por Camila Eiroa

Tatá Aeroplano fala sobre quarto disco da Cérebro Eletrônico e novas experimentações sonoras

Em 2002 surgia Cérebro Eletrônico, banda criada por Tatá Aeroplano e Fernando Maranho. Em 11 anos de carreira foram lançados três álbuns totalmente singulares, com toques que vão do tropicalismo ao eletrônico - Onda Híbrida Ressonante (2003), Pareço Moderno (2008)Deus e o Diabo no Liquidificador (2010).

Hoje eles lançam gratuitamente na internet o seu quarto álbum, Vamos Pro Quarto. São nove músicas que permitem notar uma entrega maior ainda à experimentação de novas formas de se fazer música. Cada faixa é uma sensação sonora diferente e é isso que caracteriza o trabalho da banda. Um brinde aos pássaros, música que abre o CD, é inesperada. A melodia não segue uma linha lógica e surpreende positivamente a cada segundo. Não Bateu Nosso Santo é mais dançante, seguida de Oh! My Lou, uma balada com a participação do músico Peri Pane no violoncelo.  

A produção ficou por conta da própria banda, com coprodução e mixagem por Otavio Carvalho. As gravações foram feitas no estúdio Submarino Fantástico e a masterização feita por Fernando Takara, do estúdio El Rocha.

Conversamos com Tatá Aeroplano, que contou mais sobre o novo trabalho:

Vocês se permitiram ir em busca de novas formas de expressão musical nesse trabalho ou isso surgiu naturalmente depois de lançarem três CDs? A gente foi passar um fim de semana no sítio com a ideia de criar canções a partir do nada. Não valia chegar lá com uma música, elas teriam que sair daquele momento. As canções que rolaram nasceram dali, muito espontâneo e que foi muito em função do nosso encontro com o André Abujamra, que disse que o lance era a banda criar um disco dessa maneira. Dedicamos o disco pro Abu e pro Flávio Guaraná, que tinha o estúdio onde nós ensaiamos desde a criação do Pareço Moderno.

A escolha por faixas mais longas tem algum significado ou vocês apenas deixaram fluir? Nós deixamos fluir tudo coletivamente, foi um processo muito livre e altamente dinâmico. Gravamos nove músicas e ficaram, provavelmente, mais de nove músicas de fora. 

E como foi no sítio? No site diz que "o disco foi concebido em um fim de semana alucinante nas montanhas". Passamos um fim de semana chuvoso dentro de um chalé. O lance então foi tocar ininterruptamente! Chegamos na madrugada de sexta pra sábado e só paramos para comer e olhe lá. Eu sei que eu dormi tipo umas quatro ou cinco horas durante todo o processo. O resto foi muita música rolando mesmo.

A composição das letras e produção foram coletivas, certo? As letras e as melodias eu fui criando ao mesmo tempo que a banda começava a compor uma música, um groove... A gente já se ligava que estava rolando um música e seguiamos em frente com a ideia. Somente a canção "Libertem os Faunos" teve letra e melodia feitas pelo Fernando Maranho. A produção do disco foi coletiva. Gravamos o disco no Submarino Fantástico e teve co-produção do Otávio Carvalho.

O show de lançamento vai ser dia 10 de outubro, aqui em São Paulo. As experimentações sonoras vão refletir no palco também? Estamos ensaiando pra isso acontecer.

A apresentação vai ter participações especiais? Peri Pane fará uma participação especial conosco, mas não podemos adiantar o que vai rolar ainda!

Vamos pro quarto pode ser entendido como uma metáfora? É uma metáfora, ou melhor, são várias metáforas. A primeira ideia de nome era outra, mas ai, lá nas montanhas, eu disse pra alguém da banda brincando: "Vamos Pro Quarto Baby!?" Ai a gente viu que esse era o nome do disco.

Em 11 anos de carreira e agora com quatro CDs lançados, você, Tatá, se acha mais livre para experimentar e explorar novas formas de criar música? Sim, sim. É lindo demais poder criar discos com liberdade. Acaba viciando. Esse ano passei boa parte dentro do estúdio, fazendo o Cérebro, fazendo um disco não identificado - o que chamo de disco ovni - e participando da produção dos discos do Juliano Gauche e Gustavo Galo.

Fernando Maranho também contou para a Trip sobre o Vamos Pro Quarto: "Foram 3 dias em que ficamos ali, 24 horas, pirando com os equipamentos montados no meio da sala, por vezes trocando de instrumentos, sem parar. Sairam cerca de 20 a 30 ideias já muito bem estruturadas. Adicionamos algumas poucas ideias de arranjo durante as gravações. Não houve ensaios antes de entrarmos no estúdio, o que foi uma experência nova e muito bacana também. É um disco completamente coletivo e posso afirmar que esse é definitivamente um disco da banda inteira, diferente dos anteriores que tinham mais composições minhas e do Tatá."

Anote na agenda: dia 25 de setembro, quarta-feira, vamos rebecer o Tatá Aeroplano aqui na redação para um hangout com transmissão ao vivo através das nossas redes do Google Plus. Você pode acompanhar a partir das 16h, ouvir as músicas, saber o que o Tatá tem a dizer sobre elas e também mandar as suas perguntas. 

Vai lá: Vamos Pro Quarto - Cérebro Eletrônico
Download disponível e venda de CDs no www.cerebrais.com.br

Show de lançamento: 10 de outubro, quinta-feira
Sesc Vila Mariana - R. Pelotas, 141 - Vila Mariana
Em breve mais informações através do site da banda

 

 Ouça na íntegra:

 

 

matérias relacionadas