por Daniel Dränger

Os vídeos de apresentação de skatistas consagrados antes de alcançarem a fama

Se em nosso post de abertura tentamos mostrar que o reconhecimento no skate vai muito além daquilo que passa na tv e nos campeonatos, nesse post queremos falar sobre a importância do dia em que um menino que está acostumado a se divertir andando de skate vira um skatista profissional.

Continuando nessa linha, o raciocínio é mais ou menos o seguinte: se uma música num filme fodão de uma das grandes marcas da cena vale mais que uma medalha, um shape com o próprio nome vale mais que qualquer diploma. E esse processo acontece como em qualquer faculdade normal - são duas festas: a do dia em que você entra e a do dia em que você se forma (essa última, muito mais emocionante). Tem a felicidade do dia em que você entra para uma crew, passando a ter o shape patrocinado por alguma marca, e tem a felicidade muito maior quando você passa a ter o seu próprio modelo.

Claro que entrar para algumas dessas marcas - e aqui estamos falando especificamente de shapes - não é nada fácil. As “Sponsor Me Tapes” são um meio clássico e funcionam mais ou menos como o nome traduz: o skatista grava diversas imagens, faz uma edição legal e sai entregando (na maioria das vezes, ele mesmo) para as marcas e distribuidoras em busca do primeiro shape grátis ;)  

Veja aqui a fitinha que fez o Cory Kennedy entrar pro time da Girl:

Se algum representante das marcas ver potencial no moleque, o processo é mais ou menos o seguinte: primeiro ele começa a receber shapes e outros produtos de graça e esporadicamente aparece em demonstrações (as populares demos) ou em alguma pequena viagem. É, de fato, um período de testes. Se ele representar o passo seguinte é a entrada pro time oficial de amadores da marca - essa é a entrada na faculdade, como falamos acima.

Uma vez amador são viagens, demonstrações, campeonatos, fotos, filmagens, entrevistas - no cenário do skate atual um amador tem praticamente a mesma visibilidade de um profissional. Por exemplo: a capa da edição deste mês de junho da revista Thrasher - a bíblia do skate - traz o jovem Taylor Kirby, recém incorporado ao time de amadores da Deathwish:

Uma vez oficializado como amador, já se inicia a busca pelo sonhado pro model - o shape com seu nome estampado -, que representa a entrada para o time de profissionais da marca. Esse é o diploma.

Seguindo o mesmo exemplo anterior, veja aqui o vídeo do dia em que o Cory Kennedy ganhou seu diploma:

Bom, acho que era isso que gostaríamos de contar, mas como somos viciados em vídeos, resolvemos fazer uma seleção de algumas “Sponsor Me Tapes” de caras tão grandes, mais tão grandes, que atualmente possuem até patrocínio de meia. Degustem!

 

Paul Rodriguez (foi por muito tempo profissional pela Plan B e recentemente lançou sua própria marca de shapes, a Primitive):

 

Sean Malto (é profissional pela Girl):

 

Bob Burnquist (o nosso Bob MegaRampa é profissional pela Flip):

 

Luan de Oliveira (o também nosso Luan é - também - profissional pela Flip):

 

Antwuan Dixon (é - ou era - profissional pela Deathwish. Atualmente passa um período sabático na cadeia):

 

Dustin Dollin (é profissional pela Baker): 

 

Wes Kremer (é profissional pela Sk8 Mafia):

 

PJ Ladd (é profissional pela Plan B):

 

Jimmy Carlin (é profissional pela Enjoy):

 

Wade Desarmo (é profissional pela DGK):

matérias relacionadas