por Nathalia Zaccaro
Tpm #172

Número um do mundo no kitesurf, a brasileira Bruna Kajiya traz para a praia de cumbuco, no Ceará, seu projeto Diamond Chicas

Aos 16 anos, Bruna Kajiya desencanou do vestibular e foi passar um ano em Maui, no Havaí. “Era o melhor pico de kitesurf do mundo na época. Ver de perto todos aqueles riders inovadores foi muito inspirador pra mim. Voltei para Ilhabela, onde morava, e comecei a competir em seguida”, conta. Hoje, aos 30, ela é a número 1 do mundo no esporte. E pela segunda vez. “Minha principal motivação sempre foi deixar uma marca no kite feminino, provar que podemos ser radicais e fazer as manobras que acham que não podemos. Vencer competições é um jeito importante de chamar a atenção para as mulheres desse esporte”, diz. 

LEIA TAMBÉM: Maya Gabeira: a melhor surfista de ondas grandes do mundo viu a morte de perto e está pronta para outra

Circulando pelos bastidores dos campeonatos, Bruna percebeu que o clima entre as minas não era tão amigável quanto poderia. “Sinto falta de uma comunidade feminina que se apoie mais, acho fundamental que a gente se sinta acolhida entre mulheres”, conta. Esse sentimento inspirou o projeto Diamond Chicas, em que Bruna reúne garotas interessadas em kitesurf para trocar ideia, fazer ioga e, claro, cair na água. A primeira edição rolou em julho, nos Estados Unidos. “Todos os exercícios e atividades são em dupla ou em grupo, exatamente porque quero estimular o lance de apoiarmos umas as outras, lembrar que podemos confiar em que está do lado”, conta.

Bruna veio ao Brasil em setembro para participar do Red Bull Rally dos Ventos, nos Lençóis Maranhenses, e promete para novembro uma edição do Diamond Chicas na praia de Cumbuco, no Ceará.

Créditos

Imagem principal: Mauricio Ramos / Red Bull Content Pool / Divulgação

matérias relacionadas