por Juliana Sampaio
Tpm #116

Dá pra ser mãe e do rock ao mesmo tempo. Isso sem deixar os filhos em casa.

 

Os embalos de sábado à noite viraram embalos de domingo à tarde, e agora você pode levar seu bebê a tiracolo. É a nova moda entre a moçadinha descolada que tem filhos: a balada Child Friendly. Funciona assim: aqueles mesmos inferninhos que você frequentava quando nem se imaginava trocando uma fralda passaram a promover matinês alternativas, onde os pequenos também são aceitos. Enquanto os pais se jogam na pista, ao som do velho e bom indie rock, as crianças se jogam na cama elástica, colocada ali pra elas. Ou pode ser todo mundo junto numa roda de samba, porque existem edições dessas festas em vários lugares e de vários estilos musicais. Dizem que a precursora de todas elas foi a Baby Loves Disco, que começou em 2004 na Filadélfia e agora acontece em várias cidades americanas.

Aqui no Brasil, a Baby Boom, criada pelo DJ (e pai) Fábio Maia, já teve edições na Casa da Matriz, no Rio, e no Centro Cultural Rio Verde, em São Paulo. E o Sambebê completou um ano de sucesso.

Bom, obviamente não é aquele tipo de balada que faz você chegar em casa de manhã, com os ouvidos zumbindo e a roupa toda fedendo a fumaça. Pra ser child friendly, esses eventos reduzem bastante o volume do som, acabam num horário em que a turma da noite ainda nem acordou direito e, claro, proíbem o cigarro. Mas a qualidade da seleção musical é a mesma, o que por si só pode ser um grande alívio pra quem anda às voltas com a Galinha Pintadinha.

Como é a primeira geração a experimentar essa novidade, não se sabe ainda se daí pode surgir o novo John Travolta ou a volta do banquinho e do violão, caso essas crianças acabem com trauma de pista de dança. O certo é que, para quem está com a vida social reduzida à pracinha do bairro e aos aniversários infantis, não deixa de ser um bom pretexto pra desenferrujar. “In many ways, they’ll miss the good old days...”

matérias relacionadas