O embaixador, o
sequestro e o
Cadillac

por Luiz Guedes
Trip #220

Que fim teve o carro coadjuvante em um dos episódios mais tensos da ditadura militar?

Que fim teve o icônico modelo americano que virou coadjuvante em um dos episódios mais tensos da ditadura militar?

Quando o reluzente Cadillac preto dobrou a esquina da rua Marques, no bairro de Humaitá, Rio de Janeiro, a arapuca já estava armada. Atravessado no meio da via, um Fusca bloqueava a passagem ao mesmo tempo em que outro encostava por trás, impedindo que a limusine escapasse. Somaram-se à ação outros quatro homens vindos a pé, todos armados com revólveres calibre 38. Eram 14h30 do dia 4 de setembro de 1969, quando o Cadillac que levava o embaixador americano Charles Burke Elbrick foi interceptado, no sequestro que se tornaria um dos episódios mais importantes da história política do Brasil.

Com Elbrick e o motorista rendidos, o Cadillac seguiu até uma rua de menos movimento, onde todos foram transferidos para a Kombi que os levaria ao cativeiro. Quase todos, na verdade: o motorista foi deixado no carrão, junto com o manifesto que pedia, em troca da vida do embaixador, a libertação de 15 presos políticos.

A história é mais do que sabida. Entre os 12 participantes do sequestro estão figuras como o ex-deputado Fernando Gabeira (que narra a história no livro depois transformado no filme O que é isso, companheiro?, de Bruno Barreto) e o jornalista Franklin Martins, que viraria ministro da Comunicação no governo Lula. Os militares brasileiros renderam-se às exigências dos guerrilheiros e um avião levou os estudantes soltos até o México, de onde alguns seguiram para Cuba (caso do ex-ministro José Dirceu). O embaixador ficaria no cativeiro até domingo, quando foi liberado na saída de um jogo de futebol. Mas e o carro, que fim levou?

Uma das marcas de maior prestígio do grupo GM (embora tenha sido fundada pelo rival Henry Ford), a Cadillac especializou-se em criar versões exclusivas para chefes de Estado. É o caso do modelo Fleetwood Limusine Série 75, que acabou coadjuvante no episódio do sequestro. Fabricado em 1967 para a embaixada americana no Brasil (conforme comprova o velocímetro graduado em quilômetros, e não em milhas por hora), o automóvel integra hoje uma coleção particular no interior paulista, propriedade do presidente de uma montadora. Curiosamente, não é ele que aparece no filme de Bruno Barreto de 1997: em seu lugar, usaram uma versão mais antiga e menos luxuosa, do início dos anos 60.

fechar

Entre em contato
com a trip


fale conosco

PABX +55 (11) 2244-8747
Caixa Postal: 11485-5
CEP: 05414-012
São Paulo - SP

atendimento ao assinante

SP (11) 3512-9465
BH (31) 4063-8433
RJ (21) 4063-8482
das 09h às 18h
assinaturas@trip.com.br
 CENTRAL DO ASSINANTE 

ou se você preferir:

e-mail inválido!
mensagem enviada!
fechar

Assine


E leve ousadia, moda, irreverência,
comportamento, inspiração.
Tudo isso com coerência, profundidade
e um olhar que só a Trip tem.

trip

Desconto de 25%

1 ANO
11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Conceito

assinar

1 ANO
11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Trip Girl

assinar

trip

Grátis um super relógio

2 ANOS
22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Conceito

assinar

2 ANOS
22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Trip Girl

assinar
fechar