Tpm

por Renata Vanzetto
Tpm #101

A chef Renata Vanzetto entrega de bandeja seus lugares preferidos de Ilhabela, SP

Como fui criada na Ilhabela, litoral norte de São Paulo, além de o lugar me proporcionar a melhor infância do mundo, conheço cantinhos que talvez os turistas nunca tenham ido. A Ilha é  rodeada por mar e invadida por mato, tem 90% da sua área de Mata Atlântica preservada, habitada pelas mais diversas pessoas, caiçaras, pescadores, amantes e estudantes da natureza. Porém, o que mais se vê são pessoas que abandonaram a cidade grande para ir atrás da essência da vida: a simplicidade, a calmaria e a magia que tem Ilhabela.

Quem nasceu ou cresceu por lá, costuma ter a mente mais aberta, como se diz... cabeça de artista . A Ilhabela proporciona isso. Talvez pela liberdade que se tem desde a infância, o contato com a natureza e a convivência com o povo local que é pura arte. Todo mundo se conhece, todo mundo tem o direito de sair da escola, pegar a bike e ir para praia. A vida lá é mais feliz, eu garanto.

Faz um ano que moro em São Paulo e, podem acreditar, não voltaria para Ilhabela. Minha profissão e meu ritmo de vida exigem que eu esteja aqui. A Ilha formou minha personalidade, me deu uma juventude diferenciada e me fez saber o real valor das coisas. Mas, agora, quero crescer na profissão e São Paulo sabe fazer isso como ninguém.

Para começar o dia

Vá tomar café da manhã na Refúgio das Pedras, uma pousada que fica no fim da estrada do sul. Tem um café totalmente artesanal e tudo é preparado pelos donos: as geleias, os pães, os sucos, o croissant de chocolate é o melhor. O lugar é lindo, cheio de mato e bem decorado!

A praia escondida
Aproveitando que está no Sul, conheça a praia do Julião. Saindo da avenida, é preciso descer uma pequena trilha para chegar. Supercharmosa, ela é pouco conhecida e tem uma plaquinha pequena de propósito. Lá, tem uma pequena ilha à frente que dá para chegar nadando.

Almoce por lá
Quem frequenta a Ilha há muito tempo, já conhece o antigo e famoso Restaurante Ilha Sul.  A minha dica é comer o polvo com batatas coradas. Supermacio, o prato serve três pessoas fácil! Se preferir gastar menos, coma o PF mais conhecido: o do Cheiro Verde. O meu preferido é o Dedo de Moça um lugar lá no sul. O prato custa uns R$ 18, e vem uma saladinha antes e tem opções de carne, frango e peixe. A mandioca é bem sequinha

Os docinhos
Minha parada obrigatória é ir à livraria e café Ponto das Letras para ver uma revista e comer um pavê de chocolate. Ele vem em uma taça com várias camadas, é sensacional! A empadinha de funghi vale ser provada!
   
Não deixe de ir na Comidaria DonaBella, uma espécie de empório que vende queijos, pães, vinhos, tudo do melhor. A grande estrela são os produtos fabricados por lá. Eles fazem o melhor doce que já comi em toda minha vida (não é exagero). Sou completamente viciada e já cheguei a ponto de comprar dez unidades e levar para São Paulo. É uma tortinha de maçã com um creme e canela. Achou normal? Doce de velho? Eu também achava, mais prove e tire suas conclusões.

À noite
Claro que vou falar do Marakuthai, né? Se você for em um sábado, reserve cedo e peça para minha tia, que é quem cuida do restaurante, uma mesa perto da praia. Experimente as caipinhas, o barmam e ótimo e tem um décor linda! Hoje, tenho meus subchefs na cozinha, a Shay e o Caio, eles mandam muito bem e pode ir tranquilo nas sugestões de entrada: copinhos de guacamole com cubinhos de salmão e bolinho de camarão, o mais pedido. De prato, sugiro o polvo com vinagrete de pimenta biquinho e a carne picante com farofa de banana!

Outra opção superconhecida é o Viana, restaurante de um amigo que preza pela qualidade dos frutos do mar. A casquinha de camarão e simplesmente maravilhosa! É regra ir para a  Ilhabela e comer a casquinha do Viana: é cremosa, cheia de camarão, com um toque de leve de pimenta. Incrível! O couvert traz um pão típico alemão feito com o maior cuidado pela avó de outro amigo. Delicioso.

Tem um que merece atenção especial, pois é especial! Quem vai ao Portinho se apaixona. O casal Fernando e Renata, ele, cozinheiro italiano, ela, uma especialista em receber, viviam recebendo os amigos para comer massa na casa onde moravam no meio do mato. Um dia, tiveram a genial ideia de começar a cobrar e aí virou um restaurante. Isso mesmo, na própria casa deles, onde até se vê porta-retrato no banheiro. Tem uma mesa de antepastos e queijos no meio da sala. Mas, atenção: só com reservas!
   
Se você quer uma pizza, a melhor da Ilhabela se chama Caminho de Pizza. Lá, se come pizza com a mão, servem cervejas de garrafa e se come em mesas de troncos de árvores sob luz baixa. Tem vários sabores diferentes como a de shitake, que é muito bem feita.

Sanduba? O tradicional Borrachudo sempre! O suco de laranja com morango já ficou famoso por ser tão fresquinho e bom!

After dinner

O meu roteiro nos fins de semana: ir comer um japônes no Vento do Padre (o melhor da ilha) aproveita que a caipirinha e o som são bons  e estenda um pouco a noite por lá. Depois, se quiser um agito vá para o Creoula, uma das únicas baladas da Ilha, um lugar que imita um barraco de obra.
 
Se quiser algo mais alternativo, vá ao Estaleiro! Ali no centrinho mesmo. O lugar parece um garagem de barco velha. Mas é o máximo! Uma turma do meu colégio se juntou e abriu um bar. As meninas recebem os clientes e os meninos servem. Resultou em um lugar improvisado, de gente alterenativa, com um som bom, toca de samba à rock. A bebida famosa é o submarino, servido num copo gigante de cerveja com um copo de tequila dentro. Um só já faz um efeito até grande demais!

*Renata Vanzetto é chef de cozinha e editora convidada da Tpm#101.

 

 

matérias relacionadas