por Abdalaziz Moura

Reatar novas relações com a natureza equivale a rever e repensar as novas relações entre as pessoas

Desde que o conhecimento científico pretendeu estudar a natureza, a postura dos humanos perante ela foi de dominação e exploração. Como se não pertencessem à natureza e como se não estivessem sujeitos às suas leis, homens e mulheres sentem-se superiores. A ciência, por exemplo, estudou a natureza para dominá-la, para superá-la, para explorar seus recursos e colocá-los ao sabor e prazer dos homens.

Nos últimos anos, porém, surgiu uma ciência que foge deste paradigma e tenta estabelecer uma relação de amizade e colaboração com a natureza, com harmonia, respeito, amorosidade e cooperação. Estou falando da agroecologia, que não separa a ciência da filosofia, mas se constitui como ciência, filosofia, prática de vida e movimento social, e ensaia um paradigma novo em relação ao positivismo tradicional da ciência.

A agroecologia estuda a natureza para fazer com ela o que lhe faz bem, proporcionando satisfação, sustentabilidade, beleza e harmonia em diversas esferas. Considerando as pessoas como parte da natureza, portanto obedecendo às suas leis, reconhecendo os seus ritmos, e, sobretudo, aprendendo com ela, a ciência agroecológica assume uma postura de escuta, de humildade, de pesquisa e de aprendizagem.

Leia também: 5 projetos homenageados pelo Trip Transformadores que querem transformar a nossa relação com a comida

Entre os inúmeros aprendizados, a natureza nos ensina a viver juntos. Nela, tudo está conectado de forma sistêmica. Seus elementos cooperam entre si e contribuem uns com os outros para a felicidade e bem-estar de todos os seres, não só de humanos. A vida humana, inclusive, só se tornou possível por conta dessa interação, conexão e cooperação dos mais diversos seres.

“Entre os inúmeros aprendizados, a natureza nos ensina a viver juntos”
Abdalaziz Moura

Não à toa, nem por acaso, a humanidade busca reestabelecer os laços que foram rompidos com a natureza, o que traz cada vez mais consequências. Como amantes que recomeçam a se amar novamente depois de um relacionamento estremecido: assim está a humanidade com a natureza. A visão que criou dominação e exploração por parte da humanidade em relação à natureza terminou extrapolando estas mesmas relações para seus semelhantes. Assim, os homens dominaram as mulheres, os brancos exploraram os negros, os colonizadores escravizaram os nativos, os ricos exploraram os pobres.

Leia também: 5 aplicativos para ter no celular e se reconectar com a natureza

Reatar novas relações com a natureza equivale a rever e repensar as novas relações entre as pessoas. Entre ricos e pobres, entre homens e mulheres, entre pretos e brancos, entre trabalhadores e seus chefes. É preciso voltar a viver junto, e isso não é uma metáfora, algo que tanto faz existir como não existir. É a condição de sobrevivência e sustentabilidade das gerações futuras.

Abdalaziz Moura foi homenageado pelo Trip Transformadores 2017. Assista aqui a sua história. 

Acompanhe semanalmente textos de grandes pensadores da sociedade brasileira, que já pisaram no palco do Trip Transformadores.

matérias relacionadas