por Daniel Izzo

Precisamos pensar em modelos que permitam o livre fluxo de recursos monetários

Aprendemos desde cedo na escola que o corpo precisa ter uma boa circulação para o seu funcionamento. O coração deve funcionar como uma bomba, levando o sangue com força o suficiente para que ele atinja todas as partes do corpo através dos vasos sanguíneos. Uma circulação saudável garante o equilíbrio das funções do corpo, e é vital para a manutenção da vida. Quando o sangue chega em um tecido ou órgão, ele leva nutrientes e oxigênio, garantindo a defesa imunológica do organismo.

Qualquer distúrbio no livre fluir do sangue através de nossas veias e artérias são sinais de que algo não está funcionando bem. Em casos extremos, a falta de irrigação pode causar gangrena, ou seja, a morte daquela parte do corpo em que o sangue não chega. Por outro lado, o acúmulo excessivo de sangue em um tecido tampouco é saudável.

Leia também: Todos os textos de Daniel Izzo

Se fizermos uma analogia do corpo humano com o nosso modelo econômico atual, o dinheiro seria o elemento que mais se aproximaria do papel do sangue. É a sua livre circulação que permite a criação de projetos e a materialização de ideias, garantindo a inovação e a melhoria de nossa vida. É ele, também, que garante a satisfação tanto de nossas necessidades básicas, como alimentação e moradia, quanto das não tão básicas, mas que trazem colorido e conforto.

Agora, imagine o que aconteceria conosco se os órgãos do nosso corpo estivessem brigando o tempo todo para acumular cada vez mais sangue, com medo de que faltasse recursos para todo mundo. O sistema entraria, mais cedo ou mais tarde, em colapso. Porém, é exatamente isso que fazemos em relação ao dinheiro. Grande parte do nosso tempo e do nosso pensamento está voltado para a busca pelo acúmulo de maiores quantidades de dinheiro. Isso é verdade tanto para quem não tem dinheiro quanto para quem já tem mais do que o necessário para diversas gerações.

“Muitas ideias morrem por falta de recursos, piorando a qualidade de vida de todos”
Daniel Izzo

E, claro, tanto a falta quanto o excesso de dinheiro causam problemas sociais. Sejam eles fome e falta de acesso a serviços básicos, sejam eles medo e falta de segurança. Esse fluxo travado também reduz o potencial de inovação da sociedade como um todo, já que muitas ideias morrem por falta de recursos, piorando a qualidade de vida de todos.

Está cada vez mais claro que, assim como o sangue no corpo, precisamos pensar em modelos que permitam o livre fluxo de recursos monetários, para que tenhamos uma sociedade saudável, ou seja, mais justa e mais dinâmica.

Daniel Izzo foi um dos homenageados do Trip Transformadores 2016.
Acompanhe semanalmente textos de grandes pensadores da sociedade brasileira, que já pisaram no palco do Trip Transformadores.

matérias relacionadas