por Edgard Gouveia

Qual o poder dos jovens na construção do mundo que todos sonhamos? E se formos nós aqueles pelos quais estávamos esperando?

Já se vão 20 anos desde a primeira vez que começamos a tentar responder na prática a essas e outras perguntas nos primeiros anos da faculdade de arquitetura e urbanismo de Santos – FAUS. Éramos um grupo de universitários que viria a fundar o Instituto Elos.

De lá pra cá foram muitas as conquistas daquele grupo de amigos sonhadores apaixonados por colocar as mãos na massa pra ver pedacinhos das nossas visões materializadas. Um mundo melhor, praça a praça, bairro a bairro.

Juntos, realizamos experiências transformadoras: Encontros Nacionais e Latino-Americanos de Estudantes de Arquitetura (ENEAs e ELEAs) que rompiam paradigmas; Museu de Pesca de Santos; Guerreiros sem Armas; Jogo Oasis; Associação Cortiços do Centro de Santos; Oasis Santa Catarina; tudo na busca de aprender e compartilhar formas prazerosas de despertar o poder inato que todos nós temos de cuidar de nós mesmos e dos ambientes em que vivemos. Sim, prazerosas. Porque, se não for divertido, não é sustentável.

Mas como assim prazerosas? E por que brincar de transformar o mundo?

Nas próximas matérias teremos a oportunidade de aprofundar com histórias reais, mas por ora te conto meus dois principais motivos:

- Quando brincamos juntos, despertamos a melhor versão de nós mesmos e nos tornamos natural e voluntariamente cooperativos, dispostos, resilientes e muito, muito mais eficazes.

- A escala dos desafios atuais é tão desafiadora e complexa que governos, empresas e outras instituições não darão conta de responder na velocidade necessária, precisaremos da velocidade, criatividade e da dedicação de toda a sociedade cooperando para isso.

Todos esses anos vivenciando aventuras mágicas e compartilhando a tecnologia brasileira do brincar para realizar sonhos com indivíduos e comunidades nos cinco continentes me levaram a enxergar o BRINCAR como a estratégia mais eficaz para ativar o superpoder de auto-organização inerente à qualquer sociedade para realizar ações impossíveis, num prazo impossível e melhor, numa atmosfera de alegria e celebração. Por brincar me refiro ao poder de auto-organização de pessoas comuns na gincana, nas festas juninas e no Carnaval, em qualquer rincão do nosso país, quase sem dinheiro e com resultados espetaculares.

O poder e o prazer dessas experiências, a urgência por soluções aos desafios contemporâneos no Brasil e no mundo, a democratização de recursos tecnológicos poderosos e a ascensão de adolescentes e jovens protagonizando a transformação têm nos levado a sonhar e ousar mais alto, desenhando ferramentas de transformação que vão ajudar as crianças e os jovens da porta ao lado te deixarem literalmente de boca aberta no quesito salvar o planeta.

Nos próximos capítulos, Play The Call e X-Lab: crianças, adolescentes e jovens liderando o movimento de transição! #PLAY!

Edgard,

 Edgard Gouveia Júnior foi homenageado no Trip Transformadores de 2013.

* Acompanhe aqui, semanalmente, os textos de grandes pensadores da sociedade brasileira, que já passaram pelo palco do Trip Transformadores.

matérias relacionadas