por Carol Ito

Em um ano eleitoral, as notícias falsas podem virar arma de guerra. Entenda como elas alimentam o que há de pior em nós

2018, ano de eleições. O cenário é de guerra. As redes sociais são bombardeadas por notícias falsas, replicadas por robôs, que atingem milhares de pessoas em poucos minutos. Um texto raivoso contra um candidato é compartilhado em grupos de Whatsapp – sem autoria, nem fonte de informação – e, de repente, vira o assunto do momento. Muito antes de desmentirem o boato, o estrago está feito. Opiniões vazias são reforçadas e o debate público segue sem avanços.

Todos estão preocupados sobre como a internet vai afetar as eleições do ano que vem, já que o cenário da guerra virtual vem sendo construído, pelo menos, desde as eleições de 2014. A pesquisa Robôs, redes sociais e política no Brasil, realizada pela Diretoria de Análise de Políticas Públicas da Fundação Getulio Vargas (FGV/DAPP), avaliou a influência de robôs no Twitter durante as eleições de 2014. Cerca de 10% do debate nessa rede social foi gerado por robôs e eles seguem atuando em momentos políticos decisivos, como no caso da greve geral de abril de 2017 (20% das interações a favor da greve foram criadas por contas automatizadas).

Em outubro, o Tribunal Super Eleitoral (TSE) anunciou que se juntaria ao Exército, à Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e à Polícia Federal para discutir soluções para o problema das fake news, termo que se popularizou durante a campanha presidencial de Donald Trump. As justificativas são de que o TSE não teria pessoal suficiente para cuidar do assunto e que o governo teme os impactos das notícias falsas, assim como ocorreu em eleições de outros países. Em 2017, uma investigação feita pelos serviços de inteligência dos Estados Unidos apontou que a Rússia, através das plataformas digitais, teria influenciado a campanha eleitoral que elegeu Donald Trump.

Sangue no olho

O professor da USP Márcio Moretto Ribeiro é um dos coordenadores do Monitor do Debate Político no Meio Digital, projeto criado em 2015, que tem como objetivo mapear e analisar o debate na internet com base na coleta de notícias.

“Os temas morais mobilizam a opinião pública com mais paixão”

A partir dos dados levantados pela plataforma, ele avalia que as fake news se reproduzem em uma “dinâmica bélica", confrontando, principalmente, temas tabus, como aborto, legalização das drogas, pena de morte e casamento gay. “Os temas morais mobilizam a opinião pública com mais paixão”, observa o professor.

LEIA TAMBÉM: Criador do Sensacionalista explica porque internautas repassam notícias falsas

“O que é mais impressionante não é a replicação de notícias falsas, é a replicação de discursos de ódio”

Nesse cenário, a racionalidade perde a vez: “Existem replicadores de notícias falsas? Existem, sim. São milhões? Não. O que é mais impressionante não é a replicação de notícias falsas, é a replicação de discursos de ódio”, observa Sérgio Amadeu da Silveira, membro do Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.Br) e do Coletivo Digital. Ele pondera que o problema das fake news não é nenhuma novidade: “Não há nada mais descabido do que falar que  notícias mentirosas passaram a poluir as redes durante as eleições, sempre criaram notícias manipuladas”. O que tem de novo é que “o Brasil está radicalizado e a internet permite que um conteúdo seja replicado imediatamente e atinja milhões de pessoas”.

As armas

Outra novidade é a alteração no Código Eleitoral que proíbe a “veiculação de qualquer tipo de propaganda eleitoral paga na internet”, com exceção do “impulsionamento de conteúdos (…) contratado exclusivamente por partidos, coligações e candidatos e seus representantes”. Ou seja, não é permitido pagar para fazer propaganda na internet, mas é possível pagar para que determinada notícia alcance mais pessoas.

Para Sérgio Amadeu, isso “é uma forma de concentração do poder econômico nas mãos de plataformas que são jardins murados”, como Google e Facebook. Em relação aos possíveis efeitos nas eleições, nada de novo: “Quem tem mais dinheiro faz a maior campanha. O tal do crescimento orgânico nas redes sociais, sem pagamento, vai ser ainda mais dificultado”, afirma Sérgio. O que está em jogo é o que ele chama “direito à visualização” que, em 2018, vai ser tão importante quanto a liberdade de expressão.

Se as armas usadas na guerra são as fake news, é preciso entender o que são e como funcionam. O jornalista Edgard Matsuki criou o site de checagem de notícias, Boatos.org, em 2013, antes da discussão sobre fake news se popularizar. Ele observa que existe uma linha tênue entre notícia falsa e notícia distorcida, o que dificulta o trabalho de checagem. Outro obstáculo é a prática de misturar informação factual com opinião, que é muito comum em blogs, sites e redes sociais.

Um grande vetor de notícias falsas é o Whatsapp, segundo Edgard: “O Facebook tem estratégias para bloquear notícia falsa, no Whatsapp isso não acontece, não tem um algoritmo que restringe o acesso”. Os textos costumam ser alarmistas e logo são replicadas em sites que ganham dinheiro com cliques, numa grande bola de neve.

LEIA TAMBÉM: Entrevista com Guilherme M, criador da fanpage Quebrando o Tabu

Quando uma pesquisa sobre fake news vira alvo dos criadores de fake news é sinal de que algo está muito errado. Foi o que aconteceu em 2017 com o Monitor do Debate Público no Meio Digital. Blogs e sites replicaram uma notícia com a seguinte manchete: “Estudo da USP embasa lista dos 10 maiores sites de falsas notícias do Brasil”. “O Monitor nunca fez esse estudo, tentamos desmentir várias e várias vezes”, conta Márcio Moretto. Ele explica que pegaram resultados divulgados pela pesquisa e “adaptaram” para defender um posicionamento político. “O ideal seria que as pessoas não replicassem sem checar, mas, com a atual dinâmica das redes sociais, isso não funciona”, lamenta.

“Não compartilhar é um ato político”

O que fazer diante da guerra anunciada para 2018? Os ativistas digitais defendem que o comportamento das pessoas online é o que pode virar o jogo. O CGI.br pretende criar um guia de boas práticas para conscientizar os usuários de que não dá pra sair por aí compartilhando tudo que noticiam.

Para Cris Tardáguila, diretora da Agência Lupa, especializada em checagem, “o objetivo para 2018 é fazer com que o cidadão saiba que ele será alvo de notícia falsa”. Ela defende que o Brasil precisa de um “exército de checadores”, formado por pessoas capacitados para “confrontar dados públicos, identificar se a notícia é falsa ou exagerada". A Lupa, inclusive, têm um projeto de educação para o combate à desinformação.

O TSE também precisa criar medidas até março e está realizando audiências públicas para discutir o assunto. Márcio acredita que a preocupação do governo é válida, mas não pode resultar em censura. “Uma coisa que poderia muito bem ser feita são campanhas de conscientização”, completa.

Para Sérgio, não compartilhar uma informação que pareça suspeita é um ato político, no sentido de que “devemos torcer para um candidato com base na razão, não no ódio”. As emoções falam alto, ainda mais nesse momento em que o Brasil está tão dividido. Na dúvida, melhor não apertar o botão.

Créditos

Imagem principal: Heitor Loureiro

matérias relacionadas