por Ariane Abdallah
Tpm #56

Dono da alma mais feminina entre os diretores de cinema e teatro brasileiros , Domingos Oliveira fala à Tpm sobre fidelidade, amor e morte

#BaúdaTpm: Na edição 56 da revista, em julho de 2006, o entrevistado das Páginas Vermelhas foi o diretor de teatro e cinema Domingos Oliveira. Então com 69 anos, ele declarou: "Eu sou contra a morte. Vou morrer dizendo que não concordo. Acho uma injustiça, uma sacanagem, uma baixaria". Ele se manteve ativo produzindo filmes e peças que exploraram com poesia a condição humana até morrer, aos 82 anos, no dia 23 de março de 2019, em casa. 

Vestido com uma calça de veludo e uma malha quentinha de lã, Domingos José Soares de Oliveira, 69 anos, recebeu a reportagem da Tpm em seu espaçoso apartamento no Rio com a seguinte declaração: “A primeira coisa que eu preciso dizer é que estou de saco cheio de sempre dizer as mesmas coisas em entrevistas. Tento ser original, mas é muito difícil. Então prometo tentar dar uma entrevista como eu nunca dei”. A gente agradece. Eram 9h da manhã de um dia parcialmente útil, já que, em poucas horas, o Brasil jogaria contra Gana na Copa da Alemanha.

Na sala, os livros, muitos sobre sexo e filosofia, disputavam o espaço e as atenções com fotos, que, como as obras, denunciam quem é o dono da casa: imagens de peças de teatro, da atual mulher, Priscilla Rezenbaum, e da filha, Maria Mariana, atestam que ele gosta de arte e de mulheres.

Há quatro décadas, Domingos, dono da alma mais feminina entre os diretores de cinema e teatro brasileiros, transpõe nossas feminices reais para os palcos e para as telas de cinema. São histórias de amor, sobre as relações humanas, que, para ele, estão por trás de todas as coisas. Suas histórias são marcadas por uma forte perspectiva feminina, poderiam ter sido narradas por qualquer das mulheres que já passaram por sua vida.

Ele começa a falar, com a voz baixa e rouca, a boca quase imóvel, numa toada sem pausas. É só lançar um tema que Domingos cabeceia para o gol, com uma filosofada. Ele adora usar as idéias como se fossem malabares: o que era maravilhoso numa frase se torna algo horrível na próxima.

Apesar da lucidez das idéias e da quantidade de projetos em andamento, o corpo do escritor – como ele se denomina – dá sinais da idade e da vida nada economizada. Os longos dedos tremem na tentativa de pegar qualquer objeto ao redor. Todos os movimentos têm de ser feitos lentamente.

Ele ficou conhecido em 1967, quando lançou seu primeiro filme. Todas as Mulheres do Mundo, um relato de seu romance com a atriz Leila Diniz, protagonista de si mesma no filme, que contracenou ao lado do ator Paulo José. Depois vieram Edu, Coração de Ouro, Amores, Separações e Feminices. Dirigiu e escreveu dezenas de peças, entre elas Confissões de Adolescente, baseada nos diários da filha Maria Mariana.

LEIA TAMBÉM: Maria Ribeiro, por Domingos Oliveira

Sua produção é incessante. São 147 obras ao longo de 40 anos. Sua mais nova peça, Carreiras, tem estréia prevista para dia 14 em São Paulo. O filme de mesmo nome chega às telas em outubro. Outros três longas estão na agulha, o mais aguardado é Complicações, seu primeiro filme produzido pela Globo Filmes e Columbia Pictures. Rei do baixo orçamento (estima-se que Carreiras custou 35 mil reais), ele se assusta com a parceria. “Nunca me meti com os leões antes. Tenho a impressão de que não vou gostar, mas quero ver como é.” Ele ainda apresenta um programa de entrevistas no Canal Brasil, Todas as Mulheres do Mundo, em que só entrevista... mulheres.

Ronaldo, o Fenômeno, interrompe o papo ao marcar contra Gana (o Brasil deixaria a competição quatro dias depois) e o jogo expulsa a conversa da sala. A seguir, os melhores momentos do encontro.

Tpm. De onde vem seu interesse pelas mulheres?

Domingos. Fui criado por um matriarcado, minha mãe e minha avó eram figuras muito fortes e talvez eu tenha aprendido a lidar com elas. Minha mãe era possessiva, como toda mãe. Sempre gostei muito de mulheres, sempre me dei muito bem com elas, sempre achei que as mulheres são mais inteligentes que os homens.

