Capítulo 12: Entre o pânico e o desejo

por Milly Lacombe

Um ritual do desamor sempre precisa de um extintor por perto. Acompanhe a história de Otávio e Marina, da nossa colunista Milly Lacombe

Perdeu os primeiros capítulos desta história? Leia aqui.

Quarentena, dia 20

– Você vai trabalhar até muito tarde hoje?

– Não sei. Por quê?

– Porque vou fazer um jantar pra gente comer junto, se você topar

– Topo sim

– Tipo sete horas?

– Pode ser um pouco mais tarde? Assim acabo aqui e tomo um banho tranquilo

– Oito horas então?

– Fechado

– Não quer saber o que vou cozinhar?

– Acho que vou ficar com a surpresa

– Indo pra cozinha então. Não entra lá

– Você sabe onde fica o extintor?

– Não, mas tenho certeza que em caso de incêndio você chega nele antes de mim

Dez para as oito Otávio abre a porta da cozinha trazendo duas taças de vinho. Marina já tinha tirado o computador e a papelada de cima da mesa e estava saindo do quarto secando o cabelo com uma toalha. Otávio estende um braço com a taça, ela coloca a toalha no ombro:

– A um jantar tranquilo – ele diz, sugerindo um brinde

– A um jantar tranquilo

– Estamos calibrando nossos brindes ao tédio que o momento traz?

– Como assim?

– Brindando a coisas simples como à paz durante uma refeição e não à saúde ou coisas maiores?

– Talvez não seja uma coisa muito simples ter paz durante uma refeição

– Nunca ou só agora?

– Depende do que a gente chama de paz, eu acho

– Segura esse pensamento aí que eu vou trazer os pratos. Você coloca a toalha na mesa?

– Deixa eu passar e pegar a toalha então antes de você trazer os pratos

– Tá, mas não olha na panela

– Pode deixar. Tô apegada na surpresa

– Pega aqui os guardanapos, por favor

– Me dá. Toalha posta. Pode trazer

– Não espera muita coisa – Otávio coloca os pratos na mesa

– Arroz de brócolis?

– Eu chamo de risotto de vegetais à moda

– Que moda?

– Moda do Tavo quarentenado

– Pegou numa receita?

– Não. Descobri que minha cozinha é intuitiva

– Tô entre o medo e o desejo

– Não estamos todos?

– Talvez

– E?

– …

– E?

– Surpreendentemente bom. Tem cominho?

– Tem um mix de temperos que eu não saberia dizer quais são, mas posso apontar pra eles na cozinha

– Tá bem bom, Otávio. Obrigada

– Tem mais na panela, se quiser

– Estamos celebrando alguma coisa?

– É um pedido de desculpas

– Por não me amar mais?

– Sério, Marina. Não é uma piada, eu tô falando sério

– Ué. Eu também. Acho que todos aqueles que deixam de amar deveriam pedir desculpas de joelhos e com um jantar bem feito e um bom vinho. Tinha que ser ritualizado o desamor, eu acho. Um cerimonial de despedida. Talvez a gente se tornasse pessoas melhores se pensasse assim

– Ou talvez muitos casais não se separassem por preguiça

– Ah, meu amor. Acho que esse já é o motivo número um para casais não se separarem

– Tá, Marina. Ok. Eu tô aqui pedindo desculpas por nunca ter tentado entender o que o aborto significou pra você. Eu parti da ideia de que você queria o aborto então não tinha motivo para eu me preocupar com os efeitos dele

– Eu realmente quis o aborto

– Eu sei. Mas sei agora que eu não tinha o direito de achar que você estava indo ali rapidinho retirar uma mancha indesejada na pele

– Eu aceito a desculpa

– É que você parece sempre tão inabalável…

– Otávio, não fode o pedido de desculpas menos de dez segundos depois de fazer ele. Tá na cara que você não tá habituado a isso

– Tem razão. Desculpa

– Sete anos sem pedir desculpas e hoje abriu a represa do perdão? Um brinde a isso. O que mais tem aí?

– Enquanto fuço e sirvo mais vinho pra gente você pode também dar uma olhada na sua represa, que tal?

– Acho justo. Vamos lá. Eu peço desculpas por ter deixado você no posto de gasolina no meio da estrada

– Caralho! Você realmente fez isso. Eu tinha apagado da minha memória

– Eu não sei como posso ter esquecido que você tava comigo no carro. O que eu achei? Que eu estava indo para Petrópolis sozinha numa sexta à noite?

– Ah, Marina, pelo amor de Deus. Você saiu da nossa casa falando no telefone com a Joana um assunto que parecia ser muito sério e nunca mais desligou. A surpresa é que alguma hora você tenha lembrado que me esqueceu e tenha voltado pra me pegar

– Você estava sentado na porta da lojinha tomando um sorvete, nunca me esqueço da cena. Você achou que eu ia voltar?

– Eu torci por isso, mas o que eu ia fazer? Meu celular estava no carro e a gente tava no meio da serra. Só me restava esperar

– Que absurdo eu ter feito isso. Me perdoa, Otávio

– Eu já tinha te perdoado e você já tinha me pedido desculpas. Precisa ser desculpa nova, não vale reciclar desculpas

– Tá. Pera então

– Não pode ser assim tão difícil, Marina

– Peço desculpas por não ter conversado mais profundamente com você sobre os motivos de não querer filhos

– Aceito, mas eu ainda queria saber sobre esses motivos profundos

– Acho que eu já deixei a maior parte deles sair há dois dias

– Foi durante uma briga e acho que a gente devia tentar falar sobre isso sem brigar

– Mas não hoje porque minha cabeça tá fritando

– Trabalho?

– Trabalho

– O que tá pegando?

– O que não tá pegando, né? Tá tudo pegando. Cliente desistindo, cliente sem pagar, cliente dizendo que vai fechar as portas…

– Mas imagino que todo mundo no mundo esteja passando por isso

– Quase todos, sim. Mas não me adianta olhar em volta se a gente tem uma empresa com 18 funcionários que dependem desse emprego

– E agora?

– A gente não sabe. Tem aí uns sistemas de empréstimo rolando, a gente tem algum caixa, mas é difícil saber o que fazer quando a gente não faz a menor ideia de como será o mundo depois da quarentena

– Mas alguma vez a gente fez alguma ideia de como seria o mundo?

– Alguma a gente fazia. A gente sabia que num sexta-feira, por exemplo, o Ananda abriria as portas com 70% das mesas já reservadas. A gente sabia que num bom mês o restaurante teria um lucro de tantos porcento, e que num mês ruim ainda assim haveria lucro. Os sócios sabiam que retirariam algum dinheiro, os cozinheiros e garçons sabiam que teriam um emprego… E isso é só um dos clientes

– Mas no caso do Ananda, um restaurante tão premiado há tantos anos, os sócios têm grana para se manter, não?

– Para se manter, sem dúvida. Para manter o negócio fechado por um tempo também. Mas quem disse que eles querem? Eles estão conversando sobre isso, e a gente precisa esperar a decisão

– Precisa esperar? Vocês não podem propor nada?

– O que, Otávio? Propor o quê?

– Ah, eu sei lá, não entendo um caralho desse seu negócio. Mas eu tô achando que a gente tá sem imaginação. Todas as coisas parecem girar entre salvar vidas ou salvar a economia, como se essas fossem as duas alternativas únicas

– E não são?

– Não podem ser. Não podem, Marina. Olha onde a gente se meteu. Olha a situação. Então a economia é uma coisa fixa? Leis matemáticas universais? Caralho! Não é. Nunca foi. Economia é uma teoria. É uma filosofia. É um debate. É um modo de organizar relações de trabalho, relações que envolvem seres humanos e o planeta. São pessoas. Vidas. Não é sobre números. Não é sobre escolher vidas descartáveis e vidas essenciais, quem pode morrer e quem pode viver. Eu acho tudo uma maluquice. Eu começo a hiperventilar só de pensar

– Eu sei o que você pensa sobre isso, Otávio. Mas a Joana e eu não vamos reinventar o sistema

– Olha, às vezes bastam duas malucas corajosas para inspirar outros malucos corajosos e fazer nascer uma onda.

– E eu sou uma das malucas?

– Pera, não tô te chamando de maluca no sentido machista do termo. Não me leva pra esse lugar

– Eu não ia te levar para esse lugar, Otávio. E faz tempo eu ressignifiquei a maluca em mim. Sob muitos aspectos eu sou a maluca e me orgulho disso, então tá tudo certo. Mas voltando ao começo, minha cabeça tá fritando e hoje eu não vou mesmo conseguir falar mais sobre o aborto

– Quer mais?

– Não, brigada. Mas estava mesmo muito bom

– Sobremesa?

– Opa! Temos essa opção?

– Eu pensei em flambar umas bananas

– Otávio, pelo amor de Deus. Você se desapegou da vida?

– Se eu flambar e você ficar com o extintor na mão bem perto de mim ainda assim tem problema?

– Eu não sei dizer, Otávio. De novo: entre o pânico e o desejo

– Vamos tentar?

– Ai, caralho. Vamos. Vamos tentar.

Esta história continua. Acompanhe os próximos capítulos na Tpm.

Créditos

Imagem principal: Manhã Ortiz

fechar

Entre em contato
com a trip


fale conosco

PABX +55 (11) 2244-8747
Caixa Postal: 11485-5
CEP: 05414-012
São Paulo - SP

atendimento ao assinante

SP (11) 3512-9465
BH (31) 4063-8433
RJ (21) 4063-8482
das 09h às 18h
assinaturas@trip.com.br
 CENTRAL DO ASSINANTE 

ou se você preferir:

e-mail inválido!
mensagem enviada!
fechar

Assine


E leve ousadia, moda, irreverência,
comportamento, inspiração.
Tudo isso com coerência, profundidade
e um olhar que só a Trip tem.

trip

Desconto de 25%

11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Conceito

assinar

11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Trip Girl

assinar

trip

Grátis um super relógio

22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Conceito

assinar

22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Trip Girl

assinar
fechar