por Carol Ito

Ex-surfista profissional Marcos Sifú se uniu a amigos para criar a cervejaria artesanal Praya

O ex-surfista profissional Marcos Sifú mergulhou fundo em busca da receita perfeita de sua cerveja, pensada para ser a bebida que ele gostaria de ter para tomar com os amigos. E foi um caminho longo de experiências e descobertas até ele estar certo de que tinha encontrado a fórmula ideal. “Testei vários ingredientes, não sabia nem que cerveja tinha que maturar. Foi uma imersão até chegar na bebida que eu queria tomar com meus amigos depois de pegar onda”, explica.

Foi na Califórnia, onde esteve diversas vezes para a disputa de campeonatos, que Sifú descobriu o prazer de beber geladas artesanais e decidiu, então, criar a própria, inicialmente como hobby, uma vez que ao voltar só encontrou como opção rótulos com preços tão salgados quanto o mar. “Comecei a fazer porque não tinha dinheiro para comprar cerveja importada. Na época, não pensei que eu fosse trabalhar com isso.”

A descoberta de seu talento cervejeiro veio a calhar quando ele buscava dar o rumo para sua vida pós-carreira como surfista. “Eu sempre tive a ideia de ter uma marca de surf depois que terminasse minha carreira profissional, mas achava muita loucura trabalhar com roupas. Nem todo mundo sai com dinheiro pra comprar uma bermuda ou uma camiseta, mas pra cervejinha...”, diz sobre como o hobby começou a virar o seu futuro como empresário.

E foi a partir desse processo pessoal que nasceu a Praya, no início de 2016, uma Witbier refrescante, com sabor de trigo e levemente cítrica, cervejaria que hoje administra juntamente com os amigos Eduardo Gaspar, Tunico Almeida e Paulo de Castro.

LEIA TAMBÉM: A cerveja feminista

Desde então, a marca cresceu e atualmente produz 50 mil litros por mês, e já chegou a 800 pontos de venda no Rio de Janeiro e outros 100 em São Paulo. E, como ex-atleta, o caminho da Praya não ignora o ambiente em que sua criação foi concebida e hoje Sifú usa seu negócio cervejeiro também para apoiar iniciativas ligadas ao esporte, meio ambiente e conservação.

Entre as modalidades que contam com o apoio de Sifú, a Praya recentemente deu suporte à equipe brasileira de surf adaptado (para atletas com problemas de mobilidade) na disputa do mundial na Califórnia — além de já ter realizado ações que promovem a limpeza do mar, incluindo o ambiente submarino. A ideia de Sifú é devolver ao mar o que de bom recebeu dele. “Tudo que eu ganhei na vida veio do mar, do surf. A gente tem que dar de volta um mundo mais limpo”, acredita Sifú.

matérias relacionadas