por Redação
Tpm #65

A verdade que ninguém conta: as mães sempre choram. E não é por ternura, alegria, nem tristeza. É um choro inexplicável, de vazão a uma experiência engolfante e inefável

 
Dia das Mães, todo ano a gente faz tudo sempre igual. Passados os ritos comerciais e gastronômicos, de tudo resta um pouco. São coisas não ditas, afeto que não se deixa encerrar, presentes de grego. Entre os silêncios, pelo cordão umbilical que nunca se corta, transitam inúmeros segredos femininos, coisas que mulheres não passam de mãe pra filha, que não contam nem umas às outras, que ginecologistas não alertam e pediatras são obrigados a suportar. Dizem alguns que esses segredos visam preservar socialmente a maternidade, que, caso informadas do que nos espera, não a cometeríamos. Duvido. Dizem também que somos tagarelas e incapazes de guardar segredos, também não é bem assim.

Só, somente só

Ocultamos umas das outras que as mães sempre choram, e não somente lágrimas de ternura. Não me refiro aos momentos de celebração ou de conflito, em que se chora de tristeza ou de alegria pelo filho, mas àqueles em que choramos por nós mesmas. No momento inaugural da maternidade, a puérpera chora porque aquela criaturinha parece incompreensível e está querendo demais. Além disso, ela está surpresa de que o papel da mãe caiba a ela, que ainda é tão filha. Sente-se abandonada pelas mulheres mais velhas, que por vezes ajudam, mas parecem não compreender pelo que ela está passando. Mas acima de tudo é um choro inexplicável, de emoção pura, de vazão a uma experiência que é engolfante e inefável. Desculpem a comparação, mas é como quando descobrimos em nós um câncer que, por minúsculo que seja, virará nossa vida do avesso, arrombará nossa rotina com o processo de sua cura, destruirá nosso modo de ver a vida, nos obrigará a reinventar tudo.O encontro com a nova vida de um filho é tão maluco como o encontro com a morte. Ambos tornam nosso passado aparentemente obsoleto e, assim, precisaremos recuperar aos poucos nossa identidade das ruínas.

Por trás do rótulo mãe

Passada essa tempestade inicial, a mãe já lembra bem quem ela era, mas não tem certeza de que saberá retomar. Já sabe que não é incapaz de ser mãe, mas chora porque teme a exclusão social, acha que vai ser esquecida em todos os ambientes que, agora, está limitada para freqüentar. Na infância do filho, ela descobre que não construiu a criatura perfeita e chora, julgando-se fracassada. Se for chamada na escola, ou o filho for excluído do time, ou da festa de pijama. Finalmente, a mãe madura chora o vazio que resta depois de cumprida a tarefa, quando terá que reorganizar sua cabeça para voltar a priorizar tudo o que antes era prescindível. Mas nenhuma delas assumiria essas lágrimas sem morrer de vergonha, como se fosse a única a sentir tudo isso. Se ela contar para alguém, será acusada de depressiva, narcisista e possessiva, quando na verdade está numa recorrente crise de identidade. Enfim, não há mulher que não enfrente suas sinas sociais quando tem filhos e é marginalizada por isso (e quando não os tem, idem). E haja flores, presentinhos e publicidade para dourar essa pílula.

fechar

Entre em contato
com a trip


fale conosco

PABX +55 (11) 2244-8747
Caixa Postal: 11485-5
CEP: 05414-012
São Paulo - SP

atendimento ao assinante

SP (11) 3512-9465
BH (31) 4063-8433
RJ (21) 4063-8482
das 09h às 18h
assinaturas@trip.com.br
 CENTRAL DO ASSINANTE 

ou se você preferir:

e-mail inválido!
mensagem enviada!
fechar

Assine


E leve ousadia, moda, irreverência,
comportamento, inspiração.
Tudo isso com coerência, profundidade
e um olhar que só a Trip tem.

trip

Desconto de 25%

1 ANO
11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Conceito

assinar

1 ANO
11 edições
R$ 98,18
6 x R$ 16,36

Capa Trip Girl

assinar

trip

Grátis um super relógio

2 ANOS
22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Conceito

assinar

2 ANOS
22 edições
R$ 261,80
6 x R$ 43,63

Capa Trip Girl

assinar
fechar