por Flávio Ascânio
Trip #181

As Alaias, pranchas que os havaianos usavam há um século, só funcionam com muita calma

O surfista esquisitão chamava a atenção dos poucos que se aventuraram naquela manhã fria e nublada na praia do Tombo, no Guarujá. Esperando as ondas, o atleta ficava só com a cabeça fora da água, mais parecia um banhista. Na hora de descer pela onda, mais estranhamento. Tudo lento, nada de batidas rápidas ou manobras elaboradas. A convite da Trip, o free surfer profissional Junior Faria testava uma legítima Alaia de 6 pés. Essas pranchas são réplicas dos boards usados no Havaí há um século. Feitas de madeira e sem tratamento algum de verniz ou resina, não têm quilha ou leash, mais parecendo uma tábua de passar roupas fininha.

“Tem que ter cabeça aberta, entrar disposto a reaprender a surfar”, explica Junior, 22 anos, mais acostumado a desbravar novos picos com manobras rápidas e voando baixo com pranchas do século 21. Na Alaia, nem adianta sair rápido, com batidas frenéticas. A prancha desgarra e você perde a onda.

SURF DE RAIZ
O revival da Alaia começou quando o shaper australiano Tom Wegener visitou o museu de pranchas da universidade do Havaí e viu antiquíssimas tábuas de madeira usadas no surf havaiano, entre elas a Alaia. De volta à Austrália, decidiu construir algumas, quatro anos atrás. Foi seguido pelo irmão John, que fez o mesmo em sua loja na Califórnia.

Logo a ideia de pegar ondas com essas peças retrôs virou febre entre surfistas de peso como os irmãos Malloy, David Rastovich, Rob Machado e o bicampeão mundial Tom Carroll. Mais: esse resgate de um surf clássico, de raiz, inspirou filmes como The Present, que mostra os Malloys, Machado, entre outros, surfando grandes ondas com Alaias.

 

O Brasil também entrou na onda. Em Ubatuba, litoral de São Paulo, o desenhista industrial Tiago Matulja criou a Flora Surfboards, especializada em construir diversos modelos de pranchas de madeira, entre elas a Alaia. Além de remeter aos primórdios do surf (incluindo aí não só Alaias havaianas, como também as madeirites, de compensado naval, usadas no Brasil nos anos 50 e 60), as pranchas de madeira são mais ecológicas. Não têm o problema de descarte das tradicionais, feitas de material não reciclável.

COMO NO SNOWBOARD
Foi na loja de John Wegener em Laguna Beach que o surfista e especialista em pranchas Luis Felipe Gontier, o Pipo, comprou a relíquia que emprestou para nosso test drive. “A Alaia ultrapassa nossa concepção de prancha, tem uma performance incrível. Na Alaia, por ser sem quilha, você tem que controlar a derrapagem, como no snowboard”, explica Pipo.

Dentro d’água, há mais diferenças em relação às pranchas comuns. Para atravessar a rebentação, por exemplo, a técnica é outra. O bico largo dificulta, e o surfista tem que afundar a prancha de lado, como uma faca. Uma vez posicionado, o mais difícil não é entrar na onda, e sim dominar a prancha. Se ficar muito pra frente, o bico afunda. A vantagem de tomar uma vaca com a Alaia é que ela é tão fina e de flutuabilidade tão baixa que a onda não leva ela pra areia. Fica meio que no mesmo lugar, como um toco de madeira na água.

No Guarujá, Junior deu umas três embicadas antes de pegar o jeito desse surf slow-motion. Mas saiu da água com um sorriso no rosto. “Depois que você se adapta, é só diversão.” Entender sua curtição é mais fácil ao se lembrar que free surfers como ele entram nessa justamente para dar um tempo de campeonatos e curtir um surf mais tranquilo, viajando atrás de boas ondas, com a cabeça fresca.
Até o fotógrafo Aleko Stergiou teve que se virar para registrar a session. Um dos principais fotógrafos de surf brasileiros, Aleko encara nadando e com uma câmera na mão ondas que a maioria não chega perto nem de jet ski. “Nunca havia feito fotos de surfistas com prancha Alaia. Tive que chegar bem mais perto.” Com pranchas convencionais, o atleta ajuda, vai mais perto da câmera pra fazer a manobra. Na Alaia, não há essa mobilidade. Portanto, o negócio é desacelerar e surfar curtindo, sem se preocupar com avaliação de juiz, manobras apressadas ou mesmo com o clique.

 

matérias relacionadas