Uma cientista brasileira no epicentro da pandemia

por Bruna Bittencourt

Rafaela Ribeiro estudava o zika vírus em Milão quando a Covid-19 chegou à Itália. Ela fala à Tpm sobre sua pesquisa com o coronavírus e sua luta contra as fake news relacionadas à pandemia

Do ponto de vista profissional, Rafaela da Rosa Ribeiro, 32 anos, estava no lugar certo, na hora certa: morando em Milão, fazendo pesquisas em um laboratório de virologia, em meio ao seu pós-doutorado, quando o coronavírus chegou à Itália. Mas a cientista brasileira acabou encarando a pandemia sozinha e de frente, longe da família, em um dos seus epicentros. 

Doutora em biologia celular e estrutural pela Unicamp, Rafaela fazia uma pesquisa relacionada ao vírus zika e suas implicações neurológicas, no Hospital Albert Einstein (São Paulo), quando aplicou para uma bolsa de estágio no exterior pela Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo). Mandou e-mails para vários centros de pesquisa no mundo e, em junho passado, fez as malas para a Itália, onde um grupo de virologistas estudava fármacos para o zika.

LEIA TAMBÉM: Tpm conversou com a sexóloga Ana Canosa sobre os impactos do coronavírus entre quatro paredes, para casados e solteiros 

Em Milão, trabalhando no Hospital San Rafaelle, se divide entre um laboratório de neurociência e outro de virologia, sob supervisão de Elisa Vicenzi, que pesquisou o surto da SARS, entre 2002 e 2003 e fez parte do segundo grupo no mundo que sequenciou o vírus. “Desde que o coronavírus apareceu na China, a gente estava em alerta no laboratório, a Elisa, principalmente. Acompanhava ela em palestras e estudando tudo o que estava acontecendo. Até que o vírus chegou na Itália e o cenário mudou completamente. Foi pouquíssimo tempo para imaginar tudo isso", conta por Skype, de sua kitnet, em Milão, de onde, há dois meses, só sai para trabalhar. “As pessoas estão perdendo membros da família em leito de hospital sem poder se despedir. É muito triste.”

Rafaela chegou a pensar em voltar ao Brasil, antes do lockdown. “A gente acha que isso só vai durar uma semana, 15 dias...” Mas a pandemia também chegaria ao Brasil, como lembrou seu supervisor de pesquisa aqui, e poderia paralisar seu trabalho no país também. Elisa então convidou a brasileira para seguir trabalhando em Milão. “Tenho bastante reconhecimento aqui, é mais fácil”, diz. “No último ano, houve um cenário global contra a ciência. Vimos isso nos Estados Unidos, na Inglaterra e na Itália também. Mas o que eles chamam de desmonte de ciência aqui não dá 50% do nosso, no Brasil.”

Depois de ajudar sua supervisora a escrever projetos que enviaram a agências de financiamento, Rafaela agora participa da execução de um deles, em que uma equipe médica coleta amostras de pacientes contaminados pelo coronavírus – sangue, plasma, urina, secreções. Na sequência, é feita a separação delas – congelamento das células, isolamento do vírus. “É uma força-tarefa com vários grupos de pesquisa trabalhando para formar esse bio banco, que depois vai poder ser distribuído para vários pesquisadores estudarem uma linha ou outra do vírus”, conta. “Além disso, estamos construindo o que chamamos de pseudovírus. Não é o vírus com material genético, é só a proteína do envelope dele, que é por onde ele entra nas células [saudáveis]. Assim a gente não precisa de um nível de segurança altíssimo para trabalhar, pode entender como esse vírus entra na célula e se os fármacos conseguem inibir isso."

LEIA TAMBÉM: Amyr Klink fala sobre as semelhanças e diferenças entre o isolamento que viveu no mar e o ocasionado pelo coronavírus

Quando sai de casa para ir até o laboratório, Rafaela leva consigo um documento da instituição e da prefeitura, que lhe dá autorização para sair na rua por estar envolvida na pesquisa da Covid. “É como se fosse uma declaração que você sabe do risco que está correndo”, conta. “Mas não saio todo dia de casa, a gente tem um revezamento no laboratório para evitar aglomerações. As coisas lá são muito sincronizadas. Ninguém fica: ‘Vamos tomar um cafezinho?’. Você faz o que tem que fazer, conversa o que tiver de conversar.”

