por Leão Serva
Trip #226

O cara perfeito não é tão perfeito assim. Um papo reto sobre sexo aos 40, fama, dinheiro e muito mais

Numa tarde fria de sábado, num dos dias de garoa que marcaram a chegada da primavera a São Paulo, Reynaldo Gianecchini analisa as fotos que o fotógrafo acabou de fazer dele para esta entrevista. Ele veste T-shirt, jeans e tênis – conjunto que diz ser uma espécie de uniforme, pautado pelo desejo de conforto: “Só mudam as cores, às vezes pego uma camiseta com uma imagem mais chamativa, um acessório mais colorido”.

Eu não o via pessoalmente há muitos anos. A última vez fora muito antes de sua descida ao inferno, levado por um câncer fortíssimo, um linfoma que ele enfrentou diante dos olhos do mundo. Despertou tanta compaixão no país que, mal saiu da recuperação, levantou-se direto para a posição da imagem publicitária mais poderosa do Brasil, numa apertada disputa com Luciano Huck.

Logo ao chegar, chama a atenção o cabelo grisalho. Ele conta que os fios brancos vieram com mais força após a quimioterapia. Mas ele já os tinha, apesar de escondê-los, desde os 25 anos. “Puxei do meu pai, que tinha uma grande mecha branca, linda”, conta. Parou de tingir no início deste ano, a pedido da atriz Giovana Antonelli, que preferia vê-lo assim no papel de seu par romântico no longa-metragem SOS – Mulheres ao mar, ainda sem previsão de lançamento.

As filmagens do longa acabaram em julho, e Reynaldo achou que a “grisalhice” também deveria fazer parte da construção do personagem Paulo, protagonista de A toca do coelho, peça em cartaz em São Paulo até o final deste ano, na qual ele contracena com Maria Fernanda Cândido. O texto do norte-americano David Lindsay-Abaire, vencedor de um Pulitzer, conta a história de um casal que tenta superar uma perda terrível, cada um de um lado, cada um a seu modo. “Paulo é um homem que traz as marcas do tempo”, conta o ator, que diz se divertir com o envelhecimento, ao contrário do resto do mundo.

 

"Essa parte [do câncer] de ficar sem cabelo foi muito fácil"

 

A nova cor de cabelo harmoniza com um momento interior mais maduro, que se manifesta, por exemplo, no sexo. “Com a idade, ele fica muito mais interessante. É quando você se conhece, quando já deixou de lado toda a ansiedade própria dos 20 e tantos anos, que te impede de curtir o presente, o aqui, o agora”, diz. No amor, porém, desde que separou de Marília Gabriela, vive uma longa fase de relações fortuitas. É o que sua agenda frenética permite, já que trabalha de domingo a domingo há mais de um ano. Previsão de férias? Setembro do ano que vem, com sorte.

Apesar de muito trabalho, diz que está zen. Depois de épocas mais “jacas”, busca trilhar o caminho do meio. Nos próximos dias começa a gravação de uma nova novela global. Somando aos comerciais que faz, Gianecchini estará mais nas televisões brasileiras do que o plim-plim da Rede Globo. Pergunto se ele pensa em parar: “O limite é o momento em que eu me cansar. Já aconteceu, quando parei por um ano e fui estudar em Los Angeles. Se acontecer de novo, paro e tiro um sabático”.

Enquanto esse dia não chega, ele segue a rotina, buscando controlar bem sua imagem. É por isso que faz questão de visualizar no computador as fotos feitas por Christian Gaul. No lusco-fusco do estúdio, ele parece um narciso admirando a própria beleza. Mas, diferentemente do herói da mitologia greco-romana, ele se dá por satisfeito. “Do caralho, gente. Adorei.”  