Quantas vezes você casou? Cinco, mas gostaria de ter casado dez, porque mulher não é uma vivência, é uma cultura. Ao mesmo tempo, gostaria de ser solteiro. O homem – e a mulher também – quer ser casado, fiel, ter um amor só na vida. Por outro lado, quer ser livre porque sabe que a vida a dois cerceia as possibilidades da alma. Mas, como a solidão também cerceia, as pessoas vivem entre esses dois pólos.

Você ficou solteiro por muito tempo? Muito pouco. Outro dia, fazendo as contas da minha vida por brincadeira, vi que comi mais mulheres do que imaginava, mais de dezenas, mas não chegam a cem.

“Beleza é um valor para o primeiro , segundo, terceiro dia, porque no sétimo começa a cansar se não tiver uma coisa legal por dentro”
Domingos Oliveira

Enquanto você estava casado, saía com outras mulheres? Detesto o adultério. Mentir é horrível, a mulher descobre na mesma hora, não tem graça nenhuma, você vive as coisas pela metade. Para quem está casado ou tem namorado, a fidelidade é ruim, mas é pior sem ela. Eu adoraria ser desses homens mentirosos, que conseguem ter outras mulheres, mas não tenho essa vocação.

O Nelson Rodrigues também falava muito da mulher e compreendia nosso universo, mas ainda assim tinha um olhar masculino. Você tem uma visão feminina... Eu sou mulher. Tenho uma alma muito feminina. Sou delicado e romântico. Numa festa, por exemplo, num grupo de homens, nós conversamos sobre política, economia. Acho bem mais interessante passar para o grupo das mulheres, onde tem sempre uma fofoca, um acontecimento humano, é mais rico. Elas têm um bom senso invejável, são mais objetivas.

Seus filmes são grandes discussões de relacionamento, uma coisa típica de mulher. Acho que a coisa que mais me perseguiu na vida inteira foi ser chamado de alienado por dar menos importância às questões políticas e de trabalho. Nunca fui um homem de grupo, nunca pertenci a nenhum time de futebol, nem faculdade, nem clube, nem à minha família acho que pertenci realmente. Sempre achei política um assunto importantíssimo. Me meti em todos os movimentos da minha geração, mas não acho o assunto o mais importante do mundo. Sempre achei que as relações humanas são o que há de mais profundo, o que está por trás de tudo. É sempre amor.

LEIA TAMBÉM: Todas as mulheres do mundo - Elas sobem ao palco e falam sobre o que pensam, sentem e pretendem as mulheres de 30 anos

Atualmente grande parte da produção cinematográfica brasileira aborda assuntos sociais, como pobreza e imigração. Você gosta desses temas? Gosto, acho importantes. Mas só consigo escrever sobre as coisas que entendo, que vivi. Acho legal que os outros escrevam sobre os problemas sociais brasileiros. Eu falo dos problemas sociais, mas da sociedade que eu conheço.

No seu livro Duas ou Três Coisas que Sei Dela, a Vida, você fala sobre a banalização cultural da indústria da TV e da música a partir da década de 90. Como você vê a indústria da beleza? Faz parte da sociedade de consumo em que vivemos. O homem da classe média é mais inserido no mercado de trabalho do que a mulher até hoje, então a mulher tem mais tempo livre. E nesse tempo livre a tentação de comprar é irresistível. Para as mulheres, o que mais vende são roupas, operação plástica, que se tornou quase obrigatória, só não faz quem não tem dinheiro. Eu tenho horror, vivo tentando convencer a minha mulher a não fazer. Há uma ditadura de que tem que ser magra, elegante e outras coisas que não têm a menor importância. Na peça A Casa dos Budas Ditosos, que eu adaptei do livro do João Ubaldo Ribeiro, a personagem diz que esse conceito de beleza não se aplica bem aos homens. Homens feios são queridíssimos das mulheres, homens bonitos é que não são. Eu desconfio que beleza também não se aplica tanto assim às mulheres. Se você perguntar aos homens quais são as mulheres que eles acham um tesão, vai haver dentre elas algumas bastante feias, fora do padrão. Beleza é um valor para o primeiro dia, para o segundo dia, para o terceiro dia, porque no sétimo começa a cansar se não tiver uma coisa legal por dentro. Mas beleza abre portas, apaixona, e as mulheres bonitas são perigosas. Ainda bem que, de modo geral, elas são burras, porque acabam não precisando desenvolver a inteligência.

