por Ricardo Guimarães
Trip #180

Conselho para os que ainda estão longe dos 60 anos: não deixem a morte para a última hora

 

 

Caro Paulo,

“Michael Jackson teve a morte mais lenta da história.”

Essa frase foi dita pelo amigo João Marcelo Bôscoli num lindo artigo publicado na Folha de S.Paulo no dia seguinte à morte do rei do pop. Eu me emocionei com a imagem que essa frase trouxe à minha mente. E passei o resto da semana convivendo com a terrível ideia da “morte lenta”. Mas cheguei à conclusão de que a morte do Michael foi provocada justamente pelo fato de ele não ter aceitado a verdade de que viver é morrer lentamente. Ele negou a morte quanto pode e brincou de faz de conta. E, quanto mais negava a morte, mais a vida se afastava dele.

Viver é morrer lentamente, sim. Isso é real. Qualquer biólogo pode fundamentar cientificamente esse fato. Sem romance. Essa é a natureza do ser vivo que somos. A ideia de morrer lentamente é boa porque nos ajuda a ter mais intimidade com a morte e assim entendemos melhor a delicadeza e a inteligência do viver.

Acredito que a intimidade com a morte nos proporciona mais intimidade com a vida, nos aproxima da beleza da destruição e do caos que é vital para a nossa evolução. Mas o medo de morrer nos faz negar a realidade da morte. Assim, quando ela chega, nos surpreende, ou melhor, nos assusta e aterroriza, como se não fosse esperada, como se não pertencesse ao universo dos seres vivos.

FIGURA APAVORANTE

Demorei para apagar do meu imaginário a figura apavorante da morte que aparecia sempre de repente, vinda de outro mundo, como alguém que chegava para pôr fim a uma festa à qual não tinha sido convidada. A imagem da morte como penetra indesejável, invasora repentina, como fato pontual, impede que a gente conviva com ela como fato natural com o qual negociamos a cada segundo. Justamente porque a morte é um mistério amedrontador e porque vem acompanhada do sentimento de perda, a intimidade cotidiana com ela é necessária.

Não estou dizendo que é simples nem fácil. Mas que é necessário para entender a dinâmica da vida e poder negociar com a morte com mais competência, lentamente. Quem vive a morte lenta vive mais porque cuida melhor da vida. E, o melhor de tudo, não se assusta e não sofre tanto com o fim que com certeza chegará.

Daqui do alto dos meus 60 anos, convivo cada dia com mais intimidade com a morte e posso dizer que ela não me amedronta. Pelo contrário, me desperta muita curiosidade. Se posso dar um conselho para os que ainda estão longe dos 60, aqui vai: morram lentamente! Não deixem para a última hora. A vida agradece.

Ricardo

 

matérias relacionadas