Me surpreendi com o seu cabelo grisalho quando cheguei. É uma coisa genética. Meu pai também tinha, desde novo. Comecei a fazer publicidade, depois novela e sempre fazia muito garotão, né? Nunca fiz papel de pai. Estreei na televisão com 28 anos, mas parecia que eu tinha 20. Demorei muito tempo para assumir esse cabelo branco. Deixei agora pra um personagem. Na capa do meu livro, ele já estava meio branco. Eu tinha acabado de sair do meu tratamento e a gente queria uma imagem crua minha, que não fosse de vaidade. O livro é isto, um close meu, com a cara que eu acordei e com aquele cabelo sem pintar. Todo mundo adorou. E eu tô adorando agora também. Fora que eu estou impressionado com a manifestação das mulheres, não tinha noção que elas gostavam tanto. Dou três passos na rua e sempre vem uma falar: “Deixa assim, pelo amor de Deus! Está a coisa mais linda”. Acho que passa uma coisa de segurança pra mulher, né?

Como foi se ver sem pelos e sem cabelo durante o tratamento contra o câncer? Resolvi encarar muito de frente a doença, com tudo o que ela tinha. Quis olhar e falar: “OK, sei exatamente o que eu tenho, vou lidar com isso e não vou tentar maquiar”. Encarei o desafio de deixar as preocupações do dia a dia de lado e focar numa outra coisa. Ou seja, a vaidade não era importante. De repente, eu não tinha que fazer mais nada. Só cuidar de mim. E foi muito legal. Na verdade, essa parte de ficar sem cabelo foi muito fácil. Foi legal até. Lembro que me olhei no espelho e falei: “Caramba! Ficou condizente com a minha condição, pareço um guerreiro mesmo”.

Você raspou antes de eles caírem então? Não queria esperar tudo cair. Acho meio deprimente. Eu tenho uma coisa que, com esse processo, ficou muito evidente para mim: encaro a vida como ela é. Descobri há um tempo que se a gente faz planos às vezes se frustra. Então foi isso: “Vamos viver o que tem para viver, minha realidade é essa”. Foi muito natural, eu comecei a gostar até. Também acho bacana essa coisa de brincar com as mil caras que a gente tem. Por isso que eu acho a idade muito legal. Tudo vai mudando. E não é questão de rugas, não. É questão de maturidade.

Os papéis de garotão estão passando? É natural, né? Óbvio que eu não posso mais fazer um adolescente. No teatro até dá. Ele é mais metafórico. Mas tem uns papéis muito bonitos nessa idade dos 40 aos 50 anos. É uma idade muito bonita para o homem. Ele ainda mostra um vigor, ainda é jovem, mas já tem uma maturidade. Tem um conforto de estar na própria pele.

Você se sente numa fase de maior vigor, maior desejo sexual, aos 40? Não sei te dizer se maior. Mas com mais qualidade com certeza. O sexo com a idade é muito mais interessante. É quando você se conhece, quando já deixou de lado toda a ansiedade própria dos 20 e tantos anos, que te impede de curtir o presente, o aqui, o agora. Sexo é muito isso, você estar presente ali. Tirar da cabeça todos os pensamentos, as ansiedades. Viver aquilo respeitando o que o seu corpo quer. Há uma diferença gritante entre transar com a menininha de 20 anos e transar com a mulher de 40.

 

"Há uma diferença gritante entre transar com a menininha de 20 anos e transar com a mulher de 40"

 

A qualidade (do sexo com as mais velhas) é melhor? Muito melhor! Principalmente quando a mulher se conhece, o que é difícil pra elas, acho. Pro homem é mais fácil. A própria estrutura da gente, a mecânica toda. A gente se excita mais fácil, goza mais fácil.

Você é hoje uma das figuras mais presentes na televisão. Acha que há um limite para tanta exposição? Eu quero sempre passar uma coisa legal para as pessoas. Não gosto de estar associado com coisas que não me interessam. Fazer publicidade é uma fonte muito legal de grana, mas eu poderia estar fazendo muito mais do que estou. Não quero ganhar todo o dinheiro do mundo. Eu gosto e faço questão de estar associado a empresas que eu considero importantes, que têm uma proposta legal. E eu também tenho preocupação com essa superexposição que a gente tem. Não gosto, por exemplo, de ficar emendando um trabalho no outro na televisão. Sempre procuro intercalar televisão com teatro, com cinema, pra dar um tempo. Acho que vai chegar uma hora que eu vou querer dar um tempão enorme, tirar um ano sabático.