O que você acha do grande número de mulheres que hoje coloca silicone? Adoro peitos pequenos, acho elegantíssimo. Diminui a diferença entre o homem e a mulher e isso é bom. Peitos grandes são irresistíveis porque lembram a infância, tem a ver com a nutrição do bebê. E é bonito de ver. Agora, botar silicone é um horror. Porque o peito não foi feito só para a gente ver, foi feito também para pegar. A mulher que coloca silicone está a fim de ser vista, não de ser tocada.

Será que esse interesse pela estética é para agradar aos homens ou às próprias mulheres? É para agradar ao homem. Todo o esforço do estado estético é para agradar ao outro sexo.

E isso é realmente importante para os homens? Eles só dão bola para isso. Tenho muitos amigos que só têm namoradas bonitas. E eu próprio não posso dizer o contrário.

Como foi o nascimento da sua filha, Maria Mariana? Quando você tem um filho, é maravilhoso, mas até certa idade, porque depois é horrível, ele vai embora e não volta. São uns ingratos. Mas você revivencia com muito mais compreensão várias coisas. Você regurgita através do filho, reaprende a andar, aprende a ter o primeiro romance...

“O que presto atenção numa mulher é a alma que ela tem, seu grau de sensualidade”
Domingos Oliveira

 Como era sua relação com a mãe dela? A Lenita [a atriz Lenita Plonczynski] já tinha três filhos quando nos casamos. Um dia, ela resolveu morar no mato e deixou a Mariana com dez anos para eu criar. Sempre foi muito presente. Não agiu mal, pelo contrário, até hoje é minha grande amiga. Agora a Mariana é que resolveu ser dona de casa, mãe de filhos, o que é uma lástima, porque ela era uma atriz genial, inspirada. [Casada com o médico André Pessanha, Mariana mora em Macaé, no Estado do Rio, e é mãe de três meninas] Eu disse para ela: “Você cria filhos como eu crio peças”. Não fico zangado, ela está grávida do meu quarto neto e eu sou apaixonado pelas minhas netas, mas gostaria de vê-la mais perto da arte.

Quando você se casou a primeira vez achou que fosse para sempre? Toda vez que casei achei que fosse para sempre.

Com quem foi seu primeiro casamento? Com uma moça chamada Eliana, aos 21 anos. Me separei aos 22. Uma moça muito fina, elegante. Ela pintava, tinha uma grande sensibilidade. Mas mais fino era o pai dela. Na minha casa nunca se leram livros, não tem ninguém de cultura, de arte. E o pai da Eliana foi o primeiro cara que me reconheceu como artista. Eu escrevi um poema que ele achou formidável. Me apresentou Nietzsche, Schopenhauer, Beethoven, me apresentou a cultura. E eu fiquei apaixonadíssimo por ele. Não sei se amava mais ele ou ela.

Você também foi casado com a montadora de filmes Nazaré Ohana [morta num acidente de carro em 1978], mãe da Cláudia. Quanto tempo durou? Meu tempo eram três, quatro anos.

Então a Priscilla [a atriz Priscilla Rozenbaum] é uma exceção porque vocês estão juntos há mais de 20 anos... É, mas com a Lenita eu fiquei dez. Você vai aprendendo a jogar o jogo do casamento.

A Leila Diniz foi sua segunda mulher e depois de sua morte [a atriz morreu em 1972, num acidente de avião], apesar de vocês já estarem separados, você ficou um bom tempo sem tocar no assunto publicamente. Por quê? Eu sou contra a morte. Foi a morte da Leila que me colocou definitivamente nessa posição. Vou morrer dizendo que não concordo. Acho uma injustiça, uma sacanagem, uma baixaria. Por isso, eu normalmente não vou a enterro, como não fui ao da Leila, só se tiver uma pessoa querida precisando de mim. Não compactuo com essa sujeira.

Como vocês se conheceram? Ela tinha 17 anos, eu tinha 26. Sempre fui muito festeiro, e ia dar uma festa de Natal. Umas 8h da noite, eu tinha que ir pra casa da minha mãe e voltaria às 11h. Quando estava saindo, bate na porta uma menina encantadora, a Leila, dizendo: “Eu soube que vai ter uma festa aqui, posso entrar?”. Eu disse: “A festa só vai começar às 11h, eu vou sair, mas se quiser você fica recebendo as pessoas”. E deixei ela lá. Quando voltei, a festa estava “cheíssima”, uma loucura, até de madrugada. Naquele tempo, anos 60, as festas eram bravias. Depois que foi todo mundo embora, eu olhei para a poltrona, tinha uma menina dormindo, ela tinha ficado lá porque eu tinha paquerado ela um pouco durante a festa, como tinha paquerado dez outras. Fomos da poltrona para a cama. E na cama eu levei um susto, ela era um mulherão. Ficamos juntos quase quatro anos. Eu gostei muito dela e ela de mim. Tivemos um romance muito bonito. Ela não foi o maior amor da minha vida, foi um dos meus grandes amores, um amor de juventude. Porque não dá para comparar amor, são todos plenos.

