por Claudia Lima
Trip #231

Um episódio de racismo, por Claudia Lima, 44 anos e jornalista

Claudia Lima, 44 anos, jornalista. Trabalhou como diretora de redação na Trip Editora e hoje é editora do canal Comidas e Bebidas do portal UOL

Sempre fui a típica menina de classe média. Meu pai, contador, teve condições de nos dar uma boa casa, tinha bons carros, e eu e meus irmãos sempre tivemos boa educação. Até os 14 anos, estudamos em um colégio de freiras onde éramos os únicos negros. Lembro de uma tia que sempre me perguntava: “Você não tem amigas negras?”. No colégio, não. E quase sempre foi assim – na faculdade (bem menos), na maioria das redações em que trabalhei, nos prédios em que morei. E continua assim até hoje.

Mas quando me mudei para meu atual endereço, um prédio de classe média na zona oeste de São Paulo, senti na pele como o racismo é latente aqui no Brasil.

Para alugar o apartamento, tive de provar por A mais B que eu realmente “merecia” morar ali. Nada parecia suficiente. Nem ter um casal de fiadores impediu o mês inteiro (um mês!) de dor de cabeça, infindáveis idas a cartórios e até ter de pedir a uma advogada conhecida para me ajudar a provar que uma homônima – e não eu – é que tinha problemas com a Justiça, em outra cidade. Chegou uma hora em que não aguentei: questionei se o problema todo era o fato de eu ser negra. Negaram, claro. Várias pessoas me perguntavam se aquele era o único apê do mundo. Não seria melhor desistir dele? Mas àquela altura, ah, eu ia morar ali. Só de raiva!

Adoro minha casa, os funcionários do prédio, a síndica. Mas durante muito tempo eu fui a única negra ali. Também perdi a conta de quantas vezes ouvi de moradores (e faxineiras): “Você trabalha aqui?”. Diante da negativa, é batata: me olham com os olhos arregalados, me medem da cabeça aos pés para depois emendar: “Como assim? Mas eu nunca te vi!”.

coisa fica ainda pior quando meu namorado (branco e estrangeiro) vem me visitar: apenas ele recebe bom-dia (eu pareço invisível). Até a hora em que, de propósito, solto alguma frase em inglês. Aí, vocês já sabem: olhares de espanto, seguidos de um “ah, tudo bem?”. Humpf... Até quando as pessoas vão achar que negro não pode morar bem, ter carro bom e viver decentemente, como qualquer branco? Para todos os racistas, meu recado: aceita que é melhor. Isso não vai parar!

A coisa fica ainda pior quando meu namorado (branco e estrangeiro) vem me visitar: apenas ele recebe bom-dia (eu pareço invisível)”

Vai lá Claudia Lima também colaborou com a Tpm deste mês.

fechar

Entre em contato
com a trip


fale conosco

PABX +55 (11) 2244-8747
Caixa Postal: 11485-5
CEP: 05414-012
São Paulo - SP

atendimento ao assinante

SP (11) 3512-9465
BH (31) 4063-8433
RJ (21) 4063-8482
das 09h às 18h
assinaturas@trip.com.br
 CENTRAL DO ASSINANTE 

ou se você preferir:

e-mail inválido!
mensagem enviada!
fechar

Assine


E leve ousadia, moda, irreverência,
comportamento, inspiração.
Tudo isso com coerência, profundidade
e um olhar que só a Trip tem.

trip

Desconto de 25%

1 ANO
11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Conceito

assinar

1 ANO
11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Trip Girl

assinar

trip

Grátis um super relógio

2 ANOS
22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Conceito

assinar

2 ANOS
22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Trip Girl

assinar
fechar