Isso seria quando? Você visualiza esse momento já? Visualizo. Não está tão longe. Quando voltei do meu tratamento, estava com muita vontade de trabalhar, comecei a receber muitas propostas que me interessaram e fui aceitando. Estou trabalhando direto, de domingo a domingo, há um ano. Férias, só em setembro do ano que vem. Tem sido muito legal, mas eu tenho muito evidente isto: vou precisar parar uma hora, fazer nada.

Você diz que escolhe bem as campanhas que faz. Mas e a que você fez para o Pintos Shopping, que acabou virando piada nacional na época? Por incrível que pareça, nunca imaginei que aquilo pudesse dar uma piada. Era uma publicidade para um empreendimento de um império familiar do Piauí, uma rede de shoppings. Fui pesquisar, vi que era uma coisa muito séria, um empreendimento familiar com anos de credibilidade. E eu nunca associei pintos com pênis. Até mesmo porque em Birigui cresci indo na Casa Pintão. Casa Pintão era uma casa em que eu comprava material de escola, essas coisas. Nunca associei com uma piroca enorme. Mas, quando começou a piada, fui o primeiro a rir. Porque realmente o slogan dava uma coisa de duplo sentido que jamais eles pensaram. Mas eu acho que tem uma hora que passou um pouco do ponto, foi pra um outro nível de achincalhação. As pessoas começam a querer exercitar toda sua raiva, sua inveja.

Como você se defendeu? A melhor forma de reagir é fazer como sempre faço: não dar margem para a coisa se propagar. Ou seja, não gosto de ficar falando, me justificando. Sou muito alvo de fofocas, de histórias que não vivi. Fico quietinho vendo aquilo andar sozinho. Seria horrível eu ter que ficar rebatendo tudo que falam a meu respeito. A melhor forma de me defender é não falar nada. Porque quando é uma mentira, uma coisa inconsistente, sai assim [estala os dedos].

Evidentemente entra muito dinheiro das publicidades que você faz. Você cuida de tudo sozinho? Alguém faz isso pra mim, mas eu cuido. Gosto de ter o controle de tudo que faço, não gosto de ficar alienado. Tenho agora uma instituição, que estou fazendo no interior, que talvez seja o projeto mais bonito da minha vida. A única coisa que me faz hoje em dia sonhar a longo prazo é essa instituição, que é para cuidar de crianças, adolescentes e idosos no interior. Então essa questão do dinheiro, da publicidade, de estar associado a empresas, tem muito o foco nisso, sabe? Quero me doar.

Como se chama a instituição? É o nome do meu pai: Centro de Apoio Professor Reynaldo Gianecchini, em Birigui, interior de São Paulo. Está super na fase inicial, mas já foi aprovada por lei, já estou captando pra poder construir.

Tem a ver com o câncer? Não. Tem a ver com educação, com cultura, com apoio psicológico. Suprir as carências das pessoas no interior de informação, de cuidados, de carinho. Tem a ver com isso.

É verdade que você já deu um fora na Carla Bruni? Não é que eu não quis. Na verdade, não desenvolvi. Se fosse hoje, que eu sou muito mais esperto, teria jogado com aquilo [risos]. Mas é que naquela época eu morava no exterior e era uma fase da minha vida que eu estava muito zen. Só meditava, não saía de casa, não ia a festas. Achava todo aquele ambiente que eu trabalhava chato demais. Trabalhava e voltava pra casa. Queria ler meu livro. Era uma fase muito radical da minha vida, e eu tive várias fases radicais. Essa foi para um polo. Depois teve outra pro outro polo, da bagunça total. Tudo isso para descobrir o equilíbrio. Se ela tivesse aparecido um pouco depois, talvez eu tivesse desenvolvido. Ela realmente é uma das mulheres mais lindas que já vi.

Então se a Carla Bruni de repente aparecesse aqui você reagiria diferente? Ah, com certeza. E essa é a beleza da vida! Ela te dá oportunidades de rever as coisas. Dá umas voltas muito loucas.

