por Karen Jonz
Tpm #86

A skatista brasileira Karen Jonz conta como foi participar do Osiris Girls Team Shred Day

A skatista brasileira Karen Jonz conta como foi participar do Osiris Girls Team Shred Day, um desafio em San Diego, na Califórnia, onde atletas radicais trocaram de esporte por um dia

Imagine-se mudando de profissão por um dia. Assumir o posto de mé­dica, por exemplo, se você é advogada. Foi esse o clima do Osiris Girls Team Shred Day, que aconteceu no último 19 de fevereiro, em San Diego, Cali­fórnia. A marca Osiris Shoes convidou as atletas patrocinadas para mudar de foco. Durante um dia, snowboarders, wakeboarders, skatistas e sur­fistas trocaram de esporte entre si e provaram um pouco de cada uma das moda­lidades. Eu, que sou skatista, me aventurei no wake, snow e surf, assim como todas as outras atletas.

Quatro em um
Uma tarefa como essa, fazer quatro esportes diferentes num mesmo dia, não é tão simples quanto parece. Cada garota colaborou com o que podia, emprestando a maioria dos equipamentos. Para o surf precisávamos de pranchas, leash e wetsuits (roupas térmicas), por­que o Pacífico é muito ge­lado, ainda mais no inverno. O snowboard é o esporte mais cheio de coisas: board, meias, botas, calça impermeável, luvas, esquentadores de dedinhos, goggle (óculos específicos), touca.

Madrugamos às 5h30, carregamos o car­­ro e di­rigimos para a montanha. San Diego é uma região pri­vilegiada o suficiente pra ter montanhas com neve, praias, lagoas e as melhores pistas de skate do mun­do. O ponto de saída foi o Pacific Bea­ch­­. A primeira parada foi o posto de ga­­so­lina para aliviar um pouco o mau ­hu­mor, abastecendo-nos com café. No trajeto de duas horas, lógico que uma van com cinco meninas teve que parar a cada 30 mi­nutos para alguém fazer xixi.

Essa foi a segunda vez na vida que fiz snow­board. Depois do skate, esse foi o meu esporte preferido. Vo­­cê não precisa se mo­lhar e as roupas e os aces­­só­rios são co­lo­ridíssimos e estilosos. Mui­tas mu­lheres praticam. A neve não machuca tanto quanto o concreto, dá pra apren­­der rápido e se divertir mesmo sem muita habilidade.

Do snow fomos para o wake, descemos a monta­nha direto para a la­goa. Ao chegar lá tive uma crise de nhaca, estava frio demais no inverno de San Diego. Snow can­sa bastante, os braços, as pernas, tudo. Es­pe­ran­do a minha vez, vi a wakeboarder americana Me­lissa Mar­quat em ação. Quando a conheci, pensei que ela fosse fotógrafa, produtora ou alguma pa­tri­ci­nha de academia que estava ali por engano. Todas do time são femininas, loirinhas, fofinhas, mas a Me­lissa é top! Duvidei que ela conseguisse fazer qualquer esporte agressivo, de tão feminina e meiga. Mor­di a língua ao vê-la no wake. A Melissa foi quem mais me impressionou de todas as atletas.

Eu já tinha andado de wake no Brasil, em Igaratá, mas a lancha bra­si­leira é qualquer coisa se comparada àquela. Foi tão macio e gostoso, que aca­­bei indo várias vezes. E esqueci do frio, saí de lá querendo fazer mais.

Estava quase escuro quando chegamos a Pacific Beach novamente. Saímos correndo pra dentro da água, que estava extremamente gelada! Teríamos, no máximo, 20 minutos até ficar escuro. Peguei umas três on­dinhas na espuma e saí correndo sem sentir meus pés, que acabaram ficando congelados. As outras meninas também não foram muito bem no surf, tirando a skatista americana Annie Sullivan, que está acostumada a surfar e fazer todos os esportes porque mora na Califa e tem fácil acesso.
Já estávamos todas varadas de fome. Tomamos um banho rápido pra tirar o grude do sal e a chegada à pista de skate atrasou duas horas.

Do surf para o skate

A pista de skate, o Break Bowl, era animal – além de coberta e privada. Mas eu sabia que não teria muito tempo, nem pernas, pra ficar fa­zendo muitas manobras. Não sei de onde tirei força porque àquela altura já estava morta. Todas as outras meninas também tiveram que andar. Acertei a manobra que queria rápido para garantir uma foto, e ficamos todas brincando na pista. Como essa era a última atividade, já estávamos um pouco mais relaxadas, comemorando por ter conseguido cum­prir a missão. Ninguém acreditava que fôssemos conseguir, e não é algo que eu queira repetir mais vezes. Quando era mais nova, costumava surfar de manhã e andar de skate à tarde. Mas esse “quadriátlon” radical é pu­xado e requer produção demais.

Foi legal ver todas tentando algo fora da zona de conforto. E também poder andar com as tops de cada esporte, fazer perguntas, usar equipamentos bons. Com certeza, vou repetir os esportes que provei.

Karen Jonz, 24, santista radicada em Santo André e bicampeã mundial de skate vertical, ilustra, escreve, faz vídeos de skate e tem uma banda, a Violeta Ping-Pong

matérias relacionadas