Perdi meu bebê na barriga

por Carolina Bataier

Jornalista relata sua dor e a de outras mulheres que sofreram aborto espontâneo, tabu que grupo de apoio tenta quebrar

Estava grávida de cinco semanas e percebi uma mancha de sangue na calcinha. Naquele momento, entrei em uma sequência de dias de ansiedade e aflição. Vieram outros sangramentos, repouso e medicamentos para, mais tarde, saber que meu útero estava 'limpinho', como afirmou o médico, ao fazer o segundo ultrassom desde a descoberta da gravidez.

Desde fevereiro, quando sofri a perda, venho conversando com mulheres com vivências semelhantes à minha. Amigas, colegas de trabalho, conhecidas. Uma delas, depois do desabafo, pediu segredo. A escolha por não falar sobre o assunto é comum, mesmo que, segundo pesquisas, cerca de 40% das mães tenham sofrido pelo menos uma perda gestacional no primeiro trimestre de gestação. "Esse número pode ser ainda maior, pois algumas vezes a mulher chega a engravidar e ter uma perda tão precoce, antes mesmo de saber que estava grávida, que se passa por uma menstruação que atrasou”, explica o médico obstetra Caio Prado.

LEIA TAMBÉM: Por que falamos tanto das mulheres que conseguiram ser mãe aos 40 anos e tão pouco das que enfrentam a frustração de não conseguir?

Mas a professora Perla Frangioti, 36 anos, vem tentando fazer com que as mulheres consigam se abrir. "Sou professora da rede estadual e não tive direito à licença só porque minha filha morreu dentro da barriga." A constatação, e a necessidade de falar sobre o assunto como forma de auxiliar o processo de superação do luto, foram alguns dos impulsos que a levaram a ser uma das fundadoras do Grupo Transformação, de apoio e acolhimento a famílias que sofreram perdas. “Nosso luto não é validado socialmente e, quando não é validado, a gente não tem espaço para tratá-lo. Ele já é negado desde o hospital até a hora em que você chega na sua casa, que você volta para o trabalho”, avalia Perla, mãe das meninas Clara, 6 anos, e Heloisa, que morreu pouco antes de nascer. Tanto esse luto não é validado que os artigos 198 da Lei Estadual 10.261/68 e 50 do Decreto Estadual nº 29.180/88 negam licença gestante a mães de natimortos.

Para discutir esse impasse legal e outras questões sensíveis, o Grupo criou, no ano passado, a Semana de Sensibilização às Perdas Gestacionais e Neonatais, que aconteceu em outubro, pelo segundo ano, em Araraquara. A cidade do interior paulista  é a primeira a contar com esse tipo de evento, que tem palestras e debates na programação.

Calma?

“Logo você tem outro.” “Pelo menos foi no começo.” Essas frases, ditas para confortar, podem dificultar ainda mais o processo de cura emocional. “A gente sabe que não é maldade, mas as pessoas não estão preparadas para isso”, ressalta Perla. Nem mesmo profissionais da saúde sabem, ao certo, como conversar com essas mães, conforme constatou a professora em suas vivências e nos relatos de outras mulheres do Grupo Transformação.

LEIA TAMBÉM: A apresentadora que faz rir com seu jeito espontâneo, todo mundo conhece. Já a Sabrina Sato que fala sobre sexo após a maternidade e de seus fracassos, essa só se revela para os íntimos

“É fundamental que os profissionais da saúde legitimem a dor e a perda da família e não sejam eles os primeiros a dizer aquelas frases tão banais, mas tão absurdas e doloridas”, orienta Tatiana Machado, psicóloga especialista em perinatalidade (período imediatamente antes e depois do nascimento) e parentalidade, palestrante na primeira edição da Semana, em 2018.

A dor é tão grande que muitas mães precisam de acompanhamento psicológico. Foi o caso da jornalista Ludymila Kage, 33, que não sabe os fatores fisiológicos que a levaram a abortar, mas sente as consequências mentais. Até hoje, ela, que é mãe de gêmeas, faz acompanhamento para tratar a crise de ansiedade desencadeada pela segunda perda. “Antes de ser mãe, a gente acha que é tudo muito natural, que a mulher nasceu pra ser mãe”, conta. “Tanto que interpretei o primeiro aborto como algo que poderia acontecer, apesar de doer muito." Há menos de dois meses, ela resolveu falar suas duas perdas e outros assuntos no canal Mais que mãe, no Youtube.

