por Ronaldo Lemos

Sejamos como a água: fortes, persistentes e flexíveis

Está achando que o mundo mudou e seus valores e sua visão sobre ele estão em baixa? Está desanimado e sem energia para encarar desafios que parecem grandes demais para lidar sozinho? Então tenho uma dica: que tal voltarmos à sabedoria milenar que precede todos os conflitos que estamos vivendo, mesmo os mais difíceis?

Um ótimo caminho para começar é ler o Huainanzi, livro chinês finalizado em 
139 a.C., época em que o jovem Wu, de apenas 15 anos, estava prestes a se tornar imperador. O Huainanzi era justamente um presente para o monarca, uma espécie de manual de conduta. Para cumprir essa missão, a obra reuniu todo o conhecimento disponível na época, incluindo a sabedoria do taoísmo e do confucionismo. A ideia era que Wu pudesse consultá-lo na hora de tomar decisões difíceis, tanto na vida como no governo.

LEIA TAMBÉM: Todas as colunas de Ronaldo Lemos

A beleza do Huainanzi está na ideia de usar a figura de uma árvore como elemento central dos ensinamentos. O tronco são os fundamentos: você precisa cuidar dele, tanto do ponto de vista do corpo quanto do espírito, assim como precisa fortalecer a mente. O livro usa a metáfora da água, um elemento que não tem forma própria, mas é capaz de assumir aquela do lugar em que esteja. Essa ideia viralizou bastante no YouTube por conta de um vídeo em que Bruce Lee fala das artes marciais a partir do conceito Be Like Water (seja como a água). Agora sabemos de onde ele tirou essa comparação: do taoísmo, mesma inspiração da milenar obra chinesa. Ter a mente tranquila é um dos fundamentos necessários para fortalecer o tronco, sem esquecer que dele brotam também outros galhos, que representam as habilidades que adquirimos ao longo da vida.

A educação, o aprendizado musical, o dom de falar em público, a arte da política ou, no mundo de hoje, saber programar um computador, por exemplo, são talentos que refletem os ensinamentos do confucionismo. O Huainanzi, porém, ensina que todos eles vêm depois do tronco. De nada adianta investir nos galhos se a base em que estão presos não é sólida. Eis um ensinamento importante: não permitir a desconexão entre o tronco e os galhos.

Para momentos difíceis, como o nosso, há outra metáfora importante: a flexibilidade. O compêndio lembra a diferença entre a língua e os dentes. A língua é flexível, móvel e, por não ser rígida, não se desgasta; já os dentes, duros, fortes e fixos, são os primeiros a se desgastar – é comum chegarmos ao fim da vida sem dentes, mas muito incomum chegarmos sem a língua. Aqui está um ensinamento que Bruce Lee teria gostado: seja como a língua.

Alguém pode perguntar: mas e todo esse ensinamento, funcionou na prática? Wu teve sucesso em seu governo? A resposta é sim. O jovem imperador foi um dos mais longevos, seu período de governo está marcado na história como um dos mais prósperos daquele período e, até hoje, milênios depois, é lembrado como alguém que governou com sabedoria e virtude, características fundamentais a qualquer líder.

matérias relacionadas