por Redação
Trip #278

Selecionamos as imagens, ideias, reportagens e personagens que refletem a nossa visão sobre despendimento. Longe do horror da miséria e o mais próximo da generosidade

Neste ano, em que celebramos o 32º aniversário da Trip, decidimos selecionar imagens, ideias, reportagens e personagens que, ao longo dessas décadas, traduzem com graça nossos temas de interesse e nos ajudam a clarear o olhar da revista para o mundo.

São 12 os pilares que fundamentam nosso projeto editorial: Corpo, Alimentação, Trabalho, Sono, Teto, Saber, Liberdade, Biosfera, Conexão, Diversidade, Acolhimento e Desprendimento. Foi um mergulho prazeroso e profundo em nossa história.

Todo este conteúdo foi acrescido de informações e novas entrevistas com personagens que protagonizaram passagens importantes da trajetória da Trip. Seguimos sempre em frente.

2012

#210 | tema: anonimato

Na moita

Texto Paulo Lima | Fotos Nino Andrés

Ele conheceu de perto “o máximo do que a sociedade chama de glamour”. Herdeiro do grupo Pão de Açúcar, piloto de Fórmula 1, namorado de modelos, amigo de príncipes, personagem fácil das colunas sociais. Há dez anos [em 2002], entretanto, Pedro Paulo Diniz trocou tudo isso pela meditação, pelo anonimato, pela vida em família em uma fazenda no interior do estado de São Paulo e pelo que promete ser a maior produção de alimentos orgânicos do Brasil. E aceitou o convite da Trip para romper o silêncio

Trip. Você vivia uma certa duplicidade. Descobrindo toda essa simplicidade de um lado, mas andando de avião particular. Não dava uma confusão?

Pedro Paulo Diniz. Trabalhei bastante isso na minha cabeça. O chefe lá de cima me deu isso. Eu ganhei de nascer nessa família, com todos os prós e contras. Já tive essas encanações, mas quando percebi que o Pedro podia e tinha que ser o Pedro em qualquer lugar, liguei o foda-se. Ando com segurança, sou acionista do Pão de Açúcar, são partes da minha vida. Fazer ioga de manhã e depois pegar o avião particular pro Caribe era a minha realidade, não posso negar.

Como você definiria o seu projeto? Desde o começo vi que tinha uma carência de produção orgânica estruturada no Brasil. A ideia é estruturar, ser um produtor em maior escala, diversificado. A gente produz leite, ovos, frutas orgânicas, e pra isso precisa ter outros insumos, milho, soja eventualmente para dar de ração. Transformar toda a propriedade num organismo que se autoalimente. Além disso, criamos um núcleo de processamento desses alimentos. Processa o leite, vende como queijo, iogurte.

E como você se imagina com 60 anos? Me imagino aqui. A vida fora de grandes centros faz muito sentido pra nós, a gente não sente falta. Talvez de um cinema [risos]. Mas pesando os prós e contras, um cinema só pesa muito pouco.

 — 

E agora?

A Fazenda da Toca segue colhendo frutos. Há cerca de dois anos, passou por um realinhamento estratégico: a empresa interrompeu sua linha de leite e laticínios (“uma cadeia supercomplexa”, explica Pedro) e de sucos (hoje só produzem frutas) para apostar suas fichas em ovos orgânicos. Deu certo: a produção triplicou (a Toca hoje é líder de mercado no segmento de ovos orgânicos) e a saúde financeira cresceu, conta o empresário. Pedro criou ainda uma segunda empresa, a Rizoma, de produção agrícola regenerativa. “Se não atuarmos para recuperar o planeta, o futuro não será muito bonito”, diz ele.

Após sua separação, o empresário voltou a morar em São Paulo. “Foi um período intenso, de bastante aprendizado”, diz, sobre os anos no campo. “Morava dentro do meu negócio, o que me gerou uma conexão com a natureza, de entender seus ciclos, que levo para a vida.” 

2013

#227 | tema: solidão

Viagem pro interior

Depoimentos a Lia Hama, Felipe Maia e Camila Alam

Um editor de livros, um navegador, uma guardiã de reserva marinha e uma big rider pensam sobre como passar muito tempo sozinho pode, sim, trazer felicidade. “Morar só não foi uma escolha deliberada, foi o destino misturado ao meu temperamento. Não me ocorre uma segunda opção para um homem que não constituiu família, tampouco busca companhia”, define Charles Cosac, presidente da editora Cosac Naify, em São Paulo. O navegador Amyr Klink se lança sozinho em travessias que duram meses só na companhia do mar e do barco. “O navegador solitário não dispõe de muito tempo para ficar filosofando. Ele se envolve tecnicamente com a empreitada. Ao fim, a sensação é magnífica”, descreve. Maurizélia de Brito Silva trabalha na reserva biológica do Atol das Rocas, uma área oceânica protegida a 148 quilômetros do arquipélago de Fernando de Noronha (PE), e passa quase metade do ano entre os bichos, sem fonte de água potável nem banheiro e debaixo de alta insolação. “O maior desafio é o de trabalhar as particularidades emocionais. Cabe a cada um se policiar e aprender a peneirar o que realmente é importante. Mas essa é a minha vida e não saberia viver diferente”, conta. Outra mulher que passa uma parcela imensa de seu tempo em contato com a natureza é a big rider Maya Gabeira. “O surf é um esporte individual, que nos faz passar horas no mar. Sinto uma solidão devido ao pequeno número de surfistas mulheres que pegam ondas grandes.”

 — 

E agora?

Charles continua solteirão, mas está de ocupação nova. A Cosac Naify fechou as portas em 2015 e, dois anos depois, ele assumiu a direção da biblioteca Mário de Andrade, em São Paulo. Amyr Klink transmite as lições que aprendeu no mar em palestras pelo Brasil. Maurizélia segue no Atol das Rocas e Maya Gabeira se tornou a primeira surfista mulher a gravar seu nome no livro dos recordes, após encarar a onda de mais de 20 metros de altura em Nazaré, Portugal, em janeiro deste ano.

matérias relacionadas