por Natacha Cortêz

A curitibana de 18 anos exibe com leveza e sem pudores sua nudez

Pela voz doce, ainda de menina, entrecortada por risos envergonhados, de quem parece que não vai perder a timidez por nada, Tuany Biancato podia até passar despercebida, talvez só mais uma entre as centenas de garotas que acabam de entrar no curso de Administração do Instituto Federal do Paraná. Mas a graça da curitibana, que acaba de completar a maior idade, é logo denunciada.  

Delicada nos trejeitos, de corpo metodicamente delineado, tem olhos gigantes, fundos, algo entre azul e verde, que mais parecem saltar pra devorar quem observa. Os cabelos, batem na cintura; culpa do vento, que faz os fios se debaterem o tempo todo, como se abraçassem as curvas dela.   

Por causa do sotaque cantado, de erre arrastado e quase caipira, do sorriso sem jeito e do timbre suave, dá até pra duvidar que Tuany vai mesmo começar a tirar a roupa. Nada disso. O sol começa a arder e ela vai junto. Embalada pela tarde quente, nem lembra mais a mesma menina que chegou pra fazer o ensaio. 

A bela mora com os pais, divide o tempo entre os trabalhos na carreira de modelo e a faculdade, “que toma um tempo enorme”. Queria ser Miss, tentou um concurso ou outro, mas  seus 1,68 m eram pouco perto da altura das concorrentes. Por isso, hoje conta que se acha “baixinha demais”.  Ama futebol, ou melhor, ama assistir. Esportes só na TV mesmo. Pra cuidar do corpo, “academia todo dia”. É como um vício pra ela.

Ah, e está solteira. Depois de quase quatro anos com o primeiro namorado, quer mais é aproveitar o tempo sozinha pra se divertir com as amigas e sair pra dançar. Adora dançar. Não importa a música, sai todo fim de semana só pra isso e está supertranquila quando o assunto é a solteirice. “Fiquei quase quatro anos com meu primeiro namorado. Nos separamos neste ano. Com tanto trabalho e a faculdade, estou bem tranquila em relação a isso. Saio bastante pra balada, mas não estou procurando nada sério, nem quero", avisa. "Pra mim um homem tem que ser atencioso. Lógico que beleza é importante, mas não é o que mais importa para mim. Eu gosto de ser bem tratada. O mais importante é o cara ter presença".

Mas nem precisa dizer que apesar do momento tranquilo, as atenções masculinas continuam. Seu lado gentil, aprendido nos concursos de Miss, distribui atenção e não nega nem que seja um um sorriso simpático de canto de boca. "Muita gente chega em mim na balada. Até me considero bastante atenciosa. Acabo dando atenção pra todo mundo que vem falar comigo. Isso faz com que os homens entendam mal e pensem que eu estou dando mole [risos]. Eu não sei não conversar. Eles já acham que eu estou dando moral", brinca. 

* * * 

Produção: Executiva e de Moda Anabelle Custodio // Make: Edu Hyde // Assistente de Foto: Rebeca Figueiredo // Créditos de Moda: Adolfo Dominguez / Anne / Darling / Intuição / Pilé / Spezzatto / Santa Victoria

matérias relacionadas