por Fernanda Paola

Batemos um papo com a nossa mais nova colaboradora/blogueira Leonor Macedo

Leonor Macedo e seu blog Eneaotil são nossos mais novos parceiros e amigos. Desde a semana passada eles estão aqui, hospedados no site da Tpm, trazendo um monte de textos legais e emocionantes (só o primeiro post teve quase 40 comenários e milhares de visitas!). Seja uma viagem de ônibus, um casamento de um primo distante, um jogo do Corinthians (sua paixão), uma aula de kung fu ou algum episódio na vida de Lucas, seu filho, qualquer história narrada por Leonor é emocionante e engraçada. Conversamos com a crônista sobre o blog e coisas da vida...

Me diz como começou a história do blog, ainda lá atrás... Quanto tempo faz e como começou?
Quando ouvi falar em blog pela primeira vez aqui no Brasil; acho que foi em 2000. Mas ouvi falar que era um diariozinho na internet e achei uma besteirada. Aí descobri que meu irmão tinha um blog e outros amigos dele e comecei a me interessar por ler alguns. Em 2002, quando entrei na faculdade de jornalismo, essa linguagem ficou mais próxima, e alguns colegas de estudo começaram a montar seus próprios blogs, então eu pensei em fazer um também. Era uma maneira de treinar o texto, de escrever de forma mais descontraída. Então criei um chamado Subversiva, que era um adjetivo que eu sempre ouvia! [risos]. Isso em 2002.

Você se lembra do primeiro post?

Era um escrito “Teste” [risos]... Era: “Coisas que você não deve fazer quando está com sinusite”.

Sempre foi um blog biográfico, de crônicas?
Sempre foi. Ele nunca foi noticioso, nunca teve a pretensão de informar ninguém nem de prestar um serviço. Sempre foi sobre a minha vida e a vida de quem está perto.

Diz um post de maior sucesso e um que você tem muito carinho, que te marcou de algum jeito...
Os posts sobre o Lucas são os que fazem mais sucesso. Às vezes ele parece um personagem de uma novela, todo mundo entra querendo saber do Lucas, se ele está bem, o que ele tem passado, o que ele tem falado. Acho que o mais comentado foi um que fiz sobre a minha relação com a madrasta do Lucas, uma homenagem para ela. Mas o de que eu mais gosto é o dos 7 anos do Lucas. Separei uma porção de fotos, uma pra cada ano dele, fui linkando o post com várias histórias que já tinha feito sobre ele e contei a história de como ele nasceu.

O Lucas tem noção disso tudo? Do blog, do sucesso que ele é para um monte de gente que ele nem conhece?
Não, ele não faz a menor ideia. Ele entra no computador única e exclusivamente para jogar, até criou um MSN para conversar com o tio que mora longe e com o pai, mas não tem a menor ideia do que é um blog. Às vezes uns amigos vão em casa e dizem: “Ah, fiquei sabendo que você fez isso, isso e isso”. E ele pergunta: “Como vocês sabem?”. E meus amigos: “Li no blog da sua mãe”. Mas ele entende que eu contei para os meus amigos e só. Nunca me perguntou que raios é “o blog da sua mãe”. E é bom que não descubra tão cedo o que é o meu blog, porque eu tenho um projeto secreto com ele.

Você tem vontade de editar as histórias dele num livro?
Muita gente me pede isso. Mas são as histórias da vida dele; então nem sei se teria esse direito. Não até ele crescer, entender e me autorizar. Pensa só, é ele brincando de médico com a priminha, é o fracasso dele como jogador de futebol, é a primeira vez dele na escola, é a minha vida como mãe e a vida dele como filho. Depois de um tempo escrevendo um blog, eu achei uma função para ele: registrar a vida do Lucas, as coisas inteligentes que ele diz, as situações que ele vive. Primeiro era para que eu não esquecesse. Depois, vi que era para que ele se lembrasse. Então eu pensei em organizar todas as histórias do Lucas que já escrevi e entregar a ele quando fizer 21 anos. E lá estarão todas as histórias: a primeira namorada, a primeira viagem de avião, o primeiro dente que caiu.

Mas você não acha que daqui a um tempo ele vai acompanhar o seu blog, como tantos outros?

Pode ser que sim... Pode ser que ele fique puto comigo, que ele morra de raiva quando for adolescente ou morra de vergonha, pode ser que ele entenda, que ele curta. A gente tem uma relação muito boa que foi se construindo aos trancos e barrancos, mas da melhor forma.

Você tinha quantos anos quando teve o Lucas?

Fui mãe logo que completei 19 anos, mas tive a sorte de ser mãe do menino mais legal do mundo, então essa nossa relação é algo de que me orgulho muito, e é muito forte, a gente se admira. Eu espero que ele leia, se veja ali e ache o máximo. Mas tô quase apostando que ele ficará puto, pelo menos até os 18 anos.

Mudando de assunto, me diz o que está achando desta nova fase na Tpm?
Ah, eu estou feliz... Significa que fui muito mais longe do que esperava com um blog. Significa que muito mais gente lê o que eu escrevo e gosta. Quando comecei a escrever, pensei que o blog seria lido por umas cinco pessoas. Mãe fuçona – porque ela lê, comenta e mexe na internet –, pai fução, melhor amigo, pretê, ex-namorado. Aí os acessos foram aumentando aos poucos. De repente, todos os primos distantes liam, as pessoas do meu trabalho, e aquilo foi fugindo um pouco do controle. Hoje tenho cerca de 1.500 acessos diários, que é mais do que o site em que eu trabalho, de uma ONG nacional, que é uma referência em educação, recebe todos os dias. Por um lado eu acho bizarro, por outro lado eu acho incrível. Nunca imaginei que a minha vida seria tão interessante pra tanta gente.

Você lê crônicas? Tem algum escritor de que goste muito, que seja inspirador para você?
Eu leio bastante, de tudo na verdade. Sou fã de Lourenço Diaféria, que, além de corintiano, escreveu as crônicas mais bonitas da cidade de São Paulo.

Pra finalizar, diga o que as leitoras do site da Tpm podem esperar do Eneaotil?
Acho que nada diferente do que a vida que elas têm ou podem ter. Eu sou uma pessoa absolutamente normal. Saio um pouco do comum porque sou uma mulher apaixonada por futebol, pratico kung fu, fui diretora de torcida organizada, mãe solteira aos 19 anos, tenho uma relação incrível com o pai do Lucas e com a madrasta, minha melhor amiga é minha mãe, bebo cerveja mais que qualquer menino, jogo sinuca, essas coisas... Mas acho que isso está cada vez mais normal entre a mulherada, então no Eneaotil não tem nada de diferente do que elas conhecem. O que diferencia o Eneaotil de outros blogs acho que é a minha maneira de ver a vida, me divirto o tempo todo, ou quase o tempo todo, e é isso que é o blog. Ele é divertido e feliz, como eu sou – mas também com uma personalidade forte, brava, indignada, subversiva e teimosa.

Visite: http://www.revistatpm.com.br/blogs/eneaotil

matérias relacionadas