por Mariana Perroni

Como eu trabalho em UTI, já estou meio acostumada a dar más notícias. Então vamos lá...

Como eu trabalho em UTI, infelizmente já estou meio acostumada a dar más notícias. Então, já que estamos na época em que tudo é veneno, faz mal e há uma ode à vida saudável (mesmo que ainda não se saiba exatamente o que isso é), vamos lá: é bem possível que você esteja infectado com o vírus HPV, a coca-cola das DSTs . 

Houve um episódio de Girls (aquela série da HBO), em que a Lena Dunham disse uma vez que "todas as mulheres aventureiras têm." No entanto, parece que não são só elas não. Os cuidadosos, tímidos e anti-sociais também. E tem mais: não importa se são homens ou mulheres.

Um fresquíssimo estudo do NYU Medical Center demonstrou que quase 70% dos adultos americanos e saudáveis estão infectados com o HPV. 

A amostra da pesquisa consistia em pessoas (sim, homens E mulheres) de 18 a 80 anos (porque é bom deixar claro que pessoas de QUALQUER idade podem contraí-lo - alguém lembra do Michael Douglas?-). O que se verificou foi que 61% dos indivíduos tinham HPV na pele, 30% na boca e 17 % no intestino. Apenas.

E agora? Se quase todo mundo vai, inevitavelmente, ter HPV em algum momento da vida, há necessidade de entrar em pânico e sair desesperada atrás de cintos de castidade?

Provavelmente não. A verdade é que, apesar de existir cerca de 100 cepas diferentes dessa porcaria, a maioria das pessoas vai passar a vida sem descobrir que tem/teve HPV ou desenvolver qualquer sintoma. Isso porque cerca de 80% dessas infecções são combatidas pelo sistema imunológico, como se fossem um resfriado comum.

Mas os 20% restantes (aquelas causadas pelas cepas "oncogênicas") são os que podem causar o aparecimento de verrugas genitais ou facilitar a ocorrência de câncer de colo de útero, vagina, ânus e garganta.

Ainda bem que são exatamente as infecções causadas por essas cepas que podem ser prevenidas pela vacinação de homens E mulheres. Sim, aquela que foi viabilizada pelo governo no início do ano.

Atualmente, a recomendação formal (e, consequentemente, coberta gratuitamente pelo SUS) é que a vacina seja aplicada apenas para pessoas de até 26 anos de idade. No entanto, já há diversos estudos demonstrando que tomar a vacina depois dessa idade, apesar de não prevenir a infecção, pode tornar seu sistema imune mais "preparado" para combatê-la.

É importante dizer que não sou ginecologista. Mas acho que vale pensar no assunto. Afinal, o amor vem e vai... mas um HPV do mal, ah esse pode acabar sendo companheiro para sempre. 

**texto adaptado do nerve.com com pitacos e correções minhas.
* Mariana Perroni não é ginecologista. Mas é médica clínica e intensivista. Atua em consultório e UTIs de São Paulo/SP.

matérias relacionadas