Tpm / Casa

por Jéssica DeSilva
Tpm #112

Chef de cozinha Morena Leite recheia sua casa de aconchego

A chef Morena Leite passou anos morando em diferentes cidades do mundo. Por isso, quando montou seu apartamento em São Paulo, aconchego foi a palavra de ordem

Para Morena Leite, a casa tem que funcionar como um carregador de baterias. Por isso, deve trazer as referências da vida. Aos 30 anos, casada e mãe de Manuela, 2, a chef se diverte recheando seu novo apartamento. Baiana, a moça deixou Trancoso aos 15 anos para fazer o ensino médio em Cambridge, Inglaterra. Aos 18, decidiu estudar gastronomia e escolheu a Le Cordon Bleu, na França. Na volta ao Brasil, assumiu a cozinha do Capim Santo, restaurante que sua família havia aberto em São Paulo. Tanta mudança fez com que Morena aprendesse a deixar qualquer lugar com sua cara.

Mas fundamental mesmo, ela garante, é o aconchego. Para isso, Morena mescla todas as referências familiares possíveis com bom gosto e cores, muitas cores. O que, aliás, foi motivo de arranca-rabo com o marido, o publicitário Caio Monteiro da Silva, na hora de decorar o novo apartamento do casal. "As paredes eram todas brancas, fui pintando uma a uma, sem avisar. Ele chegava em casa e ficava bravo", diverte-se.

O imóvel, de 140 metros quadrados, fica nos Jardins, a duas quadras de seu restaurante. "Minha rotina é maluca. Começo às sete e meia da manhã, fico até a tarde, depois vou para casa ver a Manuela, e volto para o turno da noite", descreve. "O bom é que minha filha pode me visitar." A governanta Aurinete, que há dez anos acompanha a chef, e Chris, babá de sua filha, são seus portos seguros. Com a ajuda delas, Morena fica tranquila para tocar o Capim Santo e seu outro restaurante, o Santinho, além da escola de gastronomia e o catering que levam sua assinatura. Se Manuela prova o tempero da mãe no dia a dia? "Chego em casa e não quero nem ver o fogão", entrega. Casa de ferreiro...

Batendo panela

As panelas francesas de ferro fundido esmaltadas estão no mercado europeu há mais de 80 anos e invadiram as cozinhas brasileiras de uma hora para outra. Lindas e eficientes (e caras!), elas fazem a diferença pelo fato de distribuírem o calor por igual, não só na base, mas em torno da panela, garantindo uma comida mais saborosa. Além disso, elas mantêm o alimento quente por mais tempo.

• A mais famosa no Brasil é a Le Creuset. Os preços variam de R$ 400 a R$ 2 mil, de acordo com o tamanho da panela. www.lecreuset.com.br

• Outra marca francesa, a Staub, pode ser encontrada no site da Doural. A mais barata sai por R$ 200. www.doural.com.br

• A novidade é que a empresa brasileira La Grande Maison começou a fabricar por aqui as panelas queridinhas do momento. No site é possível ver os modelos e onde são vendidas. Uma panela de 20 centímetros de diâmetro sai por R$ 300, e outra de 28 centímetros, por R$ 700. www.lagrandemaison.com.br

matérias relacionadas