Além da pesquisa relacionada diretamente ao vírus, Rafaela participa de várias iniciativas para combater fake news relacionadas à pandemia no Brasil. “Acho que perco 20% do meu dia respondendo WhatsApps e informações erradas." Também analisa e escreve sobre pontos da pandemia (o que fazer em casa quando se chega da rua, usar ou não máscara caseira, como usá-la...) – com outras equipes de divulgadores científicos e jornalistas. “Sempre estou em discussão de iniciativas que já estão sendo usadas aqui.”  

LEIA TAMBÉM: O neurocientista Sidarta Ribeiro fala sobre o que acontece com o sono e os sonhos em épocas de crise

Uma de suas parceiras neste trabalho é a amiga e bióloga Ana Arnt, professora da Unicamp. “Ela tem feito uma força-tarefa com blogs, nessa parte de comunicação e divulgação científica. A gente tem apurado muita coisa juntas.” Rafaela também cita outra amiga cientista, que está na linha de frente da pandemia, a biomédica Jaqueline Goes de Jesus, uma das responsáveis pelo mapeamento do genoma do coronavírus no Brasil.

“Acho que a visibilidade da mulher na ciência ainda é frágil. A gente bate nessa tecla há muito tempo, especialmente para os homens que já estão ‘garantidos’. Até para trabalhar com pontos do corona a gente sabe que tem que falar duas, três vezes. Inclusive é um dos motivos porque eu adoro trabalhar aqui, me sinto muito mais acolhida. Não preciso ficar validando tudo o que falo", diz. "No Brasil, quando dou alguma ideia, já mando o paper que li: ‘Ah, pensei em fazer desse jeito. Inclusive, o fulano disse isso em 2013’. Aqui eu falo e é uma responsabilidade grande, porque eles já acatam.” 

Rafaela analisa os prós e contras de toda a ciência estar toda voltada à pandemia. “É muito bom, mas muita coisa parou por conta de uma emergência —  pesquisas de câncer, de vírus. Além disso, o financiamento também está voltado para a emergência. Em outras áreas, as coisas ficaram mais difíceis”, diz. “Uma pandemia exige esse tipo de esforço porque o tempo não existe. Tem que se achar coisas eficientes e confiáveis de uma forma rápida. É preciso ter mais gente para tentar compensar este tempo, várias pessoas estudando a eficiência de uma droga, por exemplo. Dessa forma, vai se somando dados, o que dá mais confiabilidade para usar essa droga na população”, conta. “Mas sinto que ciência tem o tempo dela. Pode ser que as coisas estejam mais rápidas, mas ainda assim existem processos: precisamos pedir financiamento, esperar pela aprovação de um projeto e por esse dinheiro, comprar material. As coisas precisam passar por comitês de ética. Isso não é do dia para a noite. O que os cientistas estão fazendo? Estão passando por todo esse processo burocrático e necessário para que não aconteça uma pseudociência.”

Créditos

Imagem principal: Creative commons

fechar

Entre em contato
com a trip


fale conosco

PABX +55 (11) 2244-8747
Caixa Postal: 11485-5
CEP: 05414-012
São Paulo - SP

atendimento ao assinante

SP (11) 3512-9465
BH (31) 4063-8433
RJ (21) 4063-8482
das 09h às 18h
assinaturas@trip.com.br
 CENTRAL DO ASSINANTE 

ou se você preferir:

e-mail inválido!
mensagem enviada!
fechar

Assine


E leve ousadia, moda, irreverência,
comportamento, inspiração.
Tudo isso com coerência, profundidade
e um olhar que só a Trip tem.

trip

Desconto de 25%

11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Conceito

assinar

11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Trip Girl

assinar

trip

Grátis um super relógio

22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Conceito

assinar

22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Trip Girl

assinar
fechar