por Natacha Cortêz
Tpm #156

Elas vivem em São Paulo, trabalham, cuidam dos filhos, mas encontraram um jeito de manter o equilíbrio mental com a prática da canoa havaiana


Três vezes por semana, mulheres de diferentes idades e profissões quebram a rotina do almoço e caem nas águas da raia olímpica da Universidade de São Paulo. Em meio ao horizonte urbano desenhado pelos arranha-céus da Marginal Pinheiros, elas se dedicam à prática da canoa havaiana.

A empresária Luciane Nociti, 40 anos, é uma delas. Três anos atrás, bastou uma aula experimental para que se apaixonasse pela canoagem. Hoje, não imagina a vida sem o esporte. Luciane é uma das alunas de Sérgio Pietro, 36, que, além de atleta profissional, é o treinador da modalidade na USP. “Dos cerca de 40 alunos que tenho, 60% são mulheres”, diz. Diferente de outros esportes, ele acredita que a canoa havaiana é “mais igualitária”. “Não existem predileções de gênero ou idade.”

Ana Paula Wehba, 46 anos, diretora de projetos especiais na Trip, também treina sob os cuidados de Sérgio. Ela, que sempre teve o costume de praticar esporte, diz que foi na canoa havaiana que se encontrou. Começou há quatro anos por insistência do marido, que já remava havia cinco. “A canoa me trouxe força e disposição, mas, principalmente, me deu autoconfiança”, diz. Disciplina também foi um ganho, essencial para conseguir encaixar os treinos no meio do dia. “Chego no trabalho às 8 horas, saio às 12 horas pra aula. Me troco no carro, treino até as 14 horas e volto ao trabalho, onde fico até a noite”, explica Ana, que viu seu corpo mudar com o exercício. “Eu era mais magra, mas não era saudável. Agora tenho peitão, costão e bração.”

Com Luciane aconteceu o mesmo. “Braço, trapézio, tríceps, tudo ficou maior”, conta. Em junho deste ano, as duas correram juntas, pela equipe Matero Master, a Liberty Challenge, prova de 24 quilômetros que acontece anualmente em Nova York. Nela, 80 equipes, entre femininas, masculinas e mistas, colocaram suas canoas para circular pelo East River e o Hudson. A equipe de Ana Paula e Luciane chegou em primeiro lugar em sua categoria, a Master feminina. O próximo passo das amigas é participar do Campeonato Sul-Americano em novembro, em Santos (SP).

A professora de educação física Cintya Gonçalves, 
36 anos, que rema na USP desde 2005, também competiu na Liberty Challenge, mas na categoria Open. Sua equipe ficou em terceiro lugar. “Aos fins de semana, vamos para a represa Guarapiranga, mas quando precisamos treinar no mar, vamos pra Ilhabela e Santos”, conta.

Em cada embarcação vão seis mulheres a bordo – a canoa havaiana OC-6 tem 14 metros de comprimento, 50 centímetros de largura e pesa 180 quilos. Acima de tudo, os treinos são essenciais, pois o trabalho em equipe precisa ser sincronizado e exige, inclusive, meditação. Para isso, o balanço da água, o som do vento e a paisagem facilitam a tarefa. Sem falar na filosofia que embasa o esporte.

A canoa havaiana, explica o treinador Sérgio, é um exercício milenar entre os polinésios, que começaram a construir as embarcações de bambu para colonizar ilhas. Movidas a remo, enfrentavam o mar turbulento e eram consideradas sagradas. Hoje os barcos são feitos de fibra de vidro. Manter as tradições, no entanto, faz parte do esporte, e a palavra aloha diz muito sobre a prática. “Significa respeito e afeto mútuo. Aloha está na essência dos relacionamentos, onde cada indivíduo é de importância fundamental para o coletivo”, explica a arquiteta Isis Chaulon, 45 anos, que rema há uma década.

matérias relacionadas