Tpm

por Adriana Victorelli

Depois da casa decorada, fica a dúvida: como dar as boas vindas?

Quem nunca ficou em dúvida na hora de escolher um capacho para porta de casa/apartamento? A função dele é clara: ajudar a barrar as indesejáveis sujeiras que arrastamos desde a rua para dentro de casa. Culturalmente, alguns países como o Japão resolvem este problema deixando os sapatos na entrada da casa. Já em países como o Canadá, que sofrem com neve, lama e frio constantes, costuma-se instalar um móvel onde proprietários e visitantes deixam seus sapatos/bolsas/casacos/capas de chuva/guarda-chuvas: o "mud room" (quarto da lama), como é chamado, que evita que o aguaceiro e a sujeira se espalhem casa adentro.

No Brasil, o mais usado é o velho capacho, sinônimo de bajulador, e que é pisoteado diariamente pelos proprietários e suas visitas antes da entrada. Sempre digo que o capacho acaba funcionando como uma propaganda da imagem prévia que se pode fazer de um proprietário ou vizinho desconhecido em um prédio. Dá pra imaginar quem é aquele vizinho que você nunca encontra mas cuja porta estampa um moderno exemplar ou uma senhora de idade ao ver o modelo com girassóis estampados e um pano de chão por cima, ou ainda dá pra desconfiar que se trata de um apartamento vago quando não há nada na porta.

Em relação a materiais, há possibilidades como a borracha, mais durável e resistente, que pode ficar ao tempo recebendo chuva e sol direto e possibilita impressões e desenhos duráveis. Há até mesmo gráficas que podem criar alguns desenhos ao gosto do freguês. Os de piaçava e sisal são mais sensíveis às variações climáticas e tendem a desfiar em curto espaço de tempo; há no mercado uma diversidade de tramas e impressões/desenhos que variam do moderno ao clássico e neutro, inclusive facilmente encontraremos suportes em ferro para distanciá-los do chão e evitar que fique demarcado com sujeira o local.

Separamos algumas sugestões, basta escolher e dar as boas vindas. Veja na galeria acima.

(*) Adriana Victorelli é arquiteta da Neo Arq. Twitter: @neo_arq

matérias relacionadas