por Gabriela Borges

Conheça a ”Meditação do auto-toque erótico amoroso”, um exercício que promete eliminar o estresse e reequilibrar as emoções por meio do orgasmo

Há sete anos, a gaúcha Paula Fernanda colocou a mochila nas costas e passou um ano e meio viajando sozinha pelo mundo. Ela tinha 47 anos e acabado de se divorciar. Foram duas décadas de casamento com um dos pioneiros no naturismo no Brasil. Com ele, fundou a comunidade Colina do Sol, no Rio Grande do Sul, e teve dois filhos. “Em todos esses anos pude ver como as pessoas estão longe do corpo, o quanto a vergonha destrói a autoestima”, conta.

“Os neurocientistas documentaram que o ápice do prazer não é o orgasmo, mas o alongamento do estado de prazer alto, que produz conexões cerebrais que envolvem o corpo todo”
Paula Fernanda, terapeuta corporal especialista em Tantra

A viagem transformou sua vida. Paula, que já trabalhava como professora de yoga, conheceu na Europa o tantra, um conjunto de técnicas e práticas em que a energia sexual é vital e sagrada, e uma das mais poderosas para a saúde, a psique e a transcendência. Ela esteve também em países como Índia, Tailândia e Nepal, onde conheceu técnicas, templos e meditações. Em 2011, estudou com o americano Joseph Kramer, que desenvolveu o Sexological Bodywork, uma educação sexual somática, espécie de visão ocidental do tantra, que ajuda as pessoas a se apropriarem de sua sexualidade e do prazer.

LEIA TAMBÉM: Massagem tântrica, uma experiência orgástica

play
“Indico que todas as mulheres façam um mapeamento do prazer, o que sente e onde sente. O empoderamento começa aí.”
Paula Fernanda, especialista em Tantra

De volta ao Brasil, Paula se tornou terapeuta corporal e uniu o tantra à neurociência. Hoje, atende homens e mulheres (cis, trans e homossexuais) em dinâmicas de grupo ou sessões individuais de massagem (por todo o corpo, inclusive nos órgãos genitais). E garante: o ponto G existe, sim. “Não deixe ninguém te dizer o que existe e o que não existe no seu corpo. E ele não é só um ponto, é toda uma área que pertence à estrutura do clitóris; está na entrada do canal vaginal, em ponto rugoso. É como a lâmpada do Aladdin, você tem que esfregar para aparecer”, explica. Algumas mulheres podem não sentir prazer ali logo de cara, podem sentir dor ou dormência, mas isso, ela afirma, é parte de um processo de liberação emocional.

play

Em seu canal do Youtube, Paula reúne vídeos que abordam temas como prazer do homem, orgasmos múltiplos da mulher, dores na penetração e controle de ejaculação. Ao juntar a ciência ocidental à filosofia oriental, ela criou a Meditação do auto-toque erótico amoroso, um exercício que promete eliminar o estresse do dia-a-dia e reequilibrar as emoções, tudo por meio da presença e consciência plena durante o orgasmo. “Quando você muda a tua forma de se masturbar, além de romper com condicionamentos, abre espaço para que a criatividade se manifeste em diferentes áreas de sua vida”.

LEIA TAMBÉM: Duas mulheres que ensinam técnicas de tantra explicam a importância de conhecer e dominar a sua energia sexual

Abaixo, a desenhista Sirlanney ilustra o passo a passo desse exercício. Relaxa e goza!

"Essa técnica chama-se Grande Retenção, também conhecida dentro do taoísmo como 'injeção de consciência', por levar o praticante a entrar em estados de hipercriatividade, propiciando insights e percepções que não conseguimos acessar com nossa mente repleta de informações desnecessárias que impedem vermos a partir da sabedoria que reside em nosso próprio corpo. Você abriu as portas portas do seu coração, o local onde está toda a sabedoria que necessita para ser feliz. Só depende de você nutri-la."

Vai lá: paulafernanda.com.br

matérias relacionadas