por Piti Vieira

Projeto Na Manteiga que registra em áudio e vídeo a performance de artistas locais e internacionais

Garimpar pode ser um bom negócio. É arriscado entrar nos subterrâneos, mas é lá que está o ouro mais puro. Os amigos Thiago Arantes, Marcel Buainain, Luiz Gabriel Vieira e Caio Taborda gostavam de espichar as orelhas quando rolava programas como Boiler Room, Red Light Radio e NTS, que cavavam fundo nas cenas musicais independentes e apresentavam ao mundo seu metal mais precioso: a música. Moradores de São Paulo, eles resolveram garimpar a cena local e tiveram uma grata surpresa: “Ela era muito maior que imaginávamos. Existe uma cena quente há algum tempo e que infelizmente não estava sendo representada”, conta Thiago Arantes.

Como a grande mídia parecia surda à cena que florescia ruidosa por debaixo dos panos das manchetes e colunas culturais, eles resolveram encampar essa batalha e criaram o Na Manteiga, um canal que registra em áudio e vídeo a performance de artistas locais e internacionais. Já foram mais de setenta edições desde a estreia, em novembro de 2015. Segundo Marcel Buainain, em média 100 pessoas assistem semanalmente ao vivo ao programa através das redes sociais. “Não tem regra, valorizamos a cultura do vinil, mas temos sets de SPC, CD-J e até live. A ideia é que os artistas tenham a liberdade para tocar o que quiserem, talvez sem a pressão de uma ‘pista’, e no caso dos DJs de música eletrônica, fugir do 4/4.”

VEJA TAMBÉM: Um rolê em Londres com o DJ brasileiro D.Vyzor

A curadoria, feita pelos quatro amigos, tenta dar conta de diferente sons e estilos, “mas hoje sentimos uma grande necessidade de mais rap e jazz na programação”. O quarteto acredita que a cena brasileira, e em especial a paulistana, vive um momento muito próspero. Por isso querem seguir o desafio de registrá-la e espalhá-la. “Continuar relevante e comunicar nossos programas em meio a tanta informação e conteúdo é sempre desafiador. Tem uns artistas difíceis de achar também. Você não tem o telefone do DJ Nuts, por um acaso?”. Alô DJ Nuts, cola na goma dos meninos!

LEIA TAMBÉM: Entrevista com DJ Vintage Culture

matérias relacionadas