por Carol Ito
Tpm #174

Marca carioca Kitecoat cria jaquetas com pipas de kitesurf

Pipas de kitesurf se transformam em jaquetas esportivas unissex através do trabalho artesanal da Kitecoat. O arquiteto Alexandre Rezende e a publicitária Paula Lagrotta, ambos velejadores, decidiram criar a marca ao perceberem o desperdício das pipas de kite, que não são descartadas pelos donos, mas ficam guardadas e esquecidas por anos.

O tamanho de uma pipa varia de 6 a 10 metros quadrados por vela e sua matéria prima demora cerca de 300 anos para se decompor na natureza. Cada uma chega a custar 6 mil reais e, por isso, o mercado de seminovos é comum. Convivendo com a comunidade de velejadores, Alexandre e Paula perceberam que muitas vezes os equipamentos já desgastados são deixados de canto, mas não são jogados fora. “É um contrasenso, porque, se por um lado as pipas representam um vínculo afetivo, por outro, ficam esquecidas e fora da rotina de seus donos”, explica Paula.

LEIA TAMBÉM: A força das mulheres no kitesurf

Alexandre conta que de uma pipa é possível confeccionar até três jaquetas e o cliente pode pedir uma versão personalizada ou adquirir o produto já pronto nos pontos de venda (lojas, escolas de kite e pousadas). Além disso, a marca visita locais de prática de kite para estabelecer parcerias: “Em geral, fazemos um negócio que envolve a doação das pipas e, em troca, mandamos Kitecoats. As jaquetas costumam ser sorteadas ou vendidas depois disso”, conta o empresário.

As peças são exclusivas, pois cada corte gera uma estampa diferente. As histórias das pipas carregam um valor afetivo: “A idéia de ver um possível lixo se transformar em algo com valor emocional agregado é incrível”, destaca Paula, que acredita que esse é o grande barato de se produzir os kitecoats. “A marca segue o conceito de moda consciente, onde o consumidor se interessa por produtos duráveis e com mais significado trás da confecção”, conclui Alexandre.

Créditos

Imagem principal: Renato Galvão / Divulgação

matérias relacionadas