apresentado por Shell

Em Londres, as 20 milhões de xícaras de café consumidas diariamente se tornaram biocombustível para abastecer a frota de ônibus da cidade

Não é de hoje que o cafezinho tem um papel fundamental na nossa rotina matinal. Graças ao poder da colaboração, ele faz mais do que simplesmente ser um item fundamental no café da manhã. Em Londres, por exemplo, ele ajuda a manter os ônibus em movimento.

Pois é! Londrinos são consumidores assíduos de café, com mais de 20 milhões de xícaras consumidas diariamente. Fato que acaba gerando muitos resíduos — são 200 mil toneladas de café descartadas todo ano. Enquanto uns veem só o desperdício, Arthur Kay, da startup bio-bean, viu um potencial. 

Durante seus estudos, Arthur estava determinado a olhar para a cultura do café de forma diferente, principalmente para os processos de coleta e de uso dos resíduos e borras de café. Ele percebeu que, por serem ricos em calorias, resíduos de café tinham alto potencial energético e poderiam desempenhar um papel importante como combustível residencial e industrial, transformando o desperdício em um recurso valioso.

O resultado é justamente a bio-bean, que hoje cria o biocombustível B20, derivado do café, em escala suficiente para ajudar a abastecer parte da frota de ônibus de Londres, uma das mais simbólicas e movimentadas do mundo

E como a bio-bean transforma café em biocombustível? É simples. Através da reciclagem de 50 mil toneladas de resíduos de café, provenientes de parcerias com cafeterias populares e fábricas pelo Reino Unido, a fábrica extrai o óleo do café, que, combinado com outras gorduras e óleos, compõe um biocomponente que é misturado com diesel mineral para criar o B20.

Tudo se transforma

Sem modificação, o biocombustível da bio-bean é colocado diretamente em ônibus selecionados em Londres, oferecendo uma solução inteligente para o problema do desperdício, inevitável em uma grande metrópole. Londres produz resíduos de café o suficiente para ajudar a abastecer um terço da frota de ônibus da cidade. Como composto puro, os 6 mil litros de óleo de café fornecidos pela bio-bean nesse projeto seriam suficientes para ajudar a abastecer um ônibus durante um ano.

Ao repensar o desperdício, podemos continuar a reduzir as emissões do setor de transportes através de inovações em biocombustíveis de segunda geração. O potencial para um futuro energético mais promissor é enorme.

Um simples grão de café pode transformar sua manhã e também pode ajudar a mudar o mundo. Com colaboração e apoio a ideias brilhantes, podemos criar um futuro energético mais limpo e promissor. Basta ter uma ideia.

matérias relacionadas