por Alê Youssef
Trip #261

O ponto de partida de um novo país é exatamente o que somos, nossa essência e identidade. Meu projeto é alcançar um Brasil simples, humano e sustentável

Um dos melhores textos deste apocalítico 2016 foi escrito pelo antropólogo Luiz Eduardo Soares. A reflexão destaca como ponto de inflexão mais marcante de nossa história cultural o artista Hélio Oiticica, descendente da antropofagia de Oswald de Andrade e precursor do tropicalismo de Caetano e Gil. Luiz aponta o parangolé como melhor síntese do processo inovador na cultura e no comportamento, na estética e na esfera pública da obra de Hélio.

Para Luiz, a obra e o que ela representa estimulam um diálogo plural e criativo, além de inspiração para experimentar novos tipos de relação horizontal e igualitária entre grupos sociais, tradições e indivíduos. O parangolé é uma obra feita para vestir que se desloca no corpo do espectador ou do performer. Essa capa é algo inacabado e sempre disforme e desequilibrado em relação ao corpo. Da incompletude, surgem os espaços vazios a serem preenchidos, o que gera a necessidade de movimento. O parangolé seria, então, um convite à dança.

LEIA TAMBÉM: Todas as colunas do Alê Youssef

Meu projeto de país é alcançar um Brasil simples, humano e sustentável. Simples – no que diz respeito à sua organização interna, suas regras de funcionamento, sua compreensão de riqueza e bem-estar. Humano – que preze pela defesa dos direitos da pessoa e de suas liberdades, e busque a igualdade em todos os campos. E sustentável – que respeite o meio ambiente e desenvolva seus ciclos econômicos de acordo com seus limites e potencialidades.

A “política parangolé” proposta pelo antropólogo é a cara do Brasil e talvez a melhor forma para atingirmos nosso objetivo, com jogo de cintura e participação. O ponto de partida de um novo projeto de país é exatamente o que somos, nossa essência e identidade. A diversidade e a criatividade dos brasileiros são os capitais simbólicos de uma nação que pode enfrentar seus dilemas levando em conta nossa cultura. O Brasil só se transformará quando se assumir tropicalista.

Créditos

Imagem principal: Caetano Veloso com o Parangolé P4 Capa 1, 1964, de Hélio Oiticica. Foto Geraldo Viola / Cortesia Projeto Hélio Oiticica

fechar

Entre em contato
com a trip


fale conosco

PABX +55 (11) 2244-8747
Caixa Postal: 11485-5
CEP: 05414-012
São Paulo - SP

atendimento ao assinante

SP (11) 3512-9465
BH (31) 4063-8433
RJ (21) 4063-8482
das 09h às 18h
assinaturas@trip.com.br
 CENTRAL DO ASSINANTE 

ou se você preferir:

e-mail inválido!
mensagem enviada!
fechar

Assine


E leve ousadia, moda, irreverência,
comportamento, inspiração.
Tudo isso com coerência, profundidade
e um olhar que só a Trip tem.

trip

Desconto de 25%

1 ANO
11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Conceito

assinar

1 ANO
11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Trip Girl

assinar

trip

Grátis um super relógio

2 ANOS
22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Conceito

assinar

2 ANOS
22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Trip Girl

assinar
fechar