por Dandara Fonseca

Crisálida, primeira série brasileira de ficção em Libras e português, quer divulgar a Língua Brasileira de Sinais e a cultura surda

Segundo dados do IBGE de 2010, 5,2% da população brasileira possui deficiência auditiva. Destes, 2,6 milhões são surdos. Foi pensando em dar mais espaço à Língua Brasileira de Sinais e à cultura surda que os produtores audiovisuais catarinenses Alessandra da Rosa Pinho e Serginho Melo desenvolveram a série Crisálida. Primeira série brasileira de ficção em libras e em português, ela tem o quarto e último episódio da primeira temporada exibido nesta quinta-feira, 17, na TV Cultura. 

LEIA TAMBÉM: Edinho, o poeta surdo-mudo que chegou na final do Slam BR

Os temas tratados na série são os mais cotidianos: relacionamentos amorosos, familiares e mercado de trabalho, porém vistos pela ótica dos surdos. Para os criadores, um dos principais objetivos era que o produto não fosse algo assistencialista. "Crisálida é uma série de entretenimento onde o surdo é personagem principal, mas com problemas do cotidiano, que qualquer pessoa pode passar", explica Alessandra, roteirista da série.

Ela conta que a ideia surgiu quando fazia um curso de libras na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). “Queria descobrir uma profissão que me permitisse ajudar as pessoas, sendo intérprete, por exemplo”, diz a catarinense, que trabalha com produção audiovisual há 20 anos e, junto ao seu companheiro, Serginho, comanda a Raça Livre Produções. “No entanto, ao entender mais, vi que não estava ajudando ninguém, porque os surdos não precisam de ajuda.” 

Por ser um projeto independente, o casal teve que esperar uma oportunidade para que a ideia saísse do papel. Em 2014, graças a um edital municipal, eles conseguiram desenvolver o episódio piloto, mas foi só em 2016, depois de ganhar alguns prêmios e se associarem a outras duas produtoras, a Arapy Produções e a TVi Televisão e Cinema foi possível produzir a primeira temporada. 

O elenco conta com mais de vinte pessoas surdas, que em sua maioria ainda não haviam tido contato com o teatro. “Por uma questão de representatividade, uma premissa da série é que todo personagem surdo é interpretado por um ator surdo”, diz Serginho Melo, que, além de dirigir, também participou do roteiro da série. Para ele, a experiência de trabalhar com os surdos foi uma surpresa maravilhosa. “Eles são muito expressivos, porque a libras não se resume aos sinais que são feitos com as mãos. Dependendo da expressão facial, eles dizem outra coisa”, afirma.

LEIA TAMBÉM: Rodrigo Mendes fala sobre inclusão e educação de qualidade

Além de fazer parte da programação da TV Cultura, a série já foi exibida em mais de 30 universidades que possuem o curso de Libras. “Recebi muitas mensagens de surdos dizendo que esse é o trabalho em que eles se sentem mais representados e que esse é um momento histórico da comunidade surda brasileira”, diz Alessandra, reforçando que esse era um dos principais objetivos de Crisálida. Para que isso fosse possível, desde o processo de roteiro, eles contaram com o trabalho do consultor surdo João Gabriel Ferreira. “A presença dele foi muito importante, porque, por mais que eu estivesse super envolvida com a pauta, não sou surda”, explica. 

Repercussão

“Recebi muitas mensagens de surdos dizendo que esse é o trabalho em que eles se sentem mais representados ”
Alessandra da Rosa Pinho

No entanto, os comentários que eles mais recebem são de ouvintes que, após assistirem a série, se sentiram instigados a aprender a Língua  Brasileira de Sinais. “É um produto que fala sobre os surdos, mas o público alvo são os ouvintes”, diz Serginho. “Talvez Crisálida ajude a abrir a mente das pessoas em relação à Libras, de saber que as pessoas surdas estão aí e convivendo com a gente. Porque durante muito tempo, eles viviam isolados nas suas casas”, completa Alessandra. 

Para eles, uma das maiores realizações é perceber que, de alguma forma, estimularam a produção audiovisual feita por pessoas surdas. “A partir da série, começamos a observar que os surdos estão se movimentando, não só como atores, mas também como diretores”, conta Alessandra. No entanto, ela acredita que ainda é preciso que aconteçam muitas mudanças na área para que ela inclua essa parte da população. “O ponto inicial é criarmos personagens surdos e saber que eles são capazes, sim, de exercer essa função.” 

A roteirista também pontua que a acessibilidade é algo exigido pela ANCINE, mas, por ser um processo caro, é muitas vezes visto como um problema em vez de uma solução. “As pessoas fazem pensando apenas em cumprir uma lei, não enxergando os surdos como consumidores de fato. Se começarmos a entender que existem pessoas assistindo aquele produto, talvez déssemos mais valor.”

LEIA TAMBÉM: "Por que meu corpo te incomoda?"

O principal objetivo deles agora é a segunda temporada. “O projeto sempre foi maior que estes quatro episódios, porém tivemos que nos adaptar e reduzir para o orçamento que tínhamos em mãos”, explica Serginho. “Não vou dizer que é fácil, pois por ser um projeto independente, dependemos de editais públicos. Mas estamos trabalhando e torcendo para que tudo dê certo.” 

Créditos

Imagem principal: Divulgação

fechar

Entre em contato
com a trip


fale conosco

PABX +55 (11) 2244-8747
Caixa Postal: 11485-5
CEP: 05414-012
São Paulo - SP

atendimento ao assinante

SP (11) 3512-9465
BH (31) 4063-8433
RJ (21) 4063-8482
das 09h às 18h
assinaturas@trip.com.br
 CENTRAL DO ASSINANTE 

ou se você preferir:

e-mail inválido!
mensagem enviada!
fechar

Assine


E leve ousadia, moda, irreverência,
comportamento, inspiração.
Tudo isso com coerência, profundidade
e um olhar que só a Trip tem.

trip

Desconto de 25%

11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Conceito

assinar

11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Trip Girl

assinar

trip

Grátis um super relógio

22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Conceito

assinar

22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Trip Girl

assinar
fechar