por Patricia Koslinski
Tpm #108

Desde 2003, a jornalista Patricia Koslinski tenta engravidar

Desde 2003, a jornalista Patricia Koslinski tenta engravidar. Como poucas mulheres, ela assume a inveja da barriga e conta como a gata Jojô despertou a possibilidade de adoção

 

 

E lá se vão oito anos. Muito tempo para quem se considera preparada, “pronta para ser mãe”. Quando o tal relógio biológico deu os primeiros sinais, eu tinha 27 anos e estava numa relação estável, do lado do cara que amava, o tal “pai dos meus filhos”. Tudo estava perfeito, tudo nos levava a, sim, querer aumentar a família.

Incrível, né, como nossa vida acaba sendo guiada por clichês... Mas, até aí, tudo bem. O difícil é lidar com a frustração de não realizá-los.

Desde 2003, eu e meu marido, Dani, tentamos engravidar. Tudo começou meio ao acaso, com uma gravidez tubária não programada que me trouxe dores horríveis, uma experiência alucinógena com morfina nos corredores do hospital onde me internei e um corte na barriga que não me deixa esquecer daquele bebê que não veio. Dali em diante, o alarme do nosso relógio biológico começou a tocar no módulo soneca: a gente até tentava desligar, mas, 5 minutos depois, lá estava ele de novo gritando, nos acordando para um desejo que acabaria se tornando motivo de nossas vidas pelos próximos oito anos.

Contando assim, parece até que a vida não andou. Mas andou, e muito. Nesse meio-tempo, cresci profissionalmente, fiz curso de moda fora do Brasil, encarei muitas coberturas de Fashion Rio e São Paulo Fashion Week, me consolidei como repórter e virei apresentadora. Na carreira, tudo ia às mil maravilhas, mas, na vida pessoal, não tinha tratamento, posição, tabela, remédio, simpatia... Nada funcionava.

Conto isso aqui porque, em oito anos, vivi tudo o que mulheres à espera de um filho vivem: frustração, solidão, questionamentos, medo, angústia. Sem falar em outros sentimentos inevitáveis e que me faziam sentir vergonha, como a inveja das amigas que engravidavam e dos parentes que conseguiam de primeira, segunda ou terceira tentativas. “Como assim, tão rápido?”, me pegava pensando e, imediatamente depois, me recriminando.

Poucas mulheres admitem a inveja da barriga e eu demorei a aceitá-la. Mas foi ela e esse sofrimento solitário, do qual nem meu companheiro dava conta, que me fizeram começar a falar dessa experiência. Sou jornalista e acredito que a informação é o caminho. Quanto mais esclarecidos estamos, mais preparados ficamos. E, quando o assunto são os tratamentos para engravidar, acontece um paradoxo: há muita informação na internet, nos consultórios e em livros, mas as pessoas pouco falam entre si. Ninguém revela que está fazendo uma inseminação artificial ou fertilização in vitro. E muita gente reluta em contar mesmo depois.

Silêncio
Há um pacto de silêncio que, depois de oito anos, garanto que não ajuda ninguém. Sofremos sozinhas quando, quem sabe ao nosso lado, tem alguém enfrentando algo parecido, tomando as mesmas injeções e lidando com as mesmas frustrações. E assim deixa de acontecer uma saudável troca de informações que poderia nos ajudar a nos sentir menos E.T.s. Porque são tantos exames, ultrassonografias, que ter um bebê se torna quase filme de ficção científica!

Falar sobre isso se tornou um objetivo. Mas o mais legal é que falar me ajudou também a colocar tudo sob nova perspectiva. Conforme me ouvia contando para um amigo, um parente (sim, até deles a gente acaba escondendo os detalhes), ia realizando o quanto aquilo talvez tivesse tomado uma proporção maior do que deveria.

"Nunca fui ligada a animais de estimação, mas a chegada da Jovelina mudou a rotina da casa e fez despertar em mim a certeza de que o amor pode ser, sim, construído"

Pois, depois de oito anos, seis tratamentos e uma penosa cirurgia para mudar a posição do útero e controlar a endometriose que apareceu no caminho – para complicar as coisas – , eu e Dani decidimos parar. Não desistimos de ter um bebê, nem de fazer novos tratamentos, mas simplesmente demos um tempo. Aumentamos o intervalo do nosso despertador para daqui a um ano. Isso foi em outubro de 2010. Decidimos que a tal pressão do relógio biológico não tinha que ser levada, assim, tão a sério. E estamos deixando a vida seguir seu curso por um tempo.

Jojô

Em paralelo, pela primeira vez, começamos a considerar de verdade a adoção como uma alternativa possível num futuro um pouco mais distante, sem pressa, sem pressão. Mas o mais louco é que, apesar de ter parentes adotados, essa possibilidade só veio à tona depois da chegada da Jovelina, nossa gatinha. Em abril do ano passado, pegamos a Jojô num pet shop. Nunca fui ligada a animais de estimação, mas a presença dela mudou a rotina da casa e fez despertar em mim a certeza de que o amor pode ser, sim, construído. Ele não precisa crescer numa barriga. Quando olho pra Jojô, hoje, sinto por ela um amor gigante que por vezes me faz esquecer que ela é só uma gatinha.

Não é fácil abrir o coração dessa forma numa revista. Mas tudo isso faz parte do meu processo de “gestação”, que tem sido bem diferente do da maioria das mulheres, bem diferente do que eu imaginava, mas muito rico e cheio de aprendizados. Disso não posso reclamar.

E é assim, dando agora um passo de cada vez, com Dani e Jovelina ao meu lado, que continuo esperando Yolanda (ou Armando, se for menino).

matérias relacionadas