Quando termina o trabalho você sai pra se divertir, se expõe ao mundo real das ruas? Eu gosto muito de gente, mas deixo claro que o meu espaço existe e precisa ser preservado. A minha intimidade eu abro pra quem eu quero. Jamais poderia ficar num castelo, ser Michael Jackson, sabe? Não ia ser feliz. Moro no Rio e em São Paulo, que são duas cidades que me permitem ir ao supermercado. Eu gosto do assédio, tenho o maior prazer em falar com as pessoas, principalmente depois do meu tratamento. Mas eu não gosto quando vira invasivo, da pessoa querer te tocar, te puxar, querer um espaço que você não pode dar.

E isso não acontece no Rio e em São Paulo? Acontece às vezes, mas fora do eixo Rio-São Paulo acontece mais. Sempre procuro me posicionar de uma forma muito educada. Teve um episódio agora que a imprensa deturpou muito. Estava no Rock in Rio e tirei muitas, muitas fotos mesmo. Embora aquele fosse um tempo pra eu me divertir, eu fico meio constrangido de falar não. Mas teve um momento que ficou insuportável. Mesmo se eu ficasse a madrugada inteira tirando fotos, não ia atender todo mundo. Teve uma hora que eu tive que falar: “Moça, desculpa, não vai dar pra fazer a foto com você porque é muita gente”. Saiu na imprensa que eu não quis fazer foto. Não falaram das outras 500 que eu fiz.

Você malha todos os dias? Umas quatro vezes por semana.

Qual é o seu exercício? Pela praticidade, acabou virando entrar numa academia, porque é o único lugar que você não precisa se programar muito. Mas eu sempre fui do esporte, gostava de jogar basquete, vôlei. O único esporte que eu faço hoje é natação, tirando a malhação.

Pessoalmente você é bem forte, malhado. É, mas eu não sou radical, não. Não sou super-rato de academia, que precisa estar sempre trincado, com o abdômen definidíssimo. É muito mais uma questão de tônus, sinto necessidade de sentir que meu corpo está pronto para o trabalho, sabe? É muito mais do que uma questão estética, embora eu odeie quando estou me sentindo gordinho, quando meu abdômen, que é nosso centro de força, está frouxo. Odeio!

O ciclista Lance Armstrong conta que chegou um momento no tratamento do câncer em que ele falou: “Se tiver mais uma quimio, eu não faço”, porque ele tinha muita indisposição. Como foi com você? Olha, meu tratamento foi muito intenso, muito agressivo, porque minha doença foi muito agressiva e muito intensa. Tem alguns cânceres que não são tão agressivos, por isso demoram anos para serem tratados. O meu era tudo ou nada. Chegou com tudo e tinha que ir embora com tudo. Tomei um veneno brabo, foi barra- pesada! Mas eu me dei... Acho que é uma questão de cabeça. Dentro de mim eu falava: “Quero ver se vai me derrubar essa porra dessa quimio, essa porra dessa doença!”. Tinha dia que era foda. Mas no outro dia eu estava melhor. Fiz uma dieta ayurvédica, super recomendo, que fala que o alimento é o remédio, e que me ajudou muito.

Você mantém essa dieta? Algumas coisas sim, mas eu estava bem radical naquela época. Alimentação é uma coisa de que eu cuido muito.

Você tem alguma religião? Não. Fui criado no catolicismo. Mas a minha religião é o meu contato com o superior, com a força do Universo. Eu acho a religião às vezes muito perigosa. São tantos tabus... Cheguei a uma conclusão: é só o amor que faz você se entender e se conectar. Então eu sinto que é muito mais forte um gesto de amor, ter o amor no coração, do que palavras, orações. Muita gente fica presa na ideia de “não faça isso, faça aquilo” da religião e esquece de dar carinho pras pessoas. Tem gente que chega pra mim e fala: “Você não conhece Jesus!”. Principalmente os evangélicos. Eu falo: “Por que você acha que tem mais acesso que eu? Por que você é bitolado?”.

