Whatsapp é o novo
almoço de família
(só que 24 horas)

por Nina Lemos
Tpm #153

’’O cunhado de uma amiga designer não sabia que existia a santa opção ”silenciar”. Por isso, saiu do grupo da família, o que configura ofensa grave.’’

"Essa Páscoa foi ótima. No domingo, todos trocaram fotos do almoço." Depois que minha mãe contou isso, tive certeza sobre a minha decisão de não usar WhatsApp, só para escapar dos grupos de família. 

Mas o exemplo do almoço é perfeito. O WhatsApp virou a grande festa da família brasileira. É um almoço de domingo que nunca acaba. Tipo drivethru 24 horas. 

E haja loucura! Um amigo revela:

"Minha família tem três grupos: o de todo mundo e dois subgrupos menores. No maior, são 11 pessoas, e eles trocam um monte de bobagem sem parar. Meu primo fala: ‘Aê, tio, viu que os índios estão protestando?’. E começam a mandar artigos sobre índio, até que minha prima, antropóloga, briga com meu pai e manda ele parar de fazer piada de índio. Depois ele manda um vídeo fazendo piada com antropóloga, e todos riem". O que é dito no grupo, ele explica, vira fofoca nos subgrupos. "Se alguém fala que vai casar, todo mundo fala: ‘Que maravilha’. Mas aí no grupo menor soltam: ‘Nossa, que horror casar com aquele cara?’. Tenho vontade de gritar: ‘I don’t care! Não quero saber!’." Como fazer isso seria cortar relações (assim como sair do grupo), ele deixa os grupos no modo silencioso. 

O cunhado de uma amiga designer não sabia que existia a santa opção "silenciar". Por isso, saiu do grupo da família, o que configura ofensa grave. "O grupo surgiu para fazer uma festa surpresa para a minha tia. Mas como ela foi operada de emergência, virou um grupo de oração!" Madura, ela diz: "Eu silencio, mas acho fofo". 

O videomaker Felipe Dalanese achava fofo, até as eleições. "O meu grupo é tranquilo. Mas nas eleições não deu! Meu pai mandava uns textos reacionários e eu tive que tomar uma atitude." Mas qual? Conta, estamos todos atentos: "Telefonei e falei que não era bem assim, que ele tinha que parar".

Conclusões: O melhor jeito de fugir é não ter WhatsApp. Se isso for impossível, deixar no silencioso (opção: por 1 ano!) pode ajudar. E quando alguém perder a noção: telefone. Parece que conversa com voz ainda funciona.

fechar

Entre em contato
com a trip


fale conosco

PABX +55 (11) 2244-8747
Caixa Postal: 11485-5
CEP: 05414-012
São Paulo - SP

atendimento ao assinante

SP (11) 3512-9465
BH (31) 4063-8433
RJ (21) 4063-8482
das 09h às 18h
assinaturas@trip.com.br
 CENTRAL DO ASSINANTE 

ou se você preferir:

e-mail inválido!
mensagem enviada!
fechar

Assine


E leve ousadia, moda, irreverência,
comportamento, inspiração.
Tudo isso com coerência, profundidade
e um olhar que só a Trip tem.

trip

Desconto de 25%

1 ANO
11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Conceito

assinar

1 ANO
11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Trip Girl

assinar

trip

Grátis um super relógio

2 ANOS
22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Conceito

assinar

2 ANOS
22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Trip Girl

assinar
fechar