por Ana Maria Peres
Trip #189

A revista Trip ganha uma versão em alemão e será lançada em outros quatro países europeus

Nos quase 200 anos da história das revistas no Brasil (As variedades ou ensaios de literatura, considerada a primeira do país, foi lançada em 1812), nenhum título nacional havia sido licenciado até agora para um grande mercado do exterior. Essa escrita acaba de ser quebrada com o lançamento da Trip em alemão, com tiragem de 100 mil exemplares distribuídos na Alemanha, na Áustria, na Suíça e em Luxemburgo - além de lotes destinados à Itália e a Portugal, países que recebem um grande fluxo de turistas germânicos.

A novidade é resultado do licenciamento concedido pela Trip Editora à empresa do publisher e jornalista alemão Thomas Garms, ex-editor das revistas Men's Health e Hörzu e colaborador da Playboy alemã. Para concretizar a iniciativa, Garms criou uma editora com foco exclusivo na produção e divulgação da Trip em alemão, sediada em Hamburgo, onde ele vive hoje - e também onde começou a história das revistas, já que a pioneira Edificantes discussões mensais foi lançada ali em 1663.

O lançamento representa a chegada de um título brasileiro não apenas ao berço da imprensa moderna, como também a um dos mercados mais importantes do mundo editorial hoje. "Países de língua alemã têm economia intensa e pessoas abertas a novas publicações. A Trip é uma marca forte, com concepção jornalística de peso", diz Garms.

A Trip em alemão nasceu como uma ideia de Garms. Meses atrás, ele ocupava a cadeira de vice-presidente de negócios da Axel Springer International, um dos maiores grupos de comunicação da Alemanha. Entusiasmado pelo conceito da Trip, Garms procurou no ano passado Paulo Lima, fundador da Trip Editora. "Ele disse que pretendia publicar a revista na Axel. No entanto, meses depois, a empresa decidiu suspender os projetos internacionais", conta Paulo. Foi aí que Garms abriu mão de um dos cargos mais importantes do mercado editorial alemão e criou uma editora independente para lançar a Trip em alemão.

PRINCÍPIOS TRADUZIDOS

Depois de meses de conversas sobre o conceito da revista com a Trip Editora no Brasil e de formação da equipe na Alemanha, o resultado finalmente pôde ser conferido pelo público europeu no fim de abril. "A chegada às bancas foi surpreendente. Investiram bastante na estratégia de posicionamento nos pontos de venda, com displays especiais, vitrines em aeroportos etc. A revista pode ser encontrada em bancas comuns, estações de trem, livrarias e outros pontos. A repercussão na imprensa alemã foi muito boa, com chamada de capa no Bild, jornal com tiragem de 4 milhões de exemplares", comenta o fundador da Trip, que chegou às nossas bancas em 1986.

"Levar o Brasil como referência para grandes centros da Europa é muito especial. Seguimos o caminho aberto por empresas como Havaianas, Natura e Osklen, que criaram receitas brasileiras autênticas e passaram a ser entendidas e desejadas por outros países e culturas", afirma Paulo, que acaba de voltar da Alemanha, onde acompanhou a boa exposição da marca, ao lado de títulos consagrados como GQ, Gala, Stern e outros. Quando uma revista é lançada na Alemanha, ela costuma ficar nas bancas por três meses, para o público se familiarizar. Por isso, a publicação se tornará mensal a partir de setembro.

Na capa do primeiro número, está a atriz mineira Karen Junqueira, fotografada por J. R. Duran. Dentro da revista, uma mistura de reportagens publicadas no Brasil e conteúdo original produzido pela equipe da Alemanha. "A proporção de matérias brasileiras e alemãs deve variar bastante. Há propostas que se adaptam ao nosso conteúdo, mas não todas", explica Martin Häusler, redator-chefe da revista. Para Paulo Lima, "foi incrível a habilidade de Garms e de toda a equipe para adaptar nossos princípios, ideias e projeto gráfico para uma outra cultura".

Vai lá: www.tripmagazin.de

O HOMEM QUE APOSTOU NA IDEIA

Durante dez anos, o alemão Thomas Garms ocupou o cargo de vice-presidente de desenvolvimento de negócios da Axel Springer International, grupo responsável por 170 títulos na Alemanha, incluindo os jornais Die Welt e Bild. Com 30 anos de carreira, recentemente o jornalista encarou a missão de buscar novos projetos. Viajou por Ásia, Estados Unidos e Brasil. Casado com a brasileira Georgia Lauer, ele descobriu Trip nas bancas, em visita ao Rio. Três anos mais tarde, pediu ao empresário carioca Fred D'Orey o contato da Trip e negociou o licenciamento da marca. Depois de idas e vindas, Garms largou o emprego para abrir a editora responsável pela Trip alemã. A seguir, ele explica a empreitada.

Quando você viu a Trip pela primeira vez?

Em 2006, no Rio. Amo o Brasil e, nos últimos anos, viajei ao país regularmente. Como jornalista, sempre estive de olho em coisas diferentes. A primeira impressão ao folhear a Trip foi: wow! Achei o conceito incrível, com ótimo layout, logo simples e forte, editorial convincente e mulheres impressionantes.

