por Fernanda Brianti

Nossa colaboradora Fernanda Brianti dá dicas de um dos lugares mais bonitos do Brasil

As andorinhas voam aqui em São Paulo. Mas nessa época do ano voam aos montes também na Chapada Diamantina, no sertão da Bahia. Esses pássaros escolhem as quedas das belíssimas cachoeiras da região como cortina de entrada de suas casas.

Composta por seis cidades, a Chapada Diamantina é um verdadeiro playground natural que não economiza em cachoeiras, montanhas, cânions, cavernas, bromélias, libélulas  ou rios cor de cobre. Lençóis é a cidade com mais estrutura. Interessante, com boas acomodações, bons restaurantes, ela acontece naturalmente. A arquitetura, o clima e o jeito baiano contribuem para isso. Igatu conta com muitas ruínas de pedras, uma cidade que já foi muito mais habitada na época do garimpo. Mucugê, tem como atrativo um cemitério bizantino cinematográfico. O Vale do Capão, com uma vista estonteante e muitos hippies, além de ser o ponto de partida e chegada para uma das trilhas mais lindas do Brasil, pelo Vale do Pati. Para completar, Andaraí e Ibicoara, mais ao sul que escondem duas cachoeiras de impressionar: a do Buracão e a Fumacinha.

Conversando com amigos, percebi que muita gente ainda não conhece essa região que está no nível de Fernando de Noronha, quando se trata de beleza natural no Brasil. Mas para descobrir tudo isso é necessário muita disposição para caminhar.

Quando ir?
Uma boa época para ir é no verão, que chove bastante garantindo um bom fluxo de água para as cachoeiras. As festas de São João, no mês de junho também devem ser muito bonitas.

Como chegar?
Sugiro de São Paulo ir de avião até Salvador, e pegar um ônibus na rodoviária ou um vôo para Lençóis (apenas aos sábados). Sugiro não alugar carro em Salvador porque além de ser uma estrada não muito bem sinalizada, todos os passeios na Chapada necessitam da presença de um guia e geralmente o transporte já vem incluso.

Onde comer?
O restaurante que mais gostei foi o do hotel Canto das Águas. Além de ter uma ótima vista de dia (para o Rio Lençóis), tem um dos melhores carneiros que já comi na vida. Segundo a proprietária, Yasmin, os carneiros criados na Bahia são melhores devido ao calor baiano. Há também uma ótima pizza na Pizza Da Gente; um mexicano bem original, bem picante e o famoso café da manhã na Estalagem do Alcino, considerado um dos melhores do Brasil.

O que fazer?
Fiz os passeios com os escaladores do Fora da Trilha, que fazem passeios mais undergrounds, com uns guias mais figuras. A escalada é uma excelente pedida, foi maravilhoso experiementar essa modalidade em habitat natural.
Vale a pena também pegar um moto táxi e pedir para ver as pinturas do ex-morador de Lençóis, Stephan Doitschinoff, artista reconhecido mundialmente.

O que comprar?

O inebriante escultor Jotacê, artista nativo de Lençois e seguidor da Cultura Racional, faz sereias, anjos e quadros de barro maravilhosos. Fazia tempo que não conhecia um artista tão nato. Tem também o Jorge Pombo, um argentino que cria instrumentos musicais com madeiras da região. Lindos e deliciosos de ouvir.

Onde ficar?
O melhor hotel é o Canto das Águas, super bem localizado , charmoso e confortável. Para opções mais em conta, háa pousada Vila Serrano e a pousada Pouso da Trilha.


Fernanda Brianti, 32 anos, é fotógrafa, produtora executiva viajante e resolveu passar seu aniversário na Bahia porque sua astróloga disse que seria auspicioso.

matérias relacionadas