por Décio Galina

Medina faz bonito e chega à semifinal; outros brasileiros vão mal e despencam no ranking

Acabou a seca de vitórias da lenda viva Kelly Slater no Campeonato Mundial de Surf (World Surf League). O astro norte-americano de 44 anos, que carrega 11 títulos mundiais no currículo, não sabia o que era chegar ao topo do pódio de uma etapa desde o final de 2013, quando venceu Pipeline. Mas, ontem, nos tubos de Teahupoo, no Taiti, Polinésia Francesa, Kelly colecionou quatro ondas nota 10 (uma no round 4, duas no 5 e uma nas quartas) para bater o havaiano John John Florence na final por 19.67 a 15.23 (somatório das duas melhores ondas).

John John, no entanto, não tem muito do que reclamar: com o vice-campeonato na sétima etapa do Mundial, ele desbancou o australiano Matt Wilkinson, que liderava o tour desde o início do ano. John John não só passou o líder como abriu 3.900 pontos de vantagem. Para chegar à final, o havaiano superou Gabriel Medina na semi, em uma disputa espetacular: Medina chegou a tirar uma nota 10 e uma 9.23; mas John John levou a melhor com uma 9.93 e uma 9.73. Medina segue na terceira colocação no Mundial. Agora, colou em Wilkinson (diferença de apenas 300 pontos), que sentiu a pressão e caiu logo no round 3 ao ser derrotado pelo brasileiro Bruno Santos.

Com a tarimba de quem já venceu em Teahupoo em 2008 (e sem o compromisso de disputar as primeiras posições do campeonato), Bruno também brilhou no round 4, quando passou por cima de Kelly Slater (e olha que o Slater emplacou um 10 nessa bateria!) e do australiano Adrian Buchan. Quis o destino, porém, que Bruno encontrasse com Slater de novo nas quartas de final – aí, não teve jeito; ferida, a fera não deu ponto sem nó e surfou os 35 minutos de bateria extremamente focado, com a faca nos dentes.

A etapa não deixará saudades para outros brasileiros que povoavam a parte de cima do ranking e foram eliminados precocemente no Taiti: o atual campeão Mundial Adriano de Souza, o Mineirinho, caiu logo no round 2 (perdeu três posições e agora é 7º); Italo Ferreira perdeu para Keanu Asing no round 3 após cair em uma arapuca infantil do havaiano no final da bateria (também perdeu três posições e agora é 9º); Caio Ibelli e Filipe Toledo despencaram mais ainda: perderam quatro posições e agora são 16º e 17º, respectivamente. Com a vitória, Slater galgou 11 posições e aparece em 8º. Lá vem ele...

A oitava etapa do Campeonato Mundial está marcada para a janela entre os dias 7 e 18 de setembro, em Trestles, na Califórnia, onde as ondas parecem ser fabricadas artificialmente de tão constantes que são. Depois, serão apenas mais três etapas (França, Portugal e Havaí) para chegarmos ao campeão da temporada. 

Quem você acha que vai rir por último?

Créditos

Imagem principal: Divulgação WSL

matérias relacionadas