Como aconteceu a tentativa de emplacar a publicação na Axel Springer?

A companhia não estava pronta para investimentos assim. Além disso, nos últimos anos o mercado atravessou período incerto. Na Alemanha, a Axel Springer vendeu a maior parte das revistas e agora está concentrada em grandes marcas como Bild.

Então você decidiu abrir uma editora independente?

Sim. Sempre estive absolutamente convencido de que a Trip é uma marca forte, com concepção jornalística de peso. Esse é o pressuposto para que dê certo não somente no Brasil, mas também em outros países.

"países de língua alemã têm economia intensa e pessoas abertas a esse tipo de publicação"

Como você avalia o mercado editorial na Europa?

As pessoas mudam diariamente; seus interesses também, o uso da mídia está mudando. Isso dá margem a novos produtos, desde que se relacionem com os pensamentos das pessoas, seus sentimentos e necessidades.

Além dos países de língua alemã, há planos de expandir a circulação da revista?

Lançamos nos países de língua alemã porque possuem economia intensa e pessoas abertas a esse tipo de publicação. Mas acredito que futuramente ela possa ser veiculada em países como França, Espanha, Holanda e Inglaterra.

Quais são as expectativas da equipe da redação na Alemanha?

Todos são muito experientes e com passagem em boas redacões. Decidiram trabalhar para a Trip porque a revista permite a excelência jornalística em diferentes assuntos, numa editora independente.

Misturar pautas brasileiras com a realidade alemã não soa estranho?

O público-alvo são pessoas antenadas e formadoras de opinião. Elas estão abertas para o mundo, refletem o desenvolvimento global econômico, social e cultural. Têm amigos em vários países e viajam bastante. Usam redes sociais como Facebook e são conectadas com outras culturas. Para essas pessoas, a Trip oferece conteúdos interessantes. Não importa se as matérias são feitas no Brasil, na Alemanha ou em qualquer outro lugar.

Vai lá: www.tripmagazin.de

E O LANÇAMENTO REPERCURTIU...

"Achei a revista muito boa. O pessoal na Alemanha conseguiu pegar o espírito e o DNA da Trip, um caso de sucesso, uma revista diferenciada. Minha impressão é que vai ser sucesso lá também, pois, além de um lançamento inédito na imprensa brasileira, não é só uma tradução. É muito mais importante, é o Brasil exportando um conceito editorial, e sendo reconhecido em um país de primeiro mundo."

- Francisco Mesquita Neto, membro do conselho do jornal O Estado de S. Paulo

"Fiquei emocionado. É muito bacana ver o que vocês fizeram e o reconhecimento se dar em tão alta esfera. Quero muito ver as revistas in loco nos Kiosks alemães."

- Paulo Sérgio Kakinoff, presidente da Audi

"Parabéns! A melhor revista do Brasil agora também na Europa."

- Sabrina Sato, apresentadora, via Twitter

"Acho importante a Trip ser publicada na Alemanha. É muito difícil conseguir exportar um benchmarking editorial, especialmente nos dias de hoje, em que o fluxo é sempre o da importação."

- J. R. Duran, fotógrafo do ensaio de capa

"Achei o projeto incrível, fiquei muito feliz. Já tinha ficado supersatisfeita com o ensaio publicado no Brasil e fiquei mais feliz ainda quando, meses depois, veio a notícia de que eu seria a capa da Trip alemã. Muito bom saber que vocês acham que eu represento bem a beleza brasileira."

- Karen Junqueira, Trip Girl da primeira Trip alemã

"O lançamento, além de refletir a alta qualidade editorial do mercado brasileiro de revistas, representa um marco histórico dentro das estratégias dos veículos publicados no Brasil. A iniciativa beneficia o mercado editorial brasileiro como um todo, comprovando seu potencial internacional."

- Marcello Queiroz, diretor de redação do jornal Propaganda & Marketing

"Parabéns! Ao lado das vacas sagradas, Spiegel e Stern. Excelente."

- Marcello Serpa, sócio e diretor de criação da Almap BBDO

"Parabéns pelo momento da Trip. O mundo está ficando pequeno para vocês."

- Marcelo Apovian, empresário e campeão de esqui alpino

"O lançamento da Trip alemã só reforça o caráter empreendedor da Trip, uma publicação que sempre soube capturar da maneira mais original e independente possível a pulsação da sociedade. Além disso, coroa um momento mágico do Brasil tanto em termos sociais como econômicos. Tomara que essa iniciativa seja seguida por outros títulos do nosso mercado."

- Regina Augusto, diretora editorial do jornal Meio & Mensagem

"Muito bacana. Parabéns pela iniciativa, puta sucesso pra vocês."

- Guga Ketzer, sócio e diretor de criação da Loducca MPM

"Estou feliz em saber que o The German Project da Trip deu certo e vocês já estão presentes nas bancas da Alemanha, Áustria, Suíça e Luxemburgo. Baita orgulho de falar que um dia eu já trabalhei aí."

- Ricardo Moreno, diretor de redação da revista Galileu

"Que grande notícia! Parabéns por criar a primeira ‘multinacional' das revistas brasileiras. E só país da pesada."

- Samuel Seibel, proprietário da Livraria da Vila

matérias relacionadas