 

"Sou muito alvo de fofocas, de histórias que não vivi. Fico quietinho vendo aquilo andar sozinho"

 

Recentemente, manifestações varreram o país. Você acompanha essa discussão política? Quando elas começaram, eu estava filmando na Europa. A minha geração não viu isso. E foi muito louco de ver. Dá uma certa apreensão porque você não sabe direito aonde vai dar tudo aquilo, né? A gente foi acompanhando tudo, com vontade de chegar no Brasil e ver o que a gente podia fazer. A gente conseguiu mostrar que tem uma galera muito atenta hoje em dia. Não dá pra ficar fazendo qualquer merda, não dá mais pra ficar esse circo todo. A galera está indignada, e eu acho isso muito positivo. Vamos ver no que vai dar, porque essas manifestações começaram a ficar meio desagradáveis quando se misturaram à violência. Virou bagunça.

Você se formou em direito. Já era ator quando fez o curso? Na verdade, essa coisa de ator eu tenho desde criança. Era uma criança que vivia no palco, fazia da minha vida um palco. Essas manifestações são muito fortes, você tem que prestar atenção. E eu não prestei. Sou de Birigui, né? Lá você não acha que um dia pode trabalhar na televisão, no cinema. É muito distante essa realidade. Mas lá na frente eu vi que era minha vocação mesmo. A faculdade me fez entender que eu era uma pessoa que não queria lidar o tempo todo com a razão.

Você nunca achou que seria advogado? No segundo ano da faculdade eu já sabia que não, mas sou muito caxias e quis completar o curso.

Você já brigou de porrada? Já! É uma historia clássica da minha cidade. Eu era muito certinho, sempre fui. Até me incomodava com isso. Era muito educado, muito responsável. Me achava superdesinteressante. As garotas da escola gostavam do bad boy, do playboyzinho que tinha uma motinho. E tinha um menino que era o bad boy total. Eu tinha muito medo dele, porque ele era “o” cara da cidade. Ele estudava na minha classe e eu lembro que ele falava e todo mundo abaixava a cabeça. Um dia ele chegou apontando o dedo pra mim e eu falei: “Não! Comigo você não vai folgar!”. Ele falou: “Ah, então me espera na saída!”. Foi marcado o duelo. E foi uma violência, porque eu fui pra cima do menino e quebrei a cara dele. Todo mundo da cidade veio me cumprimentar como uma forma de libertação. Eu que sou da paz precisei dessa violência pra me posicionar.

Um ex-funcionário seu foi à mídia dizendo que vocês tinham tido uma relação amorosa e que você o teria presenteado com um apartamento. Você o processou. No que deu isso? Ainda está em juízo. É uma história que não tem nada a ver com caso de amor, é uma história megaprofissional. Contratei essa pessoa pra trabalhar pra mim, e eu estou cobrando na Justiça o que eu acho que está errado. Tenho tudo isso documentado, e eu estou querendo que seja provado. Que ele me traga a prestação de contas. É uma coisa que virou, com a imprensa muito leviana, um caso de amor, até porque houve essa ameaça de uma certa forma. Ele não tinha argumento e houve uma sugestão de que ele poderia me ameaçar por aí, pela minha imagem. Eu realmente não posso falar mais sobre o caso. A imprensa não falou com ele, né? Então vão lá, falem com ele.

 

"Com quem eu durmo não faz a menor diferença pra ninguém!"

 

