por Natacha Cortêz
Tpm #154

Seis pessoas que escrevem sobre sexo abrem o jogo em relação à importância do tamanho do pinto

"O pau nunca é pequeno. As pessoas é que se entregam pouco. Daí a boceta contrai e o pau murcha. As pessoas esqueceram do pecado original. Nunca acredite em conversa mole e pau duro. Nem em pau mole, nem em superdiálogos. Apenas fomos feitos, do começo ao fim, para trepar. Esqueçam essas bobagens. Façam o mundo girar outra vez."  Juliana Frank

"Eu queria dizer que cada um tem um corpo único e essa é a beleza da vida. Mas, quando o assunto é pinto, essa minha teoria vai por água abaixo. Shame on me. Geralmente, quando a gente descobre que o pau é pequeno (para mim, com menos de 12 cm) já não dá mais tempo de fugir – o que, convenhamos, seria um pouco covarde. Daí o negócio é se jogar. Pode ser, por exemplo, uma ótima oportunidade para abusar do sexo anal em posições variadas. Aí, depois, dá pra fugir com dignidade, mentalizando que, simplesmente, você não é a tampa daquela panela." Lia Bock

"Eu odeio pau muito grande. Veja: eu calço 32. Minha mão é do tamanho da mão do meu primo de 8 anos. Sem querer bancar a ‘apertadinha’, a verdade é que sou miúda. Fico com pau médio, grande cúmplice da ousadia. A única vez que eu fiz aquele tipo de sexo que não é o ‘buraco tradição, família e propriedade’ foi com um pau médio pra menos. Mas acho pau fino uma coisa terrível, dá um vazio existencial. E acho pau ‘meia bomba’ um desrespeito, pior que pau pequeno. Mas, claro, se for micropenia, obviamente não tem condição. Já é uma luta achar um homem com um pau maior do que ‘o nosso’, se nem esteticamente ele parecer superior, fica puxado. Mas se for um pau pequeno com charme, grossura, segurança, dureza, alta durabilidade, dá pra aproveitar muito bem." Tati Bernardi

"Só dei de cara com um pintinho acanhado uma única vez. Se eu fosse aquele moço teria procurado ajuda, sei lá... É mais fácil ver por aí pintos finos e meio tortos, mas parrudinhos. E com esses todo mundo consegue se ajeitar. Sempre haverá uma pepeca que se encaixe perfeitamente num pinto. Ou quase sempre. Eu, por exemplo, tenho mais medo de um grandalhão desajeitado do que de um pau mais singelo. Mas pequeno, tipo micro, tô fora." Mariliz Pereira Jorge

"Não importa o tamanho. Reduzir alguém a uma parte do corpo é uma babaquice, e a maravilha do sexo está justamente em experimentar e ‘pensar fora da caixinha’." Fabricio Longo

"Se o pau for muito pequeno e o cara tiver talento com as mãos e a boca pode ser melhor do que um homem de pau enorme que não se importa com o prazer da mina. O lance é saber usar os recursos que tem. Particularmente não gosto de paus enormes; não cabem direito na boca e podem causar incômodo. E ainda tem o agravante de que muitos homens acham que seu grande membro já é uma bênção e não se empenham." Clara Averbuck

matérias relacionadas