por Karla Monteiro
Tpm #140

A atriz de 18 anos aprende o que é amadurecer no mundo nem sempre doce das celebridades

Bruna Marquezine convive desde cedo com holofotes, que vieram com a carreira de modelo e atriz mirim. Mas é agora, aos 18 anos, na condição de estrela da novela das 9 e de ex-namorada do craque Neymar, que ela aprende o que é amadurecer no mundo nem sempre doce das celebridades. Nada que a tire do rumo que traçou para si: ir MUITO longe.

“Sonho grande. Tão grande que tenho vergonha de falar. As pes­soas iam dizer: ‘Tadinha, é retardada, se pensa que vai chegar lá’. Mas tracei a minha reta e vou chegar lá. E, se der, vou além do lá. Não quero que me parem. O que é importante? Realizar o meu sonho ou ficar sofrendo por causa de coluninha da internet?”

Ela diz isso entre uma pincelada de blush e outra de batom. Bruna Marquezine é assim: ora moça, ora menina, ora mulher. Aos 18 anos, é bem mais mulher do que se espera dela. Teve que amadurecer, na marra, no açoite das línguas venenosas – notas dizendo que saiu com fulano, que deu chilique no set, que trata mal os fãs. “Não sabia lidar com a maldade. Cheguei a questionar: será que é isso que quero para mim?”

Metida num vestido longo florido, cercada por pincéis de maquiagem e secadores de cabelo, Bruna está animada, faceira, espevitada, com o rostinho de anjo que Deus lhe deu ainda fresco, como se tivesse acabado de sair da cama. Ela havia acordado às 6 da manhã e passado o dia na labuta, gravando Em família, novo folhetim de Manoel Carlos, em que encarnou Helena na primeira fase e agora vive Luiza, um dos personagens principais da trama das 9. 
Já passa das 9 da noite e as benesses dos 18 anos saltam de cada covinha, cada sorriso, cada curva do seu 1,70 metro. Nenhum sinal de cansaço. Bruna fala pelos cotovelos. O assunto que mais a inflama é o seu protagonismo nas revistas de celebridade. “Quando dou entrevista falo o que penso. Só que aí você vai ler e depara com uma imagem distorcida. Entendi que não tenho controle do que vão inventar. Só tenho controle do que eu vou expor da minha vida.” 

A brincadeira começou a ficar séria em 2012. Naquele ano, ela apareceu “mulher feita” pela primeira vez, no papel da sexy Lurdinha de Salve Jorge, novela de Glória Perez, depois de uma série de papéis infantis de sucesso. Ao mesmo tempo, virou a musa, a namorada, a gata do Neymar, a celebridade máxima. Exposta no centro da vitrine, Bruna levou pedradas. “Isso não acontecia antes. Não existe interesse na vida pessoal de uma criança. Mas aí, quando eu cresci e o público passou a me enxergar como mulher feita, a coisa mudou. Passei uma fase muito chata”, diz. E continua: “Queríamos ficar juntos e tentamos meios de manter a nossa vida reservada. Não deu. Estou vivendo o meu sonho e o Neymar está vivendo o sonho dele. Ficamos felizes, de verdade, um pelo outro”. Sobre largar tudo e correr atrás do amor pelos campos mundo afora, Bruna nem quer ouvir falar: “Largar tudo nunca foi uma possibilidade. Muitos amigos citam Freud e tal. Meu manual é a Bíblia. Sou uma pessoa de fé, cristã, frequento igrejas evangélicas. Meu caminho está traçado. Não tenho que abrir mão para estar com alguém”.

 

“É um mundo complicado esse de televisão. Você tem tudo o que quiser. Corre o risco de se achar Deus na Terra”

 

O caminho de Bruna começou cedo. Ela nasceu Bruna Reis Maia [Marquezine é uma homenagem à avó materna, que tinha esse sobrenome], em 4 de agosto de 1995, no município de Duque de Caixas, na Baixada Fluminense, filha de um marceneiro e de uma dona de casa. Aos 5 anos, a seu pedido (faz questão de frisar), a mãe a colocou numa escola de modelos. No fim do curso, entrou para o casting mirim de uma agência. Os comerciais logo surgiram – o primeiro foi para a polícia militar de São Paulo. Um ano e muitos comerciais depois, foi parar no curso de atores da diretora de TV Cininha de Paula. De lá foi para o Gente inocente, programa da TV Globo que apresentava talentos infantis. Aos 8 anos, por um golpe da sorte e outro do talento, Manoel Carlos a pescou para Mulheres apaixonadas. A personagem Salete catapultou sua carreira. Quem assistiu não esquece a menininha linda, intensa, que comoveu os telespectadores. Daí em diante, Bruna pegou uma reta, como ela gosta de dizer – e diz em vários parágrafos emendados. Sem tomar fôlego.