Há uma tendência na mídia e na opinião popular de insinuar que astros jovens, talentosos e bonitos são gays. Isso acontece com você. Incomoda? Não. Porque tomo essa posição de não deixar afetar minha vida. O que importa é a sua verdade. Acho também que esse tema da sexualidade é tratado muito levianamente. Eu realmente evito falar sobre isso, porque qualquer coisa que a gente fale é usada contra a gente. Me recuso a ter que ficar explicando o que se passa na minha vida, em todos os sentidos. Com quem eu durmo? Com quem eu durmo não faz a menor diferença pra ninguém! Sempre fui uma pessoa megadiscreta com a minha mulher. Não sou de ficar beijando em público. É uma opção minha. Hoje tem muitas histórias de pessoas vivendo outras realidades. Eu respeito pra caramba todo mundo. Quer viver a três? Eu agora vou fazer uma novela do Manoel Carlos em que viverei um triângulo amoroso. Sou casado com a Giovanna [Antonelli] , e ela se apaixona por uma mulher. Vai ser um reflexo do que está acontecendo por aí, a possibilidade de você viver a três, abrir o seu casamento. Se você está vivendo a sua vida de um jeito que você achou que vai funcionar, acho maravilhoso. Eu sou um cara que gosta de olhar tudo e escolher o que quer. As pessoas confundem muito isso. Se você é um cara sem preconceitos quer dizer que você faz tudo? Não. Não ter preconceito significa você poder escolher o que você quer, sem julgamento das pessoas com opção diferente da sua. Sou a favor dessa liberdade. Acho muito pequenas essas discussões. Outro dia o Sheik [jogador do Corinthians] deu um selinho no Isaac [Azar, chef de cozinha e empresário], um cara meu amigo, pai de família. A Hebe Camargo fez isso a vida inteira. Aí virou uma discussão se ele era gay ou não, foi a torcida lá com faixas brigar. O que tem a ver o trabalho dele em campo com quem ele leva pra cama? É uma invasão. É um país que finge ser livre, mas que acho muito pouco livre.

Quanto você cuida da sua imagem? Muito! Mas cuidar da minha imagem não é querer aparentar alguma coisa que eu não sou só pra poder ganhar dinheiro, por exemplo. Mostrar a imagem é mostrar quem você é. Não posso pegar e sair bêbado por aí, até em respeito às vovozinhas que me acham um cara legal, sabe? Eu não sou só um bom moço, embora eu queira ser muito legal. Eu quero que todo dia minhas relações sejam melhores, que eu possa melhorar como ser humano. Mas óbvio que também dou minhas derrapadas.

Você bebe? Socialmente. Não vou sair por aí bêbado, aloprando, beijando. Tem coisas que você faz dentro da sua intimidade. E acho que faz parte você dar uma piradinha, mas tem que ter um limite na exposição.

Como é a sua relação com as outras drogas? Na minha adolescência tinha muito medo de me aproximar das drogas. Como tenho essa coisa dos excessos, sou um cara muito intenso, falei: “Cara, tenho muito medo de gostar e de entrar num caminho sem volta”. Então a droga sempre me deu rejeição. Até meus 20 e poucos anos eu nunca tinha experimentado nada. Não que eu beba pra caramba, mas eu gosto de beber, é a minha droga. Gosto de tomar uma taça de vinho, um uísque, uma vodca, pra tirar um pouco o sargentão que a gente é. Mas eu também não caio no chão, não sou de perder a memória. Tenho uma resistência física muito grande.

Mas já teve seus porres... Claro. Mas eu tenho uma resistência tão grande que sempre fui aquele que leva os bêbados pra casa, mesmo tendo bebido mais do que todo mundo, desde adolescente. Lá pelos 20 e tantos anos fui experimentar maconha, que é uma coisa pela qual eu acho que fazem muito barulho por nada. Pra mim não fez grandes coisas. Hoje em dia eu tenho o maior prazer em dizer que realmente não é a minha onda. Acho muito baixo-astral, sem ser careta. Não sou careta com nada na vida.

Tem planos de casar novamente? Fui muito bem casado. Meu casamento foi uma coisa linda. Eu gosto muito de estar casado. Mas confesso que, putz, tenho falta de coragem de encarar um casamento hoje em dia. Acho muito bonito casar, ter filhos, mas acho que você tem que saber onde você está entrando. Estar solteiro, disponível pra vida, é muito legal também. “Você não quer ter um filho?” Quero! Mas tem que aparecer a pessoa especial, não faria uma produção independente.

Tem alguma coisa que poucas pessoas sabem sobre você? Eu odeio fazer foto, desde criança nunca gostei. Minha mãe não tem foto minha porque eu não deixava tirar. Agora estou começando a brincar com esse negócio do Instagram. Posto fotos de trabalhos meu, tipo “olha que imagem bacana”, mas nunca é foto de mim. Se for, tem a ver com o contexto que eu quero mostrar, uma situação engraçada. O ator é tímido quando ele tira a máscara, ele não quer se expor.

matérias relacionadas