por Gabriela Sá Pessoa

Abre em São Paulo a exposição Serendipididade, da artista plástica Nina Pandolfo

A exposição Serendipidade promete mostrar ao público a obra de Nina Pandolfo de um jeito surpreendente. Além de seus famosos grafites e pinturas que a consagraram mundo afora, a artista agora traz instalações robóticas. Quem visitar a mostra, em cartaz na Galeria Leme, em São Paulo, até 11 de outubro, encontrará criações interativas, como a que ressignifica um ninho de joão-de-barro de 2 metros de altura; uma bailarina gigante de caixinha de música; e um gato que ronrona ao receber carinho. 

O nome da mostra é uma alusão às coisas descobertas ao acaso – como foi o próprio processo de criação da série em exibição na Galeria Leme. Na entrevista a seguir, Nina conta como trouxe as ideias para Serendipididade à realidade. 

Tpm. Nina, você tem uma carreira sólida no grafite e agora parte para instalações e esculturas. Como foi a criação?
Comecei a produzir esculturas já faz bastante tempo. Desta vez, as obras são robóticas, o que foi uma experiência um pouco diferente pra mim. Primeiro comecei a produzir bonecas de pano, pequenininhas, com fibra. Depois descobri a retina e as peças tridimensionais foram evoluindo, inclusive de tamanho. Foi um pouco resultado de experimentos e pesquisas, acho legal às vezes criar peças pequenas e também acho legal fazê-las enormes. Queria inverter a situação. Com o ninho gigante, quis inverter o olhar. É o joão-de-barro que geralmente entra na nossa casa, desta vez vamos entrar na casa do passarinho e mudar a experiência. Quando a gente é criança, costuma se imaginar pequeninho. Eu sempre me imaginava deitando no colo do meu cato, em vez de ele deitar com o meu. Na exposição, você pode deitar em um gato gigante, com proporções humanas.

Li que você tirou o termo “serendipididade" de um livro. Foi assim mesmo?
Algumas coisas foram meio por acaso – e muita coisa nessa produção descobri meio que por acaso. A serendipididade fala justamente dessas descobertas feitas por acaso e, para você chegar até elas, precisa estar aberto a novas experiências. Tem que estar realmente querendo fazer uma descoberta, descobrir o que tem dentro dela. Descobri esse termo de repente e pensei: “será que tem tradução?”. Quando li, achei que tinha a ver com o meu trabalho. É isso, é uma palavra diferente, bonita.

Você mesma fez a parte da robótica?
Não, foi um trabalho terceirizado. Não acho que o artista precisa dominar todas as técnicas, ele precisa ter um conhecimento vago de como realiza-las e ter ideias. Sei como é o movimento de rodar, sei que para reproduzi-lo preciso de um motor de disco de vitrola, então sei que para fazer minha bailarina rodar preciso disso.

Vai lá: Serendipidade, exposição de Nina Pandolfo. Até 11/10 na Galeria Leme - Av. Valdemar Ferreira, 130, Butantã - São Paulo/SP

matérias relacionadas