por Lila Cruz

A americana Liz Prince faz piada de seus encontros fracassados em álbum de HQ

Quando um encontro vai mal, muitas mulheres escrevem em agendas, reúnem-se com amigas ou simplesmente partem pra próxima. Liz Prince faz quadrinhos. A quadrinista norte-americana reuniu as rejeições, as reflexões sobre relacionamentos e os encontros estranhos ou malsucedidos em uma coletânea de intitulada Alone forever (Sozinha para sempre). O livro é dedicado (segundo a autora) à “qualquer um que já teve uma queda por alguém, se apaixonou, se desapaixonou beijou um estranho (…) e se deu conta de que se dá melhor com gatos que com seres humanos”. Quem nunca?

Com um traço simples, mas que vai direto ao ponto, a quadrinista revela seu amor por homens barbados e camisas quadriculadas, além do fato de ter uma quantidade muito maior de amigos homens que de mulheres (o que por consequência afastava possíveis pretendentes). Alone forever conta muito sobre as mulheres que precisam lidar com as pressões a respeito de ser feminina, ter algum relacionamento e de estar apaixonada. Liz faz isso com bom humor e bastante talento. Ignorando, claro, todas as piadas que ouviu (e desenhou) sobre o título do quadrinho: “Espero que você desenhe Alone forever para sempre”, disse um amigo, fazendo graça com Liz. “Ah, obrigada – espera, você quer que eu fique sozinha pra sempre?”, ela retruca.

Ainda não dá pra comprar a HQ no Brasil, mas graças ao universo sem limites da internet, é possível adquirir a versão online no site da editora, a Top Shelf, por menos de quatro dólares. Boa pedida para ler com ou sem gatos em casa.

Vai lá: http://lizprincepower.com

(*) Aline Cruz (aka Lila) é jornalista, ilustradora e quadrinista. Seu trabalho pode ser conhecido no site ColorLilas http://colorlilas.com Ela vai colaborar semanalmente com o site da Tpm escrevendo sobre HQ.

matérias relacionadas