por Gabriela Ferraz

’Milito pela legalização do aborto no Brasil, pela autonomia das mulheres e pelo fim da violência’

Há muitos anos me dedico à causa do outro, do ser humano que cruza o meu caminho, de alguém que pede ajuda. Empenho toda a minha energia para que as pessoas possam ser vistas sob a ótica daquilo que de fato são, independente da sua vulnerabilidade. E que assim, fora da invisibilidade, possam ser tratadas de forma digna, igualitária e justa.

Com isso, milito pela legalização do aborto no Brasil, pela autonomia das mulheres e pelo fim da violência, tanto nos espaços privados, quanto nos espaços públicos. E, pensando nesse espaço de domínio público, luto para defender os direitos daquelas que se encontram em privação de liberdade e contra uma acirrada violência institucional.

Também atuo em prol daquelas que precisaram sair de seus países de origem para salvar suas vidas e a dos seus filhos, por serem vítimas de perseguição. O direito de gozar de uma vida livre de violência é supremo.

A violência contra as mulheres precisa ser compreendida dentro desse amplo viés e precisa acabar para que possamos viver em um mundo, de fato, livre e igualitário. Me orgulho de travar essa luta cotidiana, mas me orgulho, muito mais, das histórias que ouvi das pessoas que cruzaram o meu caminho.

*Gabriela Ferraz, advogada e coordenadora do Cladem (Comitê Latino-americano e do Caribe para a Defesa dos Direitos da Mulher) no Brasil.

Veja outras lutas em nosso especial #mulheresquelutam

matérias relacionadas