LEIA TAMBÉM: Mães de gêmeos, Marcela e Melanie dividem a experiência da maternidade e realizaram um sonho: as duas amamentam os bebês

A psicopedagoga Beatriz Macedo, 27, também está em tratamento psiquiátrico – o aborto desencadeou uma depressão. Eu soube da história dela pelo Twitter, em uma sequência de postagens sobre o processo, desde a descoberta da gravidez até o momento da confirmação do aborto espontâneo. Beatriz usava DIU quando engravidou e, por isso, relatou a gestação desde o início. “Eu fiz uma sequência de postagens falando sobre a falácia de que só tem filho quem quer”, conta.  

Na sétima semana, teve um sangramento. No atendimento médico, foi aconselhada a tomar doses regulares de progesterona, hormônio que auxilia o organismo a manter a gestação, e a fazer repouso por cinco dias. Teve mais dois sangramentos. O terceiro, mais forte, veio acompanhado de cólicas e da confirmação da perda. Na internet, o relato atraiu depoimentos de outras mulheres. “Ouvi muito da dor silenciosa que se sente. Muitas meninas que me procuraram falaram que se sentiam presas no seu luto, sozinhas”, diz.

Identidade

Ao confirmar uma gravidez, casais ou mulheres que esperam por esse momento passam a criar, mentalmente, características físicas e emocionais daquela criança. De acordo com a psicologia, esse é um processo natural e necessário para a chegada de um novo ser humano.

Quando uma mãe sofre a perda, ela precisa viver o luto, mesmo que nunca tenha ouvido os batimentos do coração do bebê. “Quando essa gestação é interrompida, a mulher não perde apenas uma gestação, mas tudo isso que foi construindo a partir dela. Ela perde um filho”, explica Tatiana.

Por isso, é importante que profissionais da saúde estejam preparados para estabelecer um diálogo reconfortante. Aos amigos e familiares, cabe ouvir e acolher. “Ofereça seu ombro, seu seu ouvido e seu tempo. E, lembre-se: luto é um processo com idas e vindas, há dias piores e dias melhores. Respeite esse processo, para que a pessoa enlutada possa compreendê-lo também”, aconselha a psicóloga Tatiana.

LEIA TAMBÉM: Em pleno século 21, Lua Fonseca ousou largar o emprego para se jogar no tanque de areia com os filhos – e não se arrependeu

No livro Mulheres que correm com os lobos (ed. Rocco), a psicóloga Clarissa Pinkola Estés sugere que as mães, ao parirem, precisam contar com uma rede de apoio formada por mulheres mais experientes na maternidade.

Considero o conselho válido, também, para as mães que perdem uma criança. Uma rede de apoio parece um bom caminho para alcançar conforto psicológico. Perla, hoje, vê os frutos da união com outras pessoas. Atualmente, ela conversa com uma rede de parceiros e profissionais da saúde em busca de acolhimento para famílias em luto. “A dor a gente não vai conseguir evitar. Então, que quando aconteça, que seja de uma maneira mais humanizada possível”, diz.

 

* A jornalista escreveu a reportagem durante seu processo de compreensão da dor 

fechar

Entre em contato
com a trip


fale conosco

PABX +55 (11) 2244-8747
Caixa Postal: 11485-5
CEP: 05414-012
São Paulo - SP

atendimento ao assinante

SP (11) 3512-9465
BH (31) 4063-8433
RJ (21) 4063-8482
das 09h às 18h
assinaturas@trip.com.br
 CENTRAL DO ASSINANTE 

ou se você preferir:

e-mail inválido!
mensagem enviada!
fechar

Assine


E leve ousadia, moda, irreverência,
comportamento, inspiração.
Tudo isso com coerência, profundidade
e um olhar que só a Trip tem.

trip

Desconto de 25%

11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Conceito

assinar

11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Trip Girl

assinar

trip

Grátis um super relógio

22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Conceito

assinar

22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Trip Girl

assinar
fechar