do Enem pelo Ministério da Educação (MEC) e Serviço Social da Indústria (Sesi), com potencial de atingir 2,2 milhões de concluintes do ensino médio se preparando para o Enem e vestibulares. A parceria levou a plataforma Geekie Games, de aprendizagem adaptativa e avaliação, gratuitamente, aos computadores e celulares de jovens de todo o Brasil.

Quando, após responder alguns exercícios, o aluno recebe um plano de estudos feito sob medida, considerando as lacunas em seu aprendizado e indicando o melhor caminho para superá-las, ele deixa de ser apenas mais um em uma sala de aula lotada. O aluno está no centro. Ele é o sol. Em vez de receber o mesmo conteúdo, no mesmo formato, ao mesmo tempo que os colegas, ele vai ser desafiado de acordo com suas limitações e formas de aprender. E, o mais importante, ele se sente capaz de atingir seus objetivos. Percebe que o problema não está necessariamente nele, mas na forma como nosso sistema educacional funciona: padronizado, não considerando que duas pessoas não aprendem da mesma forma.

Foi o que aconteceu na Escola Estadual Jardim Riviera, em Santo André (SP). No ano passado, uma parceria com o governo de São Paulo possibilitou que os alunos do terceiro ano do ensino médio da rede pública utilizassem a Geekie como complemento aos estudos tradicionais. Cleide Torres, a diretora da escola, resume o sucesso da empreitada: “A tecnologia está promovendo o empoderamento desses jovens para que alcancem o seu projeto de vida. Eles estão vendo que isso é possível”.

Como empreendedor social, meu desafio é tornar essas soluções eficientes e acessíveis para o maior número possível de pessoas. Como pai, também. Afinal, somos responsáveis, como sociedade, por educar aqueles que vão herdá-la de nós – e alguém ainda duvida que investir na escola é peça-chave nesse processo?

 

 

Claudio


Claudio Sassaki foi homenageado no Trip Transformadores de 2014.

* Acompanhe aqui, semanalmente, os textos de grandes pensadores da sociedade brasileira, que já passaram pelo palco do Trip Transformadores.

 

matérias relacionadas