“Acho que era mais extrovertida quando pequena do que agora. Adorava câmera, adorava que tirassem fotos de mim, gostava de ficar com os adultos. Um dia fui ver um desfile da minha prima na escolinha de modelos do bairro. No final subi na passarela, fiz a minha gracinha de sempre, a família inteira riu. Falei para a minha mãe que queria desfilar e fiquei insistindo naquilo até ela ceder. Não perdi a minha infância, muito pelo contrário. Todo mundo acha que criança que trabalha é imposição. Mas partiu de mim. Era uma coisa que eu queria, não a minha mãe. Ela me levava para me satisfazer. Amava fazer novelas, ver as pessoas comentando depois. Eu me lembro da minha felicidade depois de gravar.

Na escola, sempre me portei como a Bruna Reis Maia. Nunca tive tratamento especial. Óbvio que tem pessoas que passam a te enxergar com outro olhar. Mas meus amigos sempre me trataram como a Bru. Depois que terminei o segundo grau, queria fazer faculdade de cinema. Mas não era possível fazer novela e faculdade. Não gosto de fazer nada pela metade.” 

Ela continuaria falando, mas pede para desligar o gravador. É a hora da novela e ela corre para a sala para assistir às suas cenas no capítulo daquela noite. Com as pernas cruzadas, coluna bem ereta, se aboleta no tapete diante da TV e nem pisca, apesar da plateia que a assiste duplamente, na tela e em frente à tela. À sua volta, mais de dez pessoas, a equipe que a aguarda para a sessão de fotos. A intensidade da cena com a colega Julia Lemmertz, que vive sua mãe na trama, a faz chorar. Mas, quando Luiza sai de cena, Bruna se levanta e volta para o secador – e para a entrevista. Faz cara de quem gostou, mas podia ter sido melhor. “Eu tenho que me ver. Sou muito crítica com todas as minhas cenas. Tem coisas que funcionaram e outras que preciso melhorar. Preciso aprender muito.” 

Mochileira

Depois da tempestade, pelo jeito, vem mesmo a bonança. Superadas as fases namorada e ex-namorada do Neymar, Bruna ganhou de presente da vida “a novela do Maneco”. O convite veio num telefonema inesperado. Ela chegou em casa e a mãe informou que Manoel Carlos havia ligado e ligaria de novo. Bruna não desgrudou mais do telefone até que ele tocou. Do outro lado da linha, o autor soltou: “Acho que vamos trabalhar muito de novo”. Enquanto ouvia a voz do seu mentor, que deu vida à Salete deMulheres apaixonadas, Bruna corria em volta da mesa. “Só fui ter dimensão do que o Maneco fez por mim agora. Apostou, deu espaço para uma menina de 8 anos. Queria muito trabalhar com ele de novo. Gosto da maneira como trata as coisas. Não é uma novela de vilões e mocinhos. São dramas cotidianos”, ela comenta. “Foi muito doido receber aquele telefonema. Eu parecia uma louca correndo pela sala. É incrível você admirar uma pessoa e ela te dizer que quer você.”

Bruna gosta de cantar e tocar violão. O programa favorito, diz, é reunir os amigos músicos e soltar a voz. Não faz regime, come feito “formiga”. Até tenta dar uma “controladinha”, mas nem sempre consegue. Acredita que depois dos... 20 anos vai ter que entrar na linha, pois aí “tudo começa a mudar”. Também tem preguiça de academia. Como boa cinderela, saiu da periferia e floresceu na Barra da Tijuca. O sonho agora é comprar uma casa bem grande para a mãe, pouco acostumada à vida de apartamento. Depois que gravar o último capítulo de Em família, pretende voar. Ouviu do diretor Jayme Monjardim histórias do tempo de mochileiro, viajando a Europa, e decidiu que também vai pegar a estrada, pela primeira vez na vida. O primeiro porto será Los Angeles. Bruna não confessa, mas o destino soa como parte do grande sonho, o sonho que não quis revelar. “É um mundo complicado esse de televisão. Você tem tudo o que quiser. Corre o risco de se achar Deus na Terra. A família é o mais importante, te traz para o chão. Tenho fé em Deus. Acredito que tudo pode acontecer por mais impossível que pareça”.

Styling Zuel Ferreira e Juliano Pessoa Beleza Rafael Senna (mac cosmetics) Produção Moda Patricia Grossi Assistente produção moda Luiz Bonaffoli
Assistentes de foto André Fontes, Rodrigo Graf e Alessandro Fidalgo Tratamento de Imagem Régis Panato/ Photouch
Bruna usa Macacão jeans Eva na Multifato assessoria Colar Cohn jóias Blusa de malha Eva

Créditos

Imagem principal: Murillo Meirelles

matérias relacionadas