por Carmita Abdo
Tpm #178

Carmita Abdo faz um breve - e necessário - panorama das mudanças da sexualidade feminina nas últimas décadas

As pesquisas confirmam que, no Brasil e em todo o mundo, a iniciação sexual acontece cada vez mais cedo. Atualmente, os jovens começam a manter relações sexuais completas em média aos 15 anos, tanto eles quanto elas. Essa idade varia dos 10 aos 20 anos, em nosso país. O invariável, entretanto, é o sexo praticado na iniciação: acontece entre colegas da mesma escola, do mesmo bairro ou círculo social.

A “garota de programa” deixou de ser a parceria habitual dos meninos iniciantes exatamente porque a revolução sexual das últimas décadas propiciou às meninas compartilharem essas experiências.

Some-se a isso a investida profissional a que as jovens aderiram de forma irreversível, valorizando a carreira e, consequentemente, protelando a união estável para a terceira década da vida, após se firmarem nas posições a que tiveram acesso de forma crescente.

Daí, com iniciação mais cedo, casamento e filhos mais tarde, as mulheres (antes restritas a poucos relacionamentos afetivos-sexuais até se casarem) passaram a ter pelo menos 15 anos de vida sexual ativa e diversificada até assumirem (ou não) o compromisso do matrimônio e da maternidade.

LEIA TAMBÉM: Conheça a arte centrada no clitóris de Sophia Wallace

A possibilidade de múltiplas parcerias (sucessivas e até simultâneas) as tornou mais experientes, porém nem sempre mais satisfeitas. Isto porque os relacionamentos mudaram drasticamente de perfil, a partir da década de 70: se eram baseados na expectativa de intimidade, cumplicidade, fidelidade e estabilidade, passaram a priorizar autonomia, diversidade, experimentação e independência.

O namoro foi, portanto, substituído pelo “ficar”. A sequência “flerte, envolvimento, vínculo”, característica dos anos 50 e 60, deu lugar ao descompromisso e à provisoriedade da modernidade líquida dos nossos dias, assim batizada por Bauman.

Sem objetivo de casar e procriar, é natural que o sexo se desvinculasse do afeto, como foi para quatro em cada dez mulheres brasileiras de todas as idades, no início dos anos 2000. Chegando a cinco ou seis em dez, uma década depois, quase se equiparando aos três quartos dos homens (não a totalidade deles!) que eram – e continuaram sendo, na mesma proporção – adeptos do sexo pelo sexo.

Todas essas inéditas e significativas mudanças foram alavancadas pela chegada da pílula anticoncepcional em meados do século passado, a qual viabilizou a conquista da autonomia econômica pelas mulheres.

Enquanto elas se superavam surpreendentemente, os homens surpreendidos respondiam com prontidão (os corajosos), perplexidade (os distraídos) ou inibição (os inseguros).

LEIA TAMBÉM: Os prazeres e as angústias da recém-conquistada liberdade sexual feminina

 Um novo repertório

Em meio a tal transformação sócio-cultural, os medicamentos pró-eréteis, descobertos no final do século 20, passaram a fazer parte da rotina dos relacionamentos sexuais casuais. Nem sempre tendo ideia do nível de experiência da eventual parceira, de qual seria o repertório preferido e do grau de ousadia permitido durante a relação, homens jovens e saudáveis, senhores de meia-idade em bom ou mau estado físico e idosos reabilitados para a atividade sexual se valeram das pílulas azuis, amarelas, de qualquer cor, para não “fazerem feio” diante de mulheres supostamente resolvidas no sexo.

Há quem enalteça e festeje a reviravolta que atropelou as últimas gerações e motivou novas formas de erotismo, embaladas pelos sites, aplicativos e tantos outros recursos que ensejaram o namoro pela internet, os nudes, o sexo virtual etc., etc… Há quem lamente e pragueje contra essa “falta de compostura” e excesso de despojamento.

Não cabe aqui euforia nem nostalgia, aplausos nem vaias, valendo sim aproveitar a liberdade conquistada, a diversidade escancarada, os limites e o preconceito superados. E ir além, aonde a maturidade permita à mulher do século 21 continuar surpreendendo não em todos, mas no melhor dos sentidos: fazendo a diferença!

 

* Psiquiatra, professora do Departamento de Psiquiatria da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP). Fundadora e coordenadora do Programa de Estudos em Sexualidade (ProSex) do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da FMUSP e presidente da Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP)

Créditos

Imagem principal: Camilla de Carvalho

fechar

Entre em contato
com a trip


fale conosco

PABX +55 (11) 2244-8747
Caixa Postal: 11485-5
CEP: 05414-012
São Paulo - SP

atendimento ao assinante

SP (11) 3512-9465
BH (31) 4063-8433
RJ (21) 4063-8482
das 09h às 18h
assinaturas@trip.com.br
 CENTRAL DO ASSINANTE 

ou se você preferir:

e-mail inválido!
mensagem enviada!
fechar

Assine


E leve ousadia, moda, irreverência,
comportamento, inspiração.
Tudo isso com coerência, profundidade
e um olhar que só a Trip tem.

trip

Desconto de 25%

1 ANO
11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Conceito

assinar

1 ANO
11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Trip Girl

assinar

trip

Grátis um super relógio

2 ANOS
22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Conceito

assinar

2 ANOS
22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Trip Girl

assinar
fechar