LEIA TAMBÉM: Confissões de mulher - Maria Mariana, a autora do famoso Confissões de Adolescente, causa polêmica com seu novo livro, Confissões de Mãe

Por que vocês se separaram? Porque jovem não aguenta ficar casado, a libido é muito forte. Não houve nenhum motivo especial para que nos separássemos, ela inclusive dizia para todo mundo que eu tinha sido “o” marido e que daqui a alguns anos a gente ia voltar a ficar junto. Seria bem possível. Além de ter sido um romance muito tesudo, muito bonito, fiquei com uma dor de corno enorme quando terminamos. Foi a separação clássica, universal, em que o homem faz tudo para se separar, e quem separa é a mulher. Você enche o saco da mulher, tortura até ela te mandar à merda. Foi assim também comigo. Depois que separa, os homens ficam doidos para voltar. É a regra geral do jogo, o jogo imbecil dos machos. Fiquei com uma necessidade de voltar pra ela e inventei um filme [Todas as Mulheres do Mundo], que corrigia um pouco a realidade, porque na história continuávamos juntos.

Você acha que se a Leila fosse viva ela colocaria silicone? É bem capaz. Leila era muito desprendida e muito chegada a experiências. Apesar de ela saber que a verdadeira beleza não dependia de uma maquiagem ou cirurgia plástica, acho que ela não aceitaria a velhice de bom grado.

O que você acha que mudou na mulher nessas quatro, cinco décadas? Te confesso que o que presto atenção numa mulher é a alma que ela tem, seu grau de sensualidade. Nesse sentido, as mulheres mudaram pouco porque quem é rico espiritualmente é rico em qualquer época. As mulheres de 40 anos de hoje são as de 30 de antigamente. Houve um “atraso” de cerca de dez anos com homens e mulheres, porque hoje o tempo de vida é maior.

As pessoas parecem interessadíssimas em parar o tempo. O que você acha disso? Nós acreditamos muito no mito da juventude como um poder superior. Isso é desagradável. Houve outras épocas da humanidade em que a velhice era venerada. Acho a juventude maravilhosa. Qualquer defesa da velhice é absolutamente ridícula.

Não é bem assim... É que você é jovem. É uma questão de corpo e alma. Quando você é jovem, não sente o corpo, então você é a sua alma. É como se existisse só sua vontade, seu desejo, seus pensamentos. Quando você fica velho, começa a sentir o corpo e isso faz com que tenha menos tempo para pensar na alma. Você envelhece só por fora, e isso é cruel, absurdo e louco.

Quando você começou a sentir a idade no corpo? Depois dos 55, 60 anos. Hoje, não bebo como gostaria. Não jogo mais o mesmo basquete, não viro noites, tenho limitações. Mas me sinto com 12 anos. Tem muitos lugares a que eu quero ir, muitas mulheres que eu gostaria de comer, muitas obras que quero escrever, estou 500 anos atrasado. Não comecei ainda.

Créditos

Imagem principal: Bispo

fechar

Entre em contato
com a trip


fale conosco

PABX +55 (11) 2244-8747
Caixa Postal: 11485-5
CEP: 05414-012
São Paulo - SP

atendimento ao assinante

SP (11) 3512-9465
BH (31) 4063-8433
RJ (21) 4063-8482
das 09h às 18h
assinaturas@trip.com.br
 CENTRAL DO ASSINANTE 

ou se você preferir:

e-mail inválido!
mensagem enviada!
fechar

Assine


E leve ousadia, moda, irreverência,
comportamento, inspiração.
Tudo isso com coerência, profundidade
e um olhar que só a Trip tem.

trip

Desconto de 25%

1 ANO
11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Conceito

assinar

1 ANO
11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Trip Girl

assinar

trip

Grátis um super relógio

2 ANOS
22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Conceito

assinar

2 ANOS
22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Trip Girl

assinar
fechar