por Daniel Balaban
Tpm #85

Imagina perder o emprego justamente em tempos de crise...

Imagina perder o emprego justamente em tempos de crise... A dica é simples: feche a bolsa, a carteira – e esconda o cartão de crédito

 

Que estamos passando por uma grave crise econômica não é novidade para nin­guém. Mas, e se exatamente neste mo­mento o seu emprego for para o espaço? A primeira coisa é tomar cuidado com as despesas. Se você já constituiu um fundo de emergência no passado, muito bem, é hora de usá-lo, mas com muita par­ci­mô­nia. Não mantenha o mesmo padrão de gas­tos que pos­suía en­­quanto estava empre­ga­da, valorize o seu patrimônio.

 

É preciso cortar despesas supérfluas e manter-se con­ser­va­dor com os investimentos. Evite compras de impulso – que apa­re­cem para compensar a perda do emprego. E, se receber uma bo­lada de restitui­ção e não possuir um fundo de emergência, apro­veite e utilize esse recurso para manter os gastos enquanto esti­ver desempregada.

Se tiver um dinheiro guardado, e ainda receber a restituição, considere a possibilidade de investir em cursos ou em uma via­gem para o estudo de línguas. Vá atrás de al­gum diferencial que possa trazer vantagens na hora da seleção por uma nova vaga.

Apertem os cintos, passageiras

Caso não possua um fundo, tampouco vá receber uma res­ti­tui­ção, a hora é de apertar os cintos porque vai entrar um pe­río­do de turbulência. Será preciso muito foco e determinação para sair dessa crise em tempo hábil. Procure não se endividar e, se is­so for inevitável, tenha o dobro de atenção e disciplina nos gastos.
Utilize seus contatos e não deixe de fi­car antenado no que está acontecendo. Leia jornais, revistas, entre na internet. Não se feche em um casulo. Pesquise e entenda sobre a empresa em que pretende trabalhar, mostre claramente por que é a melhor can­di­data à vaga. E, por fim, aproveite essa oportunidade para cons­cientizar-se do quanto é importante manter um fundo de emer­gência, e também controlar melhor as suas finanças. Com isso, estará sempre pronta para uma maré baixa.

Daniel Balaban, 34, economista e está aqui para te ajudar a criar um fundo e fugir da conta negativa. Seus palpites financeiros são tiro e queda nas questões do bolso